Pilgrim's, filial da brasileira JBS, tenta comprar a Hillshire Brands

O segundo maior produtor de frangos do mundo faz uma oferta de 14,3 bilhões de reais pela empresa de embutidos

Um produto da Hillshire Farm.
Um produto da Hillshire Farm.Toby Talbot / AP

Os movimentos pelo controle da produção e distribuição das proteínas se aceleram. O grupo Pilgrim´s, segundo maior produtor de frangos do mundo, postula agora a compra da Hillshire Brands. A filial do frigorífico brasileiro JBS oferece 6,4 bilhões de dólares (14,3 bilhões de reais). A operação se anuncia duas semanas depois da companhia de embutidos acordar a aquisição da Pinnacle Foods.

A Pilgrim´s coloca na mesa pagamento em espécie de 45 dólares (100 reais) por cada título da Hillshire, o que representa um ágio de 25% em relação ao preço de venda no fechamento do mercado, na sexta. A manobra provocará inevitavelmente a suspensão da compra da Pinnacle, se a operação for aprovada pela direção e os acionistas. Bill Lovete, conselheiro nomeado da empresa, confia que assim se dará.

A Hillshire Brands, que surgiu da divisão da Sara Lee, é uma das companhias líderes no seguimento de comida embalada. Entre as marcas que controla encontram-se Gallo Salame, JimmyDean, BallPark, Aidells, StateFair, SaraLee Deli e HillshireFarm. Também vende sobremesas congeladas, como as tortas Chef Pierre. Tem sua sede em Chicago.

Para reforçar sua presença nos supermercados, ofereceu 4,2 bilhões de dólares (9,38 bilhões de reais) pela Pinnacle Foods, conhecida pelo xarope Aunt Jemima e os pepinos em conserva Vlasic. Esta última é controlada pelo fundo Blackstone, com 51% do capital. Esperavam gerar juntas vendas de 6,6 bilhões de dólares (14,75 bilhões de reais), o que o transformaria em um dos principais grupos alimentícios dos EUA.

A filosofia por trás da união de Hillshire e Pinnacle é que as fatias de frango combinam bem com os pepinos em conserva nos sanduíches. Mas para a Pilgrim´s sua proposta é mais lógica, pois permitirá integrar plenamente duas companhias líderes no negócio das proteínas. Por isso fez uma oferta que qualifica ser “muito superior” a combinada com a Pinnacle, de quem pretende vencer a disputa.

E não somente pelo pagamento em espécie. Se a operação for adiante, a companhia que emergir da fusão terá vendas no valor de 12,4 bilhões de dólares (27,7 bilhões de reais), ou seja, mais que o dobro. A brasileira JBS, com sede em São Paulo, é a acionista majoritária de Pilgrim´s e o maior produtor global de proteína. A ideia é que a operação já esteja concluída no terceiro trimestre deste ano.

Como demonstram no comunicado explicando as vantagens da oferta, os negócios da Hillshire e da Pilgrim´s são complementares. Além disso, atuando juntas, tem mais oportunidades para crescer nos EUA e em escala internacional, especialmente nos países em desenvolvimento, nos quais uma classe média cada vez maior demanda mais proteínas. A JBS controla 68% da Pilgrim´s.