A economia dos EUA sofre uma dura contração de 2,9% entre janeiro e março

O dado revisado triplica o antecipado há apenas um mês, embora não afete a política monetária

A economia dos EUA é bem mais vulnerável do que o esperado. A última leitura do indicador de crescimento confirma que no primeiro trimestre a atividade econômica se contraiu a uma taxa anualizada de 2,9% do produto interno bruto, bem mais do que o 1% antecipado há apenas um mês, e do 1,8% que esperava Wall Street. Este passo atrás, que equivale a um corte de 1% na taxa trimestral, é tão forte que vai alterar as previsões para o resto de 2014, até o ponto de gerar o temor de que o balanço do exercício anual fique em 2%.

A virada é ainda maior frente aos 2,6% de crescimento no final de 2013. Em todo caso, o dado é publicado com o segundo trimestre terminando, ou seja, é um dado passado e não vai afetar a estratégia monetária do Federal Reserve, que há apenas uma semana decidiu reduzir por quinta vez o ritmo de compra de papéis da dívida. Além disso, há membros do banco central que assinalam que as regras da política monetária coincidem e que a alta de juros deveria acontecer já no terceiro trimestre.

Janet Yellen, presidenta do banco central dos EUA, considera, no entanto, que o desejável é que o encarecimento do dinheiro venha dentro de um ano. Antes é necessário desmantelar o mecanismo de compra da dívida, o que se espera para outubro. O que sim pode ocorrer, logo depois do verão dos EUA, é que se produza uma mudança na linguagem que se utiliza na ata entregue ao mercado depois da reunião.

A contração do primeiro trimestre, em todo caso, é a pior já registrada desde inícios de 2009. O Fed já disse na semana passada que foi fruto de efeitos transitórios, pelo duro inverno passado. Em seu comunicado final, o banco disse que a atividade econômica voltou a subir nos últimos meses. O que falta verificar é se será suficientemente forte a ponto de compensar o péssimo arranque de 2014.

O informe mostra que o setor imobiliário foi um dos focos de queda durante o inverno, com um colapso da atividade de 4,2%. Além disso, o investimento empresarial sofreu uma contração de  1,2%. E para completar o círculo, também houve problemas fora dos EUA. A balança comercial reflete agora uma queda de 8,9% das exportações, ao mesmo tempo em que as importações cresceram um 1,8%.

O consumo, que responde por dois terços da economia, cresceu só 1%, frente aos 3,1% que se colocava há em um mês. Wall Street já não comprou então o dado pela distorção criada pelo incremento da despesa em saúde derivado da reforma do seguro médico e porque boa parte dos rendimentos se destinaram à calefação. Esta mistura de indicadores é a que terá em conta o Fed.

No entanto, é a inflação que mantém Wall Street mais vigilante e o que está levando a antecipar que a alta de juros chegará antes de tempo. Yellen ressaltou a importância da recuperação dos últimos meses dizendo que se estabilizará no nível de 2% e que se manterá aí durante um tempo. Ela sugeriu que será tolerante caso o limite seja ultrapassado, enquanto o desemprego se mantenha em 6%.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete