BALANÇO FINANCEIRO

Em meio a denúncias, a Petrobras reporta queda de 25% no lucro no semestre

Alvo de uma CPI, a estatal anuncia balanço no dia em que voltou a perder a condição de companhia de maior valor de mercado na América Latina

Sede da Petrobras, no Rio de Janeiro.
Sede da Petrobras, no Rio de Janeiro.EFE

Em meio às denúncias sobre irregularidades envolvendo a sua administração, a Petrobras anunciou nesta sexta-feira um lucro líquido 25% menor no primeiro semestre deste ano em relação ao registrado no mesmo período de 2013, para 10,3 bilhões de reais (4,4 bilhões de dólares).

A petrolífera informou ainda, também após o fechamento dos mercados nesta sexta, que os ganhos no segundo trimestre caíram 20% ante o período de abril a junho de 2013. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, a queda reportada nos lucros foi de 8%.

No comunicado que acompanhou o balanço, a Petrobras justificou, entre outros fatores, o aumento das despesas financeiras no segundo trimestre, apesar do novo recorde de processamento de petróleo, de 2,172 milhões de barris de petróleo por dia, atingido em junho.

Uma das apostas da estatal é o crescimento da produção de derivados no segundo semestre, principalmente diesel e gasolina, "sustentada" pela Refinaria Abreu e Lima, que prevê a inauguração de sua primeira unidade a partir de novembro. Mais detalhes do balanço serão conhecidos na próxima semana, em teleconferência da companhia com investidores e a imprensa.

Mais informações

Segundo o economista e professor do programa de Energia da Universidade de São Paulo (USP) Edmilson Moutinho, a Petrobras continua sofrendo, muito provavelmente, com as perdas de rentabilidade no mercado doméstico, pela manutenção dos preços de combustíveis. O último reajuste foi realizado no fim do ano passado.

“A companhia também não tem conseguido avançar com a velocidade em cortes de custos e investimentos”, completa Moutinho. Como comparação, ele cita o exemplo positivo da mineradora Vale, companhia privada brasileira que está entre as maiores do mundo.

Segundo o economista e professor, a Vale conseguiu reduzir os seus gastos e elevar os investimentos mesmo com a queda do minério de ferro no mercado internacional -os valores do petróleo estão no caminho inverso.

De acordo com Moutinho, as ações da estatal ainda representam um “porto seguro” no mercado financeiro. Desde março deste ano, os papéis da companhia já se valorizaram mais de 45%, passando de aproximadamente 13 reais para os 19 desta sexta.

Os papéis da companhia na Bolsa têm oscilado nos últimos meses, reagindo, inclusive, às divulgações dos resultados das pesquisas eleitorais sobre a disputa pelo Planalto.

A cada sinal de queda nas pesquisas da presidenta Dilma Rousseff, um mercado à flor da pele acaba por elevar a cotação da estatal, como uma “punição” a uma manutenção dos preços dos combustíveis com fins de ajuste da política macroeconômica, em um movimento que prejudicaria a saúde financeira da companhia, descolada dos preços praticados no exterior.

“O raciocínio é vendido em Dilma e comprado em Petrobras”, antecipava ao EL PAÍS em maio o economista-chefe André Perfeito, da Gradual Investimentos.

O balanço trimestral e semestral também foi divulgado no mesmo dia em que a estatal voltou a perder o posto de maior empresa em valor de mercado na América Latina, segundo estudo da consultoria Economatica obtido pelo EL PAÍS.

A Petrobras havia ultrapassado a fabricante de bebidas Ambev em pouco mais de 3 bilhões de dólares, na última terça, e assumido a liderança. Nesta sexta, no entanto, os papéis preferenciais –que não dão direito a voto na companhia, mas garantem prioridade no recebimento de dividendos– da petrolífera caíram cerca de 4% na Bolsa brasileira, fazendo com que a Petrobras fosse novamente ultrapassada pela Ambev em valor de mercado, com 105 bilhões de dólares, ante 107 bilhões da fabricante de bebidas.

O maior valor de mercado já atingido pela Petrobras na história se deu em 21 de maio de 2008, quando atingiu 309 bilhões de dólares no fechamento dos mercados. No top ten da lista divulgada nesta sexta pela Economatica estão mais quatro companhias brasileiras, além de quatro mexicanas e uma colombiana.

O curioso é que, nos últimos meses, a Petrobras tem ocupado mais as páginas de política do que as de economia, deixando em segundo plano o seu desempenho, as suas perspectivas e os projetos para o negócio do petróleo no Brasil e no exterior.

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi instalada para apurar principalmente denúncias de corrupção e superfaturamento na compra pela Petrobras da refinaria norte-americana de Pasadena, em 2006. Na época da aquisição, a presidenta Dilma Rousseff comandava o conselho de administração da companhia.

Também ganhou as manchetes uma possível irregularidade na própria CPI, com uma denúncia veiculada na revista Veja dando conta de que membros da base do governo federal teriam repassado a depoentes questões que seriam feitas por parlamentares na comissão, com o objetivo de combinar as suas respostas no Congresso.

O caso já rendeu a abertura de uma comissão de sindicância no Senado para investigar eventuais fraudes.

Arquivado Em:

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50