Morre Julio Grondona

O presidente da Associação do Futebol Argentino faleceu aos 82 anos, em Buenos Aires

Julio Grondona, antes da Copa de 2014.
Julio Grondona, antes da Copa de 2014.JUAN MABROMATA (AFP)

O presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA) e vice-presidente da FIFA, Julio Grondona, morreu nesta quarta-feira, aos 82 anos, após sofrer uma série de problemas cardíacos.

Grondona foi internado nesta manhã no Sanatório Mitre e faleceu quando era preparado para uma cirurgia na artéria aorta, segundo fontes hospitalares. Grondona era presidente da AFA desde 1979, e seu cargo será agora assumido por seu vice, Luis Segura, dirigente do clube Argentinos Juniors. A cúpula da entidade está avaliando a possibilidade de suspender o início de todas as competições futebolísticas do fim de semana.

A despedida de Messi

“Dia muito triste para o futebol, para toda a Argentina e para mim. Nosso Presidente da AFA, Julio Grondona, nos deixou. Quero mandar minhas condolências e um abraço muito grande a todos os seus familiares e amigos.
- LIO

Grondona, que fez amigos e inimigos em igual número durante seus mais de 40 anos de gestão no futebol argentino, incorporou-se à AFA um ano depois do primeiro título mundial da Argentina, à época dirigida pelo treinador César Luis Menotti – cujo contrato Grondona imediatamente mandou renovar. “É algo muito doloroso, a despeito das diferenças que alguém tenha tido. Conheci a sua família, simplesmente resta acompanhar seus filhos neste momento difícil”, disse Menotti ao canal TyC Sports.

Sob o mandato de Grondona, a Argentina foi campeã juvenil em 1979 com Menotti, ganhou a Copa do México em 1986 com Carlos Bilardo como técnico, foi vice na Itália-90 e recentemente repetiu essa segunda colocação na Copa do Brasil, com Alejandro Sabella como treinador. Grondona sempre foi questionado por sua forma de dirigir os destinos da AFA e pela maneira como conseguia sucessivas reeleições na poltrona mais cobiçada do futebol argentino. Em seu primeiro mandato, seus inimigos o acusaram de ter sido indicado a dedo pelo interventor que à época mandava na entidade que comanda o futebol no país.

Recentemente, Grondona e seu filho Julio Humberto, também dirigente, haviam dito que o longo mandato dele se encerraria em 2015. “O destino está em Deus”, costumava dizer Grondona quando questionado sobre sua continuidade no cargo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS