_
_
_
_

O Banco Central do Brasil sobe a taxa de juros para dois dígitos novamente

Na sexta alta consecutiva, chega ao patamar de 10% ao ano Decisão foi tomada por unanimidade e já era esperada pelo mercado financeiro

Marina Rossi

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Sede do Banco Central do Brasil.
Sede do Banco Central do Brasil.

Menos de dois anos depois, a taxa de juros do Brasil subiu novamente para um patamar de dois dígitos. Na sexta alta consecutiva, a taxa Selic [que serve como cálculo base para os rendimentos da maior parte das aplicações financeiras e de empréstimos bancários] foi a 10% ao ano.

A decisão obedece ao interesse do Banco Central de tentar controlar a inflação, que, segundo as previsões, deve fechar 2013 em torno de 5,8%, acima da meta do governo que é de 4,5%.

A última vez que a Selic esteve calculada em dois dígitos foi em janeiro de 2012, quando se iniciou no Brasil um processo para baixar os juros, levando, em seguidas reduções, para o menor percentual da história, 7,25%, em outubro do ano passado.

De lá para cá, a taxa chegou a ser mantida por alguns meses, mas voltou a subir no primeiro semestre deste ano. A cada novo encontro do Comitê de Política Monetária, o Copom, responsável por definir a taxa dos juros numa reunião feita a cada dois meses, foi subindo, gradualmente os números, passando na última reunião nesta quarta-feira, de 9,5% para o patamar de 10% ao ano.

Segundo o anúncio emitido pelo Banco Central, o reajuste faz parte de um processo: “Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 10% ao ano, sem viés”.

A decisão foi tomada por unanimidade por todo o conselho e não foi uma surpresa para o mercado financeiro, que já esperava uma alta no último encontro do ano.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_