_
_
_
_

“Aqueles que esperam que o Brasil tenha retrocesso vão quebrar a cara”, diz Lula

Em seminário promovido pelo EL PAÍS, o ex-presidente do Brasil defende a economia Ele também critica os pessimistas e a imprensa brasileira e estrangeira

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é taxativo sobre a situação do Brasil: “Aqueles que estão esperando que o país tenha retrocesso vão quebrar a cara. Não haverá retrocesso”, declarou. Lula, que participou do fórum Desenvolvimento, Inovação e Integração Nacional, promovido pelo jornal EL PAÍS nesta sexta-feira, ironizou as críticas sobre os rumos da economia.

“Se o problema [do mercado financeiro] fosse só mau humor, seria fácil. Era só chamar um humorista”, declarou, provocando risos na plateia, que incluía o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Em tom de campanha eleitoral, Lula citou uma série de dados sobre os avanços do país desde 2003 e incitou os ouvintes a compararem com os das gestões que o antecederam.

O seminário, realizado em Porto Alegre, reuniu um grupo de especialistas e políticos brasileiros. Ele foi inaugurado por Javier Moreno, diretor editorial do grupo espanhol PRISA (responsável por editar o EL PAÍS), que assegurou: “Sentimos como nosso o triunfo do Brasil e do Rio Grande do Sul, com a inclusão social e uma sociedade mais igualitária.”

O discurso mais longo e aguardado do evento foi o do ex-presidente Lula. Durante mais de uma hora, ele exaltou os êxitos dos 11 anos do PT à frente do país. Primeiro, em suas duas gestões, e, depois, com a presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição na disputa que ocorre em outubro deste ano. “Para entender o futuro, tem que viajar ao passado e ver o que foi conseguido”, disse, fustigando os seus antecessores. Para Lula, o país tem reagido bem “à maior crise financeira desde a de 1929”, gerando recordes de emprego. O ex-presidente defendeu até o crescimento do PIB de 2,3% em 2013, considerado pífio por grande parte dos economistas. Somente nove países do G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias mundiais) registraram expansão acima de 2%, afirmou.

O ex-presidente, no entanto, reconheceu que o Brasil passa por um período que requer atenção. Mas culpou o cenário internacional pelos obstáculos enfrentados. As turbulências que assolam os Estados Unidos e a Europa, para ele, estão afetando a economia nacional. Um cenário que poderia ser evitado, acredita, se as principais potências ampliassem as transações internacionais e reduzissem as barreiras protecionistas.

Na contramão de analistas preocupados com o endividamento e a falta de poupança das famílias brasileiras, Lula defendeu o aumento do crédito como forma de estimular o crescimento brasileiro. “Sem crédito não se vai a lugar nenhum. Tem país em que o crédito é 80% do PIB e [outros] até 120%”, analisou. O ex-presidente também aproveitou o tema para rebater as críticas de que há descontrole nos gastos do Governo Federal. Pediu, provocando novamente o PSDB, que se compare a atual relação entre a dívida do país e o PIB com a que encontrou ao suceder o ex-presidente do partido opositor, Fernando Henrique Cardoso.

Boa parte da exposição do ex-presidente foi dedicada aos programas sociais, como o Bolsa Família. Segundo Lula, eles representam apenas 0,5% dos gastos da máquina federal e geraram um ciclo de consumo que movimenta toda a economia. Ele disse que as críticas de que os beneficiados deixam de trabalhar são mito. Cerca de 80%, assegura, têm ocupação. A renda obtida, no entanto, não os tira da linha da miséria. Além disso, os programas fazem parte de uma política de ascensão social das camadas mais pobres, que passaram a ter acesso a novos bens e serviços. “Fico porreta quando vejo os pobres invadindo os aviões”, brincou Lula, provocando aplausos na plateia.

Em seu discurso, o ex-presidente criticou também a cobertura “pessimista” do Brasil por veículos de comunicação nacionais e estrangeiros, principalmente os ingleses e americanos. “O que [os jornais] fazem com a Dilma só é similar ao que faziam com o [Hugo] Chávez na Venezuela“, reclamou. Após afirmar que o Brasil agora é uma potência no cenário mundial, digna de ocupar em breve o posto de “quinta maior economia do mundo”, Lula rebateu os analistas e jornalistas que elegeram o México como a nação da vez. “Fui me inteirar [dos fundamentos econômicos mexicanos] e está tudo pior do que o Brasil”, analisou. “O que eles estão fazendo de melhor, nós já fizemos com a Petrobras há 20 anos”, complementou. Recentemente, o México liberou a participação de empresas estrangeiras na exploração de petróleo e gás no país.

Ele ressaltou ainda que o Brasil precisa ampliar o comércio internacional com os países da América do Sul. Ao comparar as trocas comerciais com o Chile, ele destacou que elas são maiores do que as feitas com países da Europa, a exemplo da Itália e da Espanha. Também ressaltou a importância de se aumentar as relações comerciais com nações africanas. “O Atlântico não é um obstáculo, mas uma oportunidade”, analisou. Entre os produtos brasileiros que poderiam ser comprados pelos africanos, Lula apontou os do setor automotivo. O ex-presidente chegou até a sugerir que as matrizes das montadoras que estejam presentes ou venham ao Brasil sejam cobradas a vender parte de sua produção ao mercado externo.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_