Ataque cibernético ao JP Morgan afeta 76 milhões de contas

É a terceira invasão ao sistema do maior banco dos EUA em menos de três meses

Edifício do JP Morgan Chase em Nova York.
Edifício do JP Morgan Chase em Nova York.Frank Franklin II (AP)

Uma gigantesca invasão no sistema de computadores do JP Morgan Chase afetou, segundo a instituição, 76 milhões de contas e sete milhões de pequenas empresas nos Estados Unidos. O ataque ao maior banco em ativos no país é o último de uma série que afetou outras grandes corporações, como as redes de lojas Home Depot e Target.

O grupo financeiro dirigido por Jamie Dimon explica que os hackers tiveram acesso aos dados de contato de seus clientes, como correios eletrônicos e números de telefone. Mas assegura que os ativos financeiros e os dados relativos às contas não foram comprometidos, porque os invasores não tiveram acesso a informações sensíveis como senhas, dados pessoais ou números de identificação.

Em um primeiro momento, o banco nova-iorquino negou a vulnerabilidade de seu sistema, mas, no fechamento da Wall Street, admitiu que os hackers teriam encontrado uma brecha. É a segunda vez que algo semelhante acontece a esse banco em menos de três meses. Em agosto, a instituição foi vítima de outro ataque, que também afetou outras grandes entidades. O JP Morgan investe 200 milhões de dólares anuais para se proteger de ataques cibernéticos, que ocorrem diariamente. Insiste que, no momento, não observa qualquer atividade incomum.

MAIS INFORMAÇÕES

Os detalhes do novo ataque maciço foram revelados em nota entregue pelo JP Morgan ao regulador financeiro nos Estados Unidos. A invasão do sistema aparentemente começou em junho, mas só foi descoberta um mês depois. As primeiras informações publicadas na manhã de quinta-feira indicavam que cerca de um milhão de contas teriam sido afetadas.

Entretanto, agora se sabe que supera, em muito, os 40 milhões os cartões de crédito de comprometidos no caso da Target na temporada de Natal do ano passado, ou os 56 milhões do Home Depot no verão deste ano. O banco explica que está investigando o incidente junto com as autoridades federais. Ainda não se sabe a origem do ataque.

Arquivado Em: