Luis Suárez volta a morder

O uruguaio, que já atacou outro jogador quando jogava no PSV, e Ivanovic do Chelsea, na última temporada, dá uma mordida em Chiellini durante o Uruguai x Itália

Suárez, depois de morder Chiellini.
Suárez, depois de morder Chiellini.Matthias Hangst (Images)

Luis Suárez voltou a ser canibal. As 10 partidas de multa que a federação inglesa lhe impôs por morder Ivanovic, zagueiro sérvio do Chelsea, parece que não foi o suficiente para que o atacante do Liverpool pensasse duas vezes antes de voltar a dar uma dentada em um jogador rival. Desta vez a vítima foi Chiellini, zagueiro do Juventus, e o palco uma vitrine sem igual: o estádio Das Dunas, no último suspiro da partida que deixou a Itália de fora do Mundial.

Essa não foi a primeira vez que o jogador do Liverpool fez algo assim. A agressão do uruguaio tem um precedente. Em 2010, quando jogava no Ajax, ele mordeu quase à altura do pescoço Bakkal, meio-campista do PSV Eindhoven e foi castigado com a suspensão por sete partidas. 17 jogos fora do campo não foram suficientes para o jogador.

Na Inglaterra a agressão causou um rebuliço formidável. O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, através de um porta-voz, pediu uma dura penalização para o jogador. E inclusive a Adidas, um de seus patrocinadores, criticou com dureza seu comportamento agressivo.

Chiellini mostra a marca dos dentes de Suárez, depois da mordida.
Chiellini mostra a marca dos dentes de Suárez, depois da mordida.Tony Gentile (REUTERS)

Soa agora como uma premonição o titular do The Sun convidar os ingleses a “devolver a mordida” para o Uruguai, em clara alusão aos antecedentes de Suárez. No entanto, o Uruguai acabou por comer o time do treinador Hodgson (2-1) e a mordida só voltou à boca de sempre: o faminto por gols e, pelo que parece, por outro castigo exemplar.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: