Piratas Informáticos

‘Hackear’ página do Facebook pode custar 315 reais; bloqueio de site, 52

Um laboratórios antivírus fez uma lista de preços dos serviços mais procurados por piratas

Imagem artística de um 'hacker' informático.
Imagem artística de um 'hacker' informático.cordon press

Hackear uma conta do Facebook sai por apenas 315 reais, bloquear um site custa entre 52 e 1.400 reais; dados de cartões de crédito roubados valem entre 6,2 e 62 reais. Esses são alguns números sobre os preços no mercado negro dos serviços e produtos mais desejados por hackers e ladrões de dados, de acordo com a lista elaborada pela empresa de segurança de tecnologia da informação Trend Micro, a partir de informações coletadas em todas partes do mundo.

Por apenas 41,5 reais é possível encomendar o envio em massa de spam para 1.000 usuários. Se o que se deseja é chegar a 10.000 vítimas, o preço por spam cai: 0,27 centavos de reais por e-mail atacado. Abrir ou crackear um arquivo criptografado só custa 138 reais.

MAIS INFORMAÇÕES

Os hackers e o mercado negro "estão cada vez mais especializados", disse Ryan Flores, diretor da unidade especial de análise de novas ameaças da Trend Micro nas Filipinas. O mercado russo, por exemplo, concentrou-se nos vírus que utilizam os serviços de pagamento por instalação (pay-per-install ou PPI, na sigla em inglês): software que recebe dinheiro de um anunciante para incluir em seu download propaganda de sua marca. E anúncio quer dizer software malicioso, o malware.

Os russos também se destacam em sistemas de gestão de tráfego, sites de aparência inocente que redirecionam a outros programas maliciosos e grupos de vírus. O buscador Google retirou vários desses sites do ar, todos com a extensão .ru.

Na China, por sua vez, predominam os ataques de negação de serviço, que consistem em saturar uma rede ou um site com tantas solicitações de acesso que acabam se tornando inacessíveis para usuários honestos. Um dos casos mais marcantes nos últimos anos, no entanto, foi de responsabilidade da Rússia: em 2007, as principais instituições da Estônia foram alvo desse tipo de ataques, que conseguiram bloquear a atividade do país.

Na América Latina e, especialmente, no Brasil, os piratas preferem ferramentas destinadas a usuários, como as redes sociais e a criação de software para enviar spam através de mensagens sms, mas também são paraísos para a formação de futuros criminosos da rede.

No Brasil, os piratas preferem ferramentas destinadas a usuários, como as redes sociais e a criação de software para enviar spam através de mensagens SMS

A Europa ocidental, especialmente seus sistemas de saúde, é vítima de ataques que buscam o roubo de dados em massa. "Temos observado que interessa cada vez mais o roubo de dados valiosos. A maioria dos ataques é direcionada aos arquivos", detalha Flores.

Os dados, que também incluem os preços do mercado ilegal de documentação e moedas falsas, foram compilados na sede da Trend Micro em Pasig (área metropolitana de Manila), a partir de informações coletadas por sua rede internacional de observadores do mercado negro de informática. A empresa compartilha os dados com a Interpol para investigar crimes cibernéticos e colabora regularmente com a agência policial e com outras empresas do ramo.

Arquivado Em: