XLVIII Super Bowl

A defesa dos Seahawks destroça os Broncos e as aspirações de Manning

O time de Seattle levanta o troféu do Super Bowl ao vencer por 43 a 8 a equipe de Denver

O quaterback dos Broncos, Peyton Manning, se prepara para dar um passe.
O quaterback dos Broncos, Peyton Manning, se prepara para dar um passe.E. S. LESSER (EFE)

No verão passado, durante uma das concentrações dos Seahawks, de Seattle, seu quarterback, Russell Wilson, disse aos colegas como seu pai, que morreu há quatro anos por uma complicação da diabetes, sempre lhe dizia: “Russ, por que não você?”, para animá-lo quando suas esperanças de jogar nessa posição diminuíam. Essa mesma pergunta ele fez ao resto dos jogadores: “Por que não nós?” diante dos objetivos para a temporada. No domingo, o slogan se tornou realidade e o time de Seattle conquistou sua primeira final do Super Bowl ao destruir os Broncos, de Denver. Sua vitória por 43 a 8 não só encenou o triunfo da melhor defesa do campeonato sobre o melhor ataque, mas minou as chances de Peyton Manning, o quaterback do Denver, de uma passagem segura à elite da NFL.

A origem da derrocada do Denver ocorreu nos momentos iniciais do confronto

A carreira de Manning e os números impressionantes nesta temporada, estabelecendo novos recordes de passes na história da liga de futebol profissional nos Estados Unidos – 55 de touchdowns e 5.477 (cerca de cinco quilómetros) jardas avançadas com seus lançamentos – eram, a priori, os principais fatores de pressão para que o quarterback do Denver não pudesse definitivamente manter seu status com um novo Super Bowl – já ganhou outro com os Colts, de Indianápolis, em 2007. No domingo, no estádio de MetLife, em Nova Jersey, com a pressão interna de Manning, os Seahawks se juntaram à intimidação de sua esmagadora defesa. A trajetória do quarterback de 37 anos é irrepreensível, mas um currículo com duas finais perdidas e apenas uma vencida é uma sombra embaraçosa.

A origem da derrocada do time de Denver ocorreu nos momentos iniciais do jogo. Manning não conseguiu pegar o passe do centro de Manny Ramírez. O quaterback dos Broncos, um estudioso incansável da equipe adversária, que devora vídeos, verifica jogadas, as cria e gerencia, nunca previu um começo assim, talvez porque nunca antes uma final do Super Bowl havia começado com uma jogada Safety. O erro não só custou aos Broncos os dois primeiros pontos do jogo, mas a entrega da título aos Seahawks, um revés inesperado que abalou o ânimo da equipe, que não se recuperou.

O erro não custou aos Broncos apenas os dois primeiros pontos do jogo, mas a entrega do Super Bowl aos Seahawks, um revés inesperado que abalou os ânimos da equipe, que não se recuperou

Pete Carroll, treinador do time de Seattle, tinha muito claro que a chave para anular Manning, o eixo sobre o qual gira o ataque do Denver, era fazer com que se sentisse mais incomodado, impedi-lo de pensar antes de fazer o passe. Seus jogadores executaram a estratégia na perfeição. O quarterback dos Broncos é um jogador fisicamente frágil que não gosta de contato com as defesas rivais. Os Seahawks interceptaram vários de seus arremessos e chegaram a tocá-lo em mais de uma ocasião. Manning foi pressionado em 72 ocasiões durante esta temporada e apenas em 20 delas foi capturado por um adversário.

A equipe de Seattle entrou em campo mais para se aproveitar dos deslizes que sua pressão provocou nos Broncos do que para desenvolver o seu próprio jogo e seguiu esse roteiro durante a primeira etapa. No segundo tempo, o desespero dos adversários de Denver lhes permitiu desfrutar mais de seus próprios acertos.

Nem os espantos característicos de Manning, nem seus gritos ordenando jogadas com códigos que variam a cada jogada, permitiram lançar alguma clareza aos ataques dos Broncos. A defesa do Boom dos Seahawks, como eles mesmos chamaram o muro compacto e sincronizado formado por Kam Chancellor, Richard Sherman, Earl Thomas e Byron Maxwell, impediu o Denver de jogar por meio de passes aéreos, a forma com que realizaram sua temível ofensiva nesta temporada.

 O time de Seattle entrou em campo se aproveitando mais dos deslizes que sua pressão provocou nos Broncos do que para desenvolver seu próprio jogo

Se a linha de ataque dos Broncos foi nada menos do que um espectro, durante os dois primeiros quartos do encontro foi sua defesa que melhor teve ritmo em campo. Os jogadores de Seattle foram para o intervalo vencendo, mas a maioria de seus pontos foram gols de campo e não touchdowns, um exemplo do desconforto ao qual a linha ofensiva do Denver foi submetida durante boa parte da primeira fase da final. Até o segundo quarto, quando Marshawn Lynch marcou o primeiro dos touchdowns do Seattle. Quase perto do intervalo, seu linebacker Malcolm Smith interceptou um passe de Manning dirigido ao corredor dos Broncos, Knowshon Moreno, e se lançou a uma corrida de mais de 60 metros para marcar, deixando o resultado em 15 a 0 para o time de Seattle.

A apresentação do intervalo de Bruno Mars e Red Hot Chili Pepers não serviu para evitar o jogo irregular do Denver, que começou o terceiro quarto cedendo um novo touchdown aos Seahawks, marcado por Percy Harvin. Essa jogada, com o apito ainda audível do terceiro tempo, juntamente ao erro dos primeiros momentos do jogo, enterraram definitivamente as esperanças dos Broncos.

No intervalo, a apresentação de Bruno Mars e do Red Hot Chili Pepers não serviu para evitar o jogo errático do Denver, que começou o terceiro quarto cedendo um novo touchdown aos Seahawks

A efígie em que Manning se transforma durante os jogos não conseguiu esconder sua frustração, nem o desconforto ao qual os primeiros homens da defesa do Seattle o submeteram. Cliff Avril, Red Bryant e Chris Clemons foram muito mais superiores do que Manny Ramirez e Louis Vázquez, a linha hispânica dos Broncos que havia protegido com mão de ferro seu quarterback ao longo desta temporada.

Manning, no entanto, não foi o único responsável pelo desastre dos Broncos. Quando seu braço começou a tomar força, foram os destinatários que se complicaram e ficaram fora de sintonia com a recepção. A coordenação precisa que o quarterback havia demonstrado com Eric Decker, Julius Thomas ou Demaryius Thomas se diluiu e, com ela, as chances de uma recuperação improvável do Denver.

No outro lado, Wilson, em seu segundo ano na NFL e livre da pressão interna de Manning – mais além da pressão que se supõe ter ao liderar uma equipe na final do Super Bowl com apenas 25 anos – encontrava com facilidade seus receptores e corredores. O quarterback encontrou facilmente seus receptores, que tampouco tinham muitos problemas para superar seus defensores. No terceiro quarto, Wilson conectou com Jermaine Kearse para o quarto touchdown dos Seahawks. No quarto, Doug Baldwin pegou um passe a menos de 10 jardas da zona de marcação do rival. A gota d'água para uma estratégia que, nesta ocasião, mostrou que o melhor ataque começa com uma boa defesa.

Arquivado Em: