questão racial

A UEFA decreta o fechamento parcial do estádio Bernabéu por racismo

A associação do futebol europeu castiga assim um grupo de torcedores que exibiu cartazes ofensivos na partida contra o Bayern

Vista do estádio Bernabéu.
Vista do estádio Bernabéu.JESUS AGUILERA / AS

A UEFA sancionou o Real Madrid com o fechamento parcial do estádio Santiago Bernabéu depois que um grupo de torcedores exibiu cartazes com mensagens racistas, no jogo de ida das semifinais da Champions League do Real Madrid contra o Bayern de Munique, no dia 29 de abril. A associação do futebol europeu adverte que foi exibida uma bandeira com uma composição que lembrava uma bandeira de tipologia nazista. O Real Madrid planeja recorrer à multa, segundo fontes do clube.

A raiz da acusação de comportamento racista por parte dos torcedores do Real Madrid durante a partida (Artigo 14 do Regulamento Disciplinador da UEFA), o Comitê de Controle e Disciplina da UEFA ordenou o fechamento dos setores 120 e 122 do estádio madrilenho, ambos localizados no fundo sul e onde o clube exiba um cartaz com as palavras "Não ao Racismo".

A luta contra o racismo é uma das principais prioridades da UEFA, segundo reiterou seu presidente, Michel Platini, em diversas ocasiões. O presidente da UEFA afirmou que se sente "indignado pelos incidentes racistas ocorridos nas semanas recentes" e chamou as associações membro e o poder público a aplicar uma política de tolerância zero e sancionar os culpados.

Mais informações

Durante um jogo da liga espanhola, há algumas semanas, um torcedor da partida entre  Villarreal e Barça atirou uma banana a Daniel Alves. Posteriormente, torcedor levou uma multa de 6.000 euros - cerca de 18.000 reais - (e o clube teve de pagar 12.000, cerca de 37.00 reais) por parte do Comitê de Competição. Nunca antes na Espanha se fechou o cerco, nem total e nem parcialmente, para este tipo de incidentes, ao invés do acontecido em outros países europeus como Inglaterra ou Itália. 

Em fevereiro, o CSKA de Moscou foi sancionado pelo comportamento racista de seus torcedores. O time russo deverá jogar sua próxima partida a portas fechadas e teve que pagar uma multa de 50.000 euros (152.000 reais) depois que alguns torcedores mostraram símbolos racistas e de extrema direita durante a partida da Liga dos Campeões contra o Viktoria Plzen checo no dia 10 de dezembro.

A UEFA também sancionou o Apollon Limassol pelos incidentes na partida da Liga Europa do dia 12 de dezembro contra o Legia de Varsovia, quando os torcedores chipriotas dedicaram cantos racistas ao jogador Hassamo Junior Dossa Momade Omar da equipe polonesa. O organismo europeu ordenou o fechamento parcial do estádio do Apollon na próxima partida da competição europeia, em concreto nos setores localizados a ambos lados do túnel de acesso ao campo.

A Itália teve vários incidentes racistas que também foram sancionados. Esse foi o caso do Roma, que foi sancionado com uma multa de 50.000 euros. Balotelli foi objeto de gritos racistas e imitações de macaco. Os jogadores Kevin-Prince Boateng e Sulley Muntari também foram objetos de deboche.

Todas as formas de conduta racista são consideradas ofensas graves contra o regulamento disciplinar e são duramente castigadas, acrescenta o comunicado do organismo que rege o futebol europeu. Depois da entrada em vigor do novo regulamento disciplinar, no dia 1 de junho de 2013, a luta contra as condutas racistas deu um passo a mais, e as multas são bem mais duras para esses tipos de comportamentos.

A UEFA aprovou em 2013 que o racismo devia ser castigado ao menos com o fechamento parcial do estádio desde a primeira infração e até o fechamento total e multas de 50.000 euros caso se repitam os atos de racismo, e que é responsabilidade da cada país adequar seus regulamentos. Na Espanha são o Comitê de Competição em primeiro lugar, e a Comissão Antiviolência em segundo os encarregados das multas.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete