Mostra sobre mestiçagem toca a essência da cultura brasileira

Corra para conferir 'Histórias mestiças', em cartaz em São Paulo até domingo com obras de Portinari, Tarsila do Amaral e Adriana Varejão

'Joaninha', de Luiz Zerbini.
'Joaninha', de Luiz Zerbini.Vicente de Mello/Coleção Particular

Há dois bons motivos para reservar um tempo livre neste fim de semana e conferir a mostra Histórias Mestiças, em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo: ela fala sobre ser mestiço (o que, se você for brasileiro, tem tudo a ver com você) e, além disso, termina no domingo, 5 de outubro, depois de repercutir bem entre críticos e visitantes. E isso não é tudo.

A exposição é composta por 400 obras originais, produzidas do século XVI até os dias atuais em diferentes suportes, e várias delas são inéditas. Além de alguns artistas estrangeiros, figuram nela nomes essenciais da arte brasileira de outros tempos, como Portinari, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Di Cavalcanti e Lasar Segall, e contemporâneos, como Adriana Varejão, Beatriz Milhazes, Luiz Zerbini, Thiago Martins de Melo, Dalton Paula, Sidney Amaral. Esses últimos, por sinal, fazem parte de um grupo que foi convidado a criar obras especialmente para a ocasião.

Segundo Adriano Pedrosa e Lilia Schwarcz, responsáveis pela curadoria, a ideia é investigar as matrizes formadoras do povo brasileiro, abordando a mestiçagem e seu reflexo na arte com uma mescla de linguagens e sem hierarquizar culturas. Apesar de ser um traço marcante da realidade cultural brasileira, a miscigenação é um tema discutido muito timidamente no país.

Muitas questões essenciais foram planteadas: Quem mestiçou quem? Como se mistura inclusão com exclusão social? Como se combinam prazer e dominação? Quais são as diferentes histórias escondidas nesses processos de mestiçagem? "O nosso intuito foi convidar artistas nacionais, africanos e ameríndios para 'conversar' nessa exposição, de maneira a priorizar um aporte mais amplo e que rompa com as margens precisas e expressas pelos nossos cânones Ocidentais", afirmam os curadores, que não se preocuparam com ordens cronológicas.

Obra que compõe a mostra 'Histórias Mestiças'.
Obra que compõe a mostra 'Histórias Mestiças'.Divulgação

São seis núcleos expositivos: Mapas e Trilhas; Máscaras e Retratos; Emblemas Nacionais e cosmologias; Ritos e religiões; Trabalho; Tramas e Grafismos. Neles convivem telas, esculturas, instalações, mapas, artefatos indígenas e africanos, fotos, documentos, textos, vídeos e histórias provenientes de 60 acervos de importantes instituições nacionais e internacionais – o Musée Quai Branly, o National Museum of Denmark, o Instituto de Estudos Brasileiros, o Museu de Arqueologia e Etnologia, o Museu Nacional de Belas Artes e as coleções Mario de Andrade, Masp, Biblioteca Nacional, Museu Joaquim Nabuco.

Um dos destaques imperdíveis é um novo mapa, especialmente confeccionado para a ocasião, que traça a rota dos escravos do interior da África para o Brasil, tendo como base um estudo inédito de maior africanista brasileiros, Alberto Costa e Silva, e produção cartográfica de Pedro Guidara Jr.

Saiba mais no site do Tomie Ohtake.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: