“Aqueles que esperam que o Brasil tenha retrocesso vão quebrar a cara”, diz Lula

Em seminário promovido pelo EL PAÍS, o ex-presidente do Brasil defende a economia Ele também critica os pessimistas e a imprensa brasileira e estrangeira

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é taxativo sobre a situação do Brasil: “Aqueles que estão esperando que o país tenha retrocesso vão quebrar a cara. Não haverá retrocesso”, declarou. Lula, que participou do fórum Desenvolvimento, Inovação e Integração Nacional, promovido pelo jornal EL PAÍS nesta sexta-feira, ironizou as críticas sobre os rumos da economia.

“Se o problema [do mercado financeiro] fosse só mau humor, seria fácil. Era só chamar um humorista”, declarou, provocando risos na plateia, que incluía o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Em tom de campanha eleitoral, Lula citou uma série de dados sobre os avanços do país desde 2003 e incitou os ouvintes a compararem com os das gestões que o antecederam.

O seminário, realizado em Porto Alegre, reuniu um grupo de especialistas e políticos brasileiros. Ele foi inaugurado por Javier Moreno, diretor editorial do grupo espanhol PRISA (responsável por editar o EL PAÍS), que assegurou: “Sentimos como nosso o triunfo do Brasil e do Rio Grande do Sul, com a inclusão social e uma sociedade mais igualitária.”

O discurso mais longo e aguardado do evento foi o do ex-presidente Lula. Durante mais de uma hora, ele exaltou os êxitos dos 11 anos do PT à frente do país. Primeiro, em suas duas gestões, e, depois, com a presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição na disputa que ocorre em outubro deste ano. “Para entender o futuro, tem que viajar ao passado e ver o que foi conseguido”, disse, fustigando os seus antecessores. Para Lula, o país tem reagido bem “à maior crise financeira desde a de 1929”, gerando recordes de emprego. O ex-presidente defendeu até o crescimento do PIB de 2,3% em 2013, considerado pífio por grande parte dos economistas. Somente nove países do G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias mundiais) registraram expansão acima de 2%, afirmou.

O ex-presidente, no entanto, reconheceu que o Brasil passa por um período que requer atenção. Mas culpou o cenário internacional pelos obstáculos enfrentados. As turbulências que assolam os Estados Unidos e a Europa, para ele, estão afetando a economia nacional. Um cenário que poderia ser evitado, acredita, se as principais potências ampliassem as transações internacionais e reduzissem as barreiras protecionistas.

Na contramão de analistas preocupados com o endividamento e a falta de poupança das famílias brasileiras, Lula defendeu o aumento do crédito como forma de estimular o crescimento brasileiro. “Sem crédito não se vai a lugar nenhum. Tem país em que o crédito é 80% do PIB e [outros] até 120%”, analisou. O ex-presidente também aproveitou o tema para rebater as críticas de que há descontrole nos gastos do Governo Federal. Pediu, provocando novamente o PSDB, que se compare a atual relação entre a dívida do país e o PIB com a que encontrou ao suceder o ex-presidente do partido opositor, Fernando Henrique Cardoso.

Boa parte da exposição do ex-presidente foi dedicada aos programas sociais, como o Bolsa Família. Segundo Lula, eles representam apenas 0,5% dos gastos da máquina federal e geraram um ciclo de consumo que movimenta toda a economia. Ele disse que as críticas de que os beneficiados deixam de trabalhar são mito. Cerca de 80%, assegura, têm ocupação. A renda obtida, no entanto, não os tira da linha da miséria. Além disso, os programas fazem parte de uma política de ascensão social das camadas mais pobres, que passaram a ter acesso a novos bens e serviços. “Fico porreta quando vejo os pobres invadindo os aviões”, brincou Lula, provocando aplausos na plateia.

Em seu discurso, o ex-presidente criticou também a cobertura “pessimista” do Brasil por veículos de comunicação nacionais e estrangeiros, principalmente os ingleses e americanos. “O que [os jornais] fazem com a Dilma só é similar ao que faziam com o [Hugo] Chávez na Venezuela“, reclamou. Após afirmar que o Brasil agora é uma potência no cenário mundial, digna de ocupar em breve o posto de “quinta maior economia do mundo”, Lula rebateu os analistas e jornalistas que elegeram o México como a nação da vez. “Fui me inteirar [dos fundamentos econômicos mexicanos] e está tudo pior do que o Brasil”, analisou. “O que eles estão fazendo de melhor, nós já fizemos com a Petrobras há 20 anos”, complementou. Recentemente, o México liberou a participação de empresas estrangeiras na exploração de petróleo e gás no país.

Ele ressaltou ainda que o Brasil precisa ampliar o comércio internacional com os países da América do Sul. Ao comparar as trocas comerciais com o Chile, ele destacou que elas são maiores do que as feitas com países da Europa, a exemplo da Itália e da Espanha. Também ressaltou a importância de se aumentar as relações comerciais com nações africanas. “O Atlântico não é um obstáculo, mas uma oportunidade”, analisou. Entre os produtos brasileiros que poderiam ser comprados pelos africanos, Lula apontou os do setor automotivo. O ex-presidente chegou até a sugerir que as matrizes das montadoras que estejam presentes ou venham ao Brasil sejam cobradas a vender parte de sua produção ao mercado externo.