Copa do Mundo 2014 | GRÉCIA, 2 - COSTA DO MARFIM, 1

A Grécia nunca se rende

A equipe grega, que se classifica pela primeira vez para as oitavas de final, derrota a Costa do Marfim com um pênalti convertido por Samaras no finalzinho (2-1) e terá a Costa Rica pela frente

Samaras consola Barry.
Samaras consola Barry.ARIS MESSINIS / AFP

Em um fim de jogo para enfartar, a Grécia se classificou pela primeira vez em sua história para as oitavas de final de uma Copa do Mundo depois de marcar o gol da vitória no último minuto da partida (2-1). O fez por meio de um pênalti sofrido por Samaras, que executou a pena máxima com decisão e derrubou o rival africano. Ao derrotar a Costa do Marfim, os helenos obtiveram seu melhor resultado em uma competição internacional desde a conquista da Eurocopa de 2004, quando venceram Portugal no Estádio da Luz de Lisboa (1-0).

Os marfinenses se desmantelaram quando Barry sofreu o gol de Samaras. No lado oposto, os gregos celebraram a classificação eufóricos. Não era para menos. Nada pressagiava esse final tão dramático, já que os africanos pareciam ter resolvido a partida depois de conseguirem o empate no segundo tempo com um gol de Bony. Entretanto, a falta de Sio sobre Samaras dentro da área deu uma virada no marcador e arruinou os sonhos dos comandados de Lamouchi, que após a partida anunciou que deixa o cargo.

O primeiro tempo foi errático e muito pobre em cada um dos dois times. Os Elefantes se mostraram atormentados desde o começo e tiveram que superar as lesões, ainda no início da partida, de Kone e do goleiro Karnezis, com dores lombares. Entraram em campo petrificados, irreconhecíveis, sem nenhuma intenção aparente de combater, de entrar na arena de Fortaleza com força para encarar o adversário. Durante os primeiros trinta minutos, os marfinenses deram a sensação de que se conformavam com um empate, suficiente para passar às oitavas. Cometeram muitas imprecisões nos passes e nas jogadas. Frequentemente o conjunto se cindia em dois, com Yaya Touré muito desorientado. Mais à frente, os três mosqueteiros Drogba, Kalou e Gervinho desperdiçaram suas poucas oportunidades.

Enquanto isso, a Grécia esperava com paciência, recolhida em seu campo. Mas, diante da passividade da Costa do Marfim, deram um passo à frente e miraram para o arco contrário. Mandaram duas bolas no travessão de Barry e outro disparo no poste esquerdo. Atacaram até obter recompensa. Esta chegou de forma tardia e do modo mais cruel para o adversário. Samaras não falhou e garantiu a classificação dos gregos, que enfrentarão Costa Rica nas oitavas.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete