Copa do Mundo 2014 | ITALIA 0 x 1 URUGUAI

Luis Suárez volta a morder

O uruguaio, que já atacou outro jogador quando jogava no PSV, e Ivanovic do Chelsea, na última temporada, dá uma mordida em Chiellini durante o Uruguai x Itália

Suárez, depois de morder Chiellini.
Suárez, depois de morder Chiellini.Matthias Hangst / Images

Luis Suárez voltou a ser canibal. As 10 partidas de multa que a federação inglesa lhe impôs por morder Ivanovic, zagueiro sérvio do Chelsea, parece que não foi o suficiente para que o atacante do Liverpool pensasse duas vezes antes de voltar a dar uma dentada em um jogador rival. Desta vez a vítima foi Chiellini, zagueiro do Juventus, e o palco uma vitrine sem igual: o estádio Das Dunas, no último suspiro da partida que deixou a Itália de fora do Mundial.

Essa não foi a primeira vez que o jogador do Liverpool fez algo assim. A agressão do uruguaio tem um precedente. Em 2010, quando jogava no Ajax, ele mordeu quase à altura do pescoço Bakkal, meio-campista do PSV Eindhoven e foi castigado com a suspensão por sete partidas. 17 jogos fora do campo não foram suficientes para o jogador.

Na Inglaterra a agressão causou um rebuliço formidável. O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, através de um porta-voz, pediu uma dura penalização para o jogador. E inclusive a Adidas, um de seus patrocinadores, criticou com dureza seu comportamento agressivo.

Soa agora como uma premonição o titular do The Sun convidar os ingleses a “devolver a mordida” para o Uruguai, em clara alusão aos antecedentes de Suárez. No entanto, o Uruguai acabou por comer o time do treinador Hodgson (2-1) e a mordida só voltou à boca de sempre: o faminto por gols e, pelo que parece, por outro castigo exemplar.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete