Contagem regressiva para o ‘caso Neymar’

A Audiência Nacional dá cinco dias a Sandro Rosell, presidente do Barça, para entregar os contratos do brasileiro, os comprovantes de pagamentos e as contas do clube desde 2011

Rosell e Neymar, no dia da apresentação do brasileiro.
Rosell e Neymar, no dia da apresentação do brasileiro.albert gea (reuters)

O Barça tem cinco dias para cumprir o contrato que assinou no dia 3 de junho com Neymar. Não é um prazo qualquer, já que foi fixado por Pablo Ruz, chefe da Audiência Nacional, antes de assumir se declara admissível a queixa apresentada por Jordi Cases, sócio do clube, contra o presidente Sandro Rosell, por um crime de apropriação indébita. A ordem emitida ontem anuncia que o titular do Juizado Central de Instrução Número 5 se declara competente para pesquisar os fatos acima de um tribunal ordinário por se tratar de supostos crimes cometidos por espanhóis no exterior — os contratos “teriam sido celebrados no Brasil em 2011 e em 27 de maio de 2013”— e admite a personificação do queixoso, Jordi Cases, que na época se opôs ao contrato de patrocínio assinado pelo clube com o Qatar Airways e impulsionou um voto de censura frustrado contra Rosell.

A pedido do Ministério Público, Ruz solicita ao Barça os comprovantes de pagamentos pelo contrato de Neymar bem como os relatórios financeiros de 2011, 2012 e 2013 nos quais o conselho diretivo informou à assembleia de sócios sobre os contratos do atacante assinado pelo Santos neste ano. O juiz pretende descobrir “se as alegações da parte reclamante são verdadeiras” e se, como sustenta Cases, o Barcelona não facilitou à junta e aos sócios a informação sobre o contrato de Neymar apesar de ter sido solicitada formalmente. Case sustenta que o Barça contratou Neymar por 57,1 milhões de euros (182,9 milhões de reais), dos quais 17,1 milhões seriam pagos em forma de direitos federativos e 40 milhões corresponderiam à sociedade Neymar&Neymar (N&N), de propriedade do pai do jogador. O Barça pagaria, além disso, 7,9 milhões pelos direitos sobre três jogadores do Santos e outros 9 milhões por uma partida amistosa.

O juiz Ruz quer saber se a diretoria não informou aos sócios sobre o acordo

O juiz assume também os argumentos do Ministério Público quando se lembra que o crime de apropriação indevida supõe “o gerenciamento desleal de um patrimônio cometido pelo administrador quando prejudica a sociedade, desviando o dinheiro cuja disposição tem a seu alcance”. Case, que solicita a declaração de Rosell como réu e do jogador como testemunha, aspira que Rosell, “embora não tenha se apropriado” do dinheiro, explique “por que pagou tal quantidade” — 40 milhões — ao pai do jogador. “Queremos saber o conceito”, reiterou o denunciante. “Nos Prometeram transparência”

Os porta-vozes da diretoria manifestaram a disposição em colaborar e atender aos requisitos, por entender que não cometeram nenhuma irregularidade, a não ser que simplesmente asseguraram o contrato do jogador quando ele era cotado por diferentes clubes como o Manchester City, o Bayern Múnich e o Real Madrid, clube com o qual Neymar chegou a fazer exame médico no Brasil. Rosell convenceria, há dois anos, o pai do jogador mediante o pagamento de 10 milhões, em vistas a sua incorporação, realizada em 2013 e não quando terminaria seu contrato com o Santos, em 2014.

O presidente do Barça garantiu o pagamento de grandes indenizações caso Neymar não fique no Barça. Os diretores não compreendem os requisitos propostos e consideram que, em último caso, só poderia lhes pedir explicações tributárias por meio do ministério da Fazenda. O único deslize que admitem para entender o contencioso é a cláusula de confidencialidade à que apelaram para não explicar uma operação na qual intervieram o Santos —proprietário de 55% dos direitos do atacante—; a empresa DIS —  40%— e um grupo de investidores liderado pelo pai de Neymar.

“O presidente usou bem seus contatos para o contrato. Sem mais”, dizem no Barça

As diferentes partes estão na expectativa da resolução do caso para revisar as quantidades recebidas enquanto o modelo barcelonista suspeita que parte da quantidade paga pelo Barça passou a fazer parte da ficha de Neymar, uns sete milhões, circunstância que tem encarecido as renovações ou melhorias de contrato previstas como a de Messi. “O contrato de Neymar não seria possível sem Rosell”, argumentam o Barça. “Ele utilizou muito bem seus contatos no Brasil”, insistem, “e poderia ganhar as equipes que apresentavam melhores ofertas sem cometer nenhuma irregularidade. Sem mais". A pergunta é se Cases —líder do coletivo Go Barça— atua por iniciativa própria ou por encarrego”. Rosell, que já anunciou sua intenção de apresentar a reeleição em 2016, não tem nenhuma oposição salvo a alternativa de Agustí Benedito, segundo nas eleições de 2010. O contencioso não preocupa a Neymar, de 21 anos, que, a partir de hoje, desfruta das férias de Natal, por decisão de Tata Martino. O atacante, cujo perfil será publicado em um caderno especial do El País no dia 25 de dezembro, não poderá jogar, sob risco de multa, no domingo em Getafe.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS