Seleccione Edição
Login
COLUNA

A morte de Eduardo Campos embaralha as eleições brasileiras

Agora toda a atenção política está voltada para a decisão que o PSB deve tomar nos próximos dez dias para nomear um novo candidato

A dramática morte do jovem candidato à presidência, o socialista Eduardo Campos, de 49 anos, acabará inevitavelmente revolucionando as já difíceis eleições presidenciais do próximo dia cinco de outubro, ao mesmo tempo em que deixa incrédula e dolorida a sociedade brasileira, hoje de luto.

Campos aparecia com 9% das intenções de voto na terceira colocação das pesquisas nacionais, mas contava, chegado o momento da campanha eleitoral, com a força de sua candidata a vice-presidência, a ecologista Marina Silva, que nas eleições de 2010, quando Dilma Rousseff foi eleita, a obrigou a disputar o segundo turno com seus 20 milhões de votos.

Nesta eleição, Marina não pôde ser candidata porque seu novo partido Rede, fundado por ela, não conseguiu a tempo o meio milhão de adesões populares e acabou se aliando com o Partido Socialista Brasileiro (PSB) do falecido Eduardo Campos.

Agora toda a atenção política está voltada para a decisão que o PSB deve tomar nos próximos dez dias para nomear um novo candidato. Até o momento, ainda não chegaram até esta tarde notícias oficiais sobre o caso, mas os analistas políticos deixaram entender que o mais provável é que a candidata agora seja Marina Silva já que não se trata de uma candidata a vice-presidência burocrática mas de uma política de grande peso e personalidade.

Neste caso, pode-se pelo menos levantar a hipótese que será muito difícil para a candidata do Partido dos Trabalhadores (PT) ganhar as eleições no primeiro turno, já que o peso não só político mas também emocional em boa parte do eleitorado poderá pesar a favor da nova candidata.

Se até agora as sondagens colocavam o ex-governador de Pernambuco como terceiro na corrida eleitoral, é porque muitos dos antigos seguidores da ambientalista Marina Silva, sobretudo na classe mais baixa, não haviam entendido por que ela não era candidata e somente a vice.

O que ninguém esquece nesse momento é que a morte de Campos, além de sua situação como candidato presidencial, implica uma grande perda para a política e a sociedade brasileira, já que o socialista era considerado como uma das figuras mais dignas e preparadas da classe política por seu rigor ético e por ter deixado o governo de Pernambuco com 80% de aprovação popular. Era um político conciliador.

Campos havia sido ultimamente um espinho para o ex-presidente, Lula, de quem foi ministro e amigo pessoal. Lula fez o possível e o impossível até o final para evitar que Campos entrasse na disputa para concorrer às eleições contra seu partido.

Em uma entrevista ao noticiário nacional ontem à noite, horas antes de morrer, Campos reivindicou o direito democrático de competir nas eleições por estar convencido, disse, que o governo atual será o primeiro que “deixará o Brasil pior do que quando o recebeu”.

Dois dados impressionaram a opinião pública com a morte de Campos: a coincidência de ocorrer em uma data considerada de mau agouro para os brasileiros (13 de agosto), data na qual também faleceu oito anos atrás seu avô, Miguel Arraes, uma das figuras mais importantes do socialismo deste país, assim como o fato de que Marina Silva deveria ter voado esta manhã com o candidato Eduardo Campos e somente no último momento decidiu fazê-lo em outro avião.

Uma morte, a de Campos, que ocorreu carregada de simbolismo e presságios e que não deixará de ter repercussão também entre os 40 milhões de evangélicos do país, dentre os quais a ecologista Marina Silva, que após ter militado no catolicismo passou a participar dos cultos de uma das igrejas evangélicas, todas elas muito ativas politicamente neste país.