Caso Neymar

Pai de Neymar diz que recebeu 2,3 vezes mais que o Santos na venda para o Barça

Empresário afirma ainda que não deve nada a ninguém, nem ao fisco espanhol nem ao brasileiro

Neymar Jr. recebe camiseta de dirigentes do Barça em sua apresentação, em junho de 2013.
Neymar Jr. recebe camiseta de dirigentes do Barça em sua apresentação, em junho de 2013.J. LAGO / AFP

Neymar da Silva Santos, o pai do atacante brasileiro do Barcelona, levou pouco mais de uma hora e vinte minutos para tentar encerrar a polêmica em torno da venda do filho dele ao time catalão. Não conseguiu.

Apesar da falta de clareza em suas palavras durante uma entrevista coletiva dada a 13 repórteres pré-selecionados, pela primeira vez admitiu que, por ser agente do atleta, ganhou mais do que o dobro do que o Santos nessa negociação. Conforme divulgado por ele, foram 17,1 milhões para o clube paulista e 40 milhões de euros, 2,3 vezes mais, para a empresa N&N Sports, de sua propriedade de Neymar. Na semana passada, um dirigente do Santos disse ao EL PAÍS que o clube sentia que tinha recebido migalhas pela venda do atleta.

O valor que a N&N recebeu, diz seu proprietário, foi como uma indenização, já que firmou um acordo com o Barcelona em 2011 garantindo a preferência na negociação de Neymar Jr. Nesse acordo, os catalães lhe anteciparam 10 milhões de euros.

“Em 2011, o Barcelona me faz um empréstimo de 10 milhões de euros, que tinha um gatilho nesse contrato. Isso seria como prioridade, preferência, chame como quiser. Isso implicava que, em 2014, quando o Neymar estivesse livre, o Barcelona deveria ser o primeiro clube a ter a chance de ter o Neymar”. Essa explicação foi dada em tom irritado após a coletiva, em uma entrevista ao canal esportivo ESPN Brasil.

Não devo nada às Receitas da Espanha e do Brasil. Espero que acreditem nestes esclarecimentos. Queremos paz Neymar Silva, agente e pai do atacante Neymar Jr., do Barcelona

O que aconteceu de fato, segundo o agente, foi que o Santos precisou vender o jogador em 2013 e, por essa antecipação da venda, sua empresa recebeu 40 milhões de euros. E se Neymar não fosse vendido ao Barça? Segundo o empresário, era ele quem teria que pagar essa mesma quantia ao clube espanhol.

“O contrato dele era para [durar até] 2014. Tinha outro clube europeu que daria 120 milhões de euros pelo Neymar. E eu tinha um empréstimo de 10 milhões de euros. A gente poderia fazer o que quisesse. Poderia chegar em dezembro de 2013 pegar esses 120 milhões. Mas o Neymar não queria outro clube, que não o Barcelona”, afirmou.

Ao tentar se explicar, Neymar diz ainda que pediu para o Barcelona uma autorização para quebrar o contrato de confidencialidade firmado com o clube. E também porque “não deve nada” a ninguém nem teme o fisco. “Não devo nada às Receitas da Espanha e do Brasil. Espero que acreditem nestes esclarecimentos. Queremos paz”.

O imbróglio resultou na renúncia de Sandro Rossel da presidência do Barcelona. Foi ele quem assinou o contrato que levou o atacante ao clube. O ex-mandatário está sendo investigado pelo caso Neymar na Espanha. No Brasil, ele responde a processos judiciais desde 2008.