Copa do Mundo 2014 | GRÉCIA, 2 - COSTA DO MARFIM, 1

A Grécia nunca se rende

A equipe grega, que se classifica pela primeira vez para as oitavas de final, derrota a Costa do Marfim com um pênalti convertido por Samaras no finalzinho (2-1) e terá a Costa Rica pela frente

Samaras consola Barry.
Samaras consola Barry.ARIS MESSINIS (AFP)

Em um fim de jogo para enfartar, a Grécia se classificou pela primeira vez em sua história para as oitavas de final de uma Copa do Mundo depois de marcar o gol da vitória no último minuto da partida (2-1). O fez por meio de um pênalti sofrido por Samaras, que executou a pena máxima com decisão e derrubou o rival africano. Ao derrotar a Costa do Marfim, os helenos obtiveram seu melhor resultado em uma competição internacional desde a conquista da Eurocopa de 2004, quando venceram Portugal no Estádio da Luz de Lisboa (1-0).

Os marfinenses se desmantelaram quando Barry sofreu o gol de Samaras. No lado oposto, os gregos celebraram a classificação eufóricos. Não era para menos. Nada pressagiava esse final tão dramático, já que os africanos pareciam ter resolvido a partida depois de conseguirem o empate no segundo tempo com um gol de Bony. Entretanto, a falta de Sio sobre Samaras dentro da área deu uma virada no marcador e arruinou os sonhos dos comandados de Lamouchi, que após a partida anunciou que deixa o cargo.

O primeiro tempo foi errático e muito pobre em cada um dos dois times. Os Elefantes se mostraram atormentados desde o começo e tiveram que superar as lesões, ainda no início da partida, de Kone e do goleiro Karnezis, com dores lombares. Entraram em campo petrificados, irreconhecíveis, sem nenhuma intenção aparente de combater, de entrar na arena de Fortaleza com força para encarar o adversário. Durante os primeiros trinta minutos, os marfinenses deram a sensação de que se conformavam com um empate, suficiente para passar às oitavas. Cometeram muitas imprecisões nos passes e nas jogadas. Frequentemente o conjunto se cindia em dois, com Yaya Touré muito desorientado. Mais à frente, os três mosqueteiros Drogba, Kalou e Gervinho desperdiçaram suas poucas oportunidades.

Enquanto isso, a Grécia esperava com paciência, recolhida em seu campo. Mas, diante da passividade da Costa do Marfim, deram um passo à frente e miraram para o arco contrário. Mandaram duas bolas no travessão de Barry e outro disparo no poste esquerdo. Atacaram até obter recompensa. Esta chegou de forma tardia e do modo mais cruel para o adversário. Samaras não falhou e garantiu a classificação dos gregos, que enfrentarão Costa Rica nas oitavas.

Arquivado Em: