CRISE ECONÔMICA

A Itália entra em recessão com a queda de 0,2% do PIB no segundo trimestre

“Precisamos de tempo, mas não vamos falhar”, diz o ministro da Economia, Pier Carlo Padoan

Pier Carlo Padoan, ministro de Economia da Itália.
Pier Carlo Padoan, ministro de Economia da Itália.ALBERTO PIZZOLI (AFP)

Um balde de água fria caiu sobre a Itália. Os dados divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística da Itália (ISTAT) revelam que no segundo trimestre de 2014 o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolheu 0,2% em relação aos três meses anteriores, quando havia mostrado queda de 0,1%. Além de não crescer, a economia italiana continua perdendo velocidade. E depois de dois trimestres no vermelho, o país entra oficialmente em um novo período de recessão.

A economia volta assim ao período de contração iniciado no terceiro trimestre de 2011 e que foi interrompido apenas no último trimestre do ano passado, quando o PIB registrou ligeira expansão de 0,1%. Em Roma, os alarmes soaram para o Governo, que ainda não saiu de férias para tentar aprovar uma delicada reforma institucional. Em Milão, a Bolsa reagiu com uma baixa de mais de 2,5% e o prêmio de risco está em 170 pontos.

Mais informações

Os dados divulgados esta manhã colocam a economia da Itália em uma situação pior do que o estimado pelas autoridades. "Esperávamos dados mais altos, em linha com as previsões da zona do euro", reconheceu o primeiro-ministro Matteo Renzi. "Mas isso significa que trabalharemos com maior determinação", concluiu com seu já proverbial otimismo.

A ligeira melhora no final do ano passado havia dado a sensação de uma tênue luz no fim do túnel. Tanto que para este trimestre os políticos e o mercado confiavam não em uma expansão, mas pelo menos uma estabilidade, em um 0% mais digno.

Matteo Renzi, primeiro-ministro da Itália

As tensões internacionais — especialmente o conflito entre a Ucrânia e a Rússia, com suas reservas de energia — aumentam a fraqueza da economia italiana e fazem com que a recuperação das contas públicas custe muito mais do que o previsto. Isso foi evidenciado hoje pelo diretor do Il Sole 24 ore nas páginas de seu diário ao ministro da Economia Pier Carlo Padoan. A resposta do ministro é firme: "Sei muito bem, e os mercados também sabem, que a Itália está fortemente direcionada ao crescimento. Precisamos de mais tempo, mas não vamos falhar".

"O limite de 3% na relação entre o déficit e PIB —afirma Padoan na mesma entrevista publicada hoje pelo jornal de economia— não será superado. Não vamos ultrapassar nem em 2014, nem em 2015. Nem sequer colocaremos a mão na Lei de Orçamentos", promete o ministro.

O encarregado de cuidar das contas do país também descarta o risco de que a troika venha de Bruxelas a Roma para conduzir a situação, como aconteceu em Atenas. No entanto, não pode deixar de reconhecer as dificuldades (já não conjunturais, mas estruturais) nas quais se afunda a terceira economia da zona do euro. Porém, como destaca o ministro, nomeado por Renzi há quatro meses para gerenciar as contas públicas, há dados que aumentam as esperanças: "os dados negativos divulgados pela ISTAT se referem aos investimentos. Ao mesmo tempo, os dados sobre o consumo e as exportações são moderadamente positivos. Isso nos dá esperanças de que as famílias recuperem um pouco a confiança e confirma que estamos em uma fase final da recessão, embora subir a ladeira seja muito cansativo, porque a recessão realmente é profunda. Não podemos nos esquecer de que 2013 fechou com um resultado de -1,9%. Mas nosso governo está empenhado em realizar medidas com efeitos de longo prazo. Veremos os resultados de 2015 e 2016." A dúvida é se os mercados — e Bruxelas — sabem esperar.

Bruxelas alerta que a queda do PIB atrasa a recuperação

Ignacio Fariza, Bruxelas

A reação de Bruxelas ao dado do PIB italiano não demorou a aparecer. Um porta-voz do Executivo da comunidade europeia reconheceu que a recuperação italiana “será atrasada mais do que o calculado pela Comissão Europeia em suas estimativas de primavera — nas quais previa um crescimento de 0,6% para 2014.

“Os dados apontam um PIB muito mais fraco para este ano, embora em linha com o publicado pelo FMI e pelo Banco da Itália", destacou. Estas mesmas fontes admitem a possibilidade de que a fragilidade da economia italiana terá um impacto negativo sobre suas contas públicas, mas preferem não revisar ainda a o número do déficit para este exercício.

“Ainda é muito cedo e não é possível ver uma tendência clara”, destacam. A revisão do quadro italiano por parte das autoridades da Comissão Europeia acontecerá nas previsões de outono, que serão publicadas em novembro e que servirão de base para a avaliação do projeto orçamentário que o Governo de Matteo Renzi deve apresentar para 2015.

Onde não há mudanças é na receita de Bruxelas para que Roma melhore o desempenho de sua economia: cumprimento da execução do orçamento e reformas estruturais. “O ministro da Economia italiano, Pier Carlo Padoan, disse esta manhã em uma entrevista que a Itália tem que acelerar o ritmo de reformas. Apenas podemos concordar e reforçar seus comentários”, disse um porta-voz do Executivo da Comissão para assuntos econômicos.