A World Wide Web completa 25 anos

Em 12 de março de 1989 o britânico Tim Berners-Lee descreveu o protocolo de transferências de hipertextos

Tim Berners-Lee, inventor da World Wide Web, em 1999.
Tim Berners-Lee, inventor da World Wide Web, em 1999.Andrew Brusso

Em 12 de março de 1989, o pesquisador britânico Tim Berners-Lee descreveu em um relatório para o CERN o protocolo para a transferência de hipertextos, que um ano depois seria a World Wide Web. Os três impronunciáveis W que precedem a maioria dos endereços da Internet nasceram há justamente 25 anos. Seu inventor, um nome já mítico, foi Tim Berners-Lee; e, dessa vez, o lugar era a Europa, concretamente em um escritório do edifício número 31 do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), perto de Genebra.

Berners-Lee não inventou a Internet. A rede mundial foi esboçada em meados dos anos 70 e começou a funcionar oficialmente em 1983, fruto de um projeto de origem militar. A Internet é basicamente ferro: Enxames de computadores conectados entre si, que compartilham um protocolo e normas de conexão; algo assim como a língua franca que lhes permite se entenderem uns com aos outros. E graças a isso podem oferecer certos serviços, como o correio eletrônico e a transferência de dados.

Mas a Web, assim, com maiúscula, é inatingível: é composta de documentos, imagens, sons distribuídos por todo o mundo... Estima-se que seu volume possa estar em 1.5 zettabytes. E aumentando, de minuto a minuto. O projeto zetta é o um seguido de 21 zeros... Por cima dele só está definido o projeto yotta (24 zeros). Depois será necessário inventar novas palavras.

O próprio Berners-Lee descreve ambos (Internet e a Web) como milhões de elementos conectados entre si. Mas enquanto que na Internet são computadores conectados por cabos e outros meios físicos, a Web é muito mais abstrata: uma teia de aranha de informação, na qual as conexões são os links de hiperlinks. Cada vez que, em seu PC, você clica em uma palavra assinalada, que conduz a outra página, você está utilizando uma dessas conexões.

“Proposta vaga, mas emocionante”, escreveu seu chefe de departamento quando o projeto foi apresentado

A ideia da Web não foi fruto de uma repentina inspiração. Bernes-Lee tinha começado a trabalhar no CERN em 1980. Ali trabalhavam na época umas 10.000 pessoas, distribuídas por muitos centros que se comunicavam entre si pelos únicos meios disponíveis: simples correio eletrônico ou envio de arquivos.

Coloquemos as coisas em perspectiva: em 1980 o Windows ainda não existia. A maior parte dos computadores pessoais funcionava com o MS-DOS: simples linhas de texto verde sobre um fundo negro. As telas com capacidade gráfica, ainda com características muito primitivas, estavam reservadas somente a alguns privilegiados. Em um disquete cabia entre 25% e meio megabyte. Um disco rígido de 10 megas (do tamanho de um bolo e que requeria cerca de um minuto para acelerar) era quase um luxo exagerado.

A Internet existia, mas somente como suporte de correio eletrônico, transferência de arquivos e alguns serviços de pagamento, que ofereciam downloads de informação. A conexão, para o comum dos mortais, tinha de utilizar um modem com uma linha analógica de telefone.

Esquema inicial de funcionamento do site.
Esquema inicial de funcionamento do site.

O primeiro trabalho de Berners-Lee no CERN foi desenhar o Enquire, uma base de dados com a qual tentava sistematizar as montanhas de informações desconexas que começavam a acumular-se. O Enquire funcionava à base de um sistema de placas de informação que podiam relacionar-se umas com as outras. Foi implantado no CERN, mas não era um sistema muito flexível, sobretudo porque cada introdução de nova informação era complicada.

Berners-Lee deixou o CERN no final de 1980, passou alguns anos trabalhando na indústria e regressou em 1989, quando o CERN já era um dos maiores pontos de referência em Internet neste lado do Atlântico. Foi então que, com a colaboração de Robert Caillau, apresentou uma proposta para estabelecer um sistema de arquivo de documentação mediante o uso de conexões entre documentos de uma forma mais simples. Para acrescentar um link ao Enquire, era preciso modificar a ficha do documento referenciado; o novo sistema permitia acessá-lo simplesmente indicando seu “endereço” na rede. Era o germe da Web.

A proposta original – que agora completa um quarto de século – tinha somente 20 páginas, incluindo uns poucos diagramas e exemplos. Até o final se calculava que bastariam duas pessoas para completar o projeto inicial em um prazo de seis e 12 meses.

O diretor do departamento, Mike Sendall, acolheu a ideia com interesse. Escreveu em sua primeira página a nota sucinta “Proposta vaga, mas emocionante...”, deu seu apoio e o projeto começou a andar.

O primeiro servidor da Web foi um computador NeXT – um extraordinário projeto de Steve Jobs, posterior à sua saída da Apple. Era uma máquina adiantada para sua época e que talvez por isso nunca teve muito êxito comercial. Estava instalada no próprio CERN e seu endereço era http://info.cern.ch.

A página principal desse site era um menu simples de nove pontos, que explicava o alcance do projeto, a forma de utilizar os links e como instalar novos servidores. Não faltavam uma seção de bibliografia, referências de software e uma lista até vinte de colaboradores. Tudo, claro, em texto simples, sem nenhum gráfico ou ornamento.

O primeiro servidor web, em exposição no CERN.
O primeiro servidor web, em exposição no CERN.

Hoje, essas páginas foram restauradas, como se se tratasse de um depósito arqueológico, devolvendo-as ao seu aspecto original. São acessíveis a partir do endereço original.

Por que WWW? O próprio Berners-Lee esteve escolhendo vários nomes para seu projeto. Entre eles, Mine of Information (descartado porque suas siglas significam “moi”, em francês, o que considerou um pouco egocêntrico) e The Information Mine (igualmente descartado pela mesma razão: “TIM” era o nome do próprio inventor...). No final, ficaram as três letras W que, além de definir muito bem seu alcance global e interconectado, tinham certo atrativo do ponto de vista gráfico.

No início, os poucos servidores da web estavam instalados em centros europeus, quase sempre relacionados com o CERN. O primeiro nos Estados Unidos foi o Centro de Aceleração Linear de Stanford, que começou a funcionar em 1991. À medida que se popularizava, seu número proliferava... Em janeiro de 1993, havia apenas 50 servidores em todo o mundo: em outubro essa cifra havia multiplicado por dez.

Primeiro, as instituições acadêmicas foram as mais entusiastas; depois, grandes corporações e, por fim, empresas comerciais ou particulares de todo o tipo. Grande parte desse êxito foi devido à decisão do CERN de liberar software e especificações sem cobrar royalties por isso.

Mas Berners-Lee não se limitou a estabelecer princípios na web. Em 1990, criou o primeiro navegador com interface gráfica, que poderia apresentar não apenas texto, mas também baixar imagens. Naquela época, apenas em tons cinza, a única cor permitida em seu NeXT.

O NeXT era uma máquina pouco difundida e apenas aqueles que dispunham de uma podiam aproveitar as capacidades gráficas da Web. O resto tinha que se conformar com simples versões de texto, por isso logo apareceram navegadores para outras plataformas. O próprio Robert Cailau, um dos primeiros adeptos e divulgadores da ideia de Berners-Lee, começou a desenvolver um para sistemas Mac, mas então o Centro Nacional de Aplicações para Supercomputação dos Estados Unidos havia destinado recursos para desenvolver o Mosaic, que se transformou de fato no padrão dos navegadores. Foi o avô do Netscape, Explorer, Firefox e demais...

Em 1994, o próprio Berners-Lee promoveu a criação do World Wide Web Consortium (W3C), para manter um dos padrões comuns no funcionamento da rede, que naquela época ainda não era tão popular, mas que começava a mostrar sua força. Nesse consórcio participava a DARPA, a agência cujos projetos em redes de comunicação resistentes a catástrofes haviam dado origem à própria Internet.

Em 1999, a revista Time incluiu Tim Berners-Lee na lista das cem pessoas mais influentes do século XX. E com razão. Poucas vezes pode-se dizer que uma revolução social como a que foi proporcionada pela WEB tenha sido obra exclusiva de apenas uma pessoa. Talvez houvesse que dar uma volta até Gutenberg.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: