EUA cresceram 4,6% no segundo trimestre

Dado final, 0,4 ponto acima do previsto, marca uma forte recuperação depois da contração de 2,1% no começo do ano

A economia dos Estados Unidos cresceu a uma taxa anualizada de 4,6% no segundo trimestre, de acordo com a terceira e última leitura do produto interno bruto. Isso é 0,4 ponto percentual a mais do que a parcial anunciada há um mês, e representa o melhor rendimento da atividade econômica em cinco anos. A forte recuperação contrasta com a contração de 2,1% registrada no começo de 2014.

O dado final acompanha a expectativa dos analistas. Esta revisão para cima ocorre apesar de o consumo privado ter se mantido inalterado em relação à previsão, com um aumento de 2,5%. Os norte-americanos gastaram mais do que o esperado em saúde, mas nem tanto em outros serviços. O ajuste se explica porque o investimento das empresas – com alta de 9,7% – e as exportações –11,1% – tiveram uma alta mais acelerada.

A previsão para o terceiro trimestre é de um crescimento mais próximo de 3%. O Federal Reserve (banco central) projeta uma expansão de 2,1% para todo o exercício, subindo para 2,8% em 2015. A inflação vinculada ao consumo se mantém em 2,3% anuais. Existe a expectativa de que no final de outubro as autoridades monetárias encerrem o seu mecanismo de compra de dívida, uma forma de estímulo financeiro, e que os juros – atualmente próximos de zero – subam no primeiro semestre.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete