Contagem regressiva para o Mundial

“O Mundial já começou”

Uma pesquisa mostra que 71% dos brasileiros torcem pelo sucesso da Copa. Blatter entrega à Rousseff o troféu do campeão

A presidenta Dilma Rousseff eleva o troféu ao lado do ex-jogador Cafu e de Joseph Blatter nesta segunda-feira.
A presidenta Dilma Rousseff eleva o troféu ao lado do ex-jogador Cafu e de Joseph Blatter nesta segunda-feira.Wenderson Araujo / EFE

Após meses de polêmicas, acidentes, incerteza e manchetes negativas, de um ambiente tenso nas ruas e de pesquisas pouco suaves, o Mundial já chegou ao Brasil. As ruas, embora com moderação em comparação a outras edições, estão sendo finalmente decoradas com as cores da seleção, os treinamentos da equipe de Scolari são seguidos com paixão por milhares de torcedores e pesquisas de última hora revelam um aquecimento progressivo da atmosfera futebolística. Desde o último domingo, o Cristo Redentor reluz verde e amarelo, iluminado por 300 projetores LED, nas noites do Rio de Janeiro.

Como se fosse pouco, a Arena Corinthians, sede da partida inicial que ocorre dentro de dez dias e objeto de enorme preocupação para as autoridades por seu enorme atraso, parece ter deixado de ser um problema: membros do Comitê Organizador Local confirmaram na manhã desta segunda que só requer alguns retoques “estéticos” e que “estará 100% pronta”, apesar de por precaução ter se aconselhado não encher toda sua arquibancada provisória no jogo entre Corinthians e Botafogo ocorrido ontem como prova definitiva da aptidão do recinto. “Não ia ter Copa?”, ironizou esta manhã em alusão às manifestações o secretário geral da FIFA, Jerome Valcke, ao apresentar o centro internacional de imprensa da Copa no Rio de Janeiro: “O Mundial já começou”.

A presidenta, Dilma Rousseff, recebeu em Brasília esta tarde do presidente da FIFA, Joseph Blatter, o troféu que erguerá o campeão no próximo 13 de julho, em um ambiente relaxado e muito distante das críticas e recriminações que veio suportando o Governo desde 31 de dezembro, data na qual estava prometida a entrega dos doze estádios à entidade que dirige o futebol mundial (entregou na ocasião só seis) “Quero reafirmar a todos os brasileiros e a todos os que nos visitarão nos próximos dias que vamos fazer a Copa das Copas”, afirmou Rousseff, que elogiou “a gentileza e o carisma do povo brasileiro” e assegurou que “a estrutura de segurança vai proporcionar a todos a tranquilidade necessária para conhecer nossa beleza”. A presidenta voltou a ressaltar o respeito à diversidade e a pedir que seja “uma Copa sem racismo”.

Uma sondagem publicada nesta manhã pelo IBOPE revelou que 71% da população brasileira espera que a Copa seja um sucesso, apesar de 39% afirmar que ainda se sente “frio, muito frio ou gelado” em relação ao maior espetáculo esportivo do planeta.

Enquanto isso, em Goiânia, onde a seleção brasileira prepara seu amistoso desta terça-feira diante do Panamá, o Exército e a polícia preparavam um dispositivo de segurança que evitasse possíveis incidentes como os que mancharam, há exatamente uma semana, a chegada dos futebolistas à concentração de Teresópolis. Desta vez, a chegada ocorreu sem que aparecesse um único manifestante e os jogadores foram animados por 20.000 pessoas no único treinamento público da formação de Scolari.

Um dia após sua bronca pública aos jogadores por “falta de intensidade” nos treinamentos e “contínuos desajustes na marcação”, Felipão continuava mostrando um semblante sério que indicava possíveis novidades diante de seu esquema inicial de manter a equipe titular que ganhou a final da Copa das Confederações. Seus dois laterais inicialmente titulares, Marcelo e Daniel Alves, de clara projeção ofensiva, deixaram dúvidas em Scolari sobre buracos na defesa e poderiam ver seu lugar ameaçado, embora amanhã sejam titulares em uma formação com os seguintes homens (Thiago Silva e Paulinho ficaram em Teresópolis com problemas físicos): Júlio Cesar, Daniel Alves, David Luiz, Dante e Marcelo; Luiz Gustavo, Ramires e Oscar; Hulk, Neymar e Fred.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete