Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O Banco Central do Brasil sobe a taxa de juros para dois dígitos novamente

Na sexta alta consecutiva, chega ao patamar de 10% ao ano

Decisão foi tomada por unanimidade e já era esperada pelo mercado financeiro

Sede do Banco Central do Brasil.
Sede do Banco Central do Brasil.

Menos de dois anos depois, a taxa de juros do Brasil subiu novamente para um patamar de dois dígitos. Na sexta alta consecutiva, a taxa Selic [que serve como cálculo base para os rendimentos da maior parte das aplicações financeiras e de empréstimos bancários] foi a 10% ao ano.

A decisão obedece ao interesse do Banco Central de tentar controlar a inflação, que, segundo as previsões, deve fechar 2013 em torno de 5,8%, acima da meta do governo que é de 4,5%.

A última vez que a Selic esteve calculada em dois dígitos foi em janeiro de 2012, quando se iniciou no Brasil um processo para baixar os juros, levando, em seguidas reduções, para o menor percentual da história, 7,25%, em outubro do ano passado.

De lá para cá, a taxa chegou a ser mantida por alguns meses, mas voltou a subir no primeiro semestre deste ano. A cada novo encontro do Comitê de Política Monetária, o Copom, responsável por definir a taxa dos juros numa reunião feita a cada dois meses, foi subindo, gradualmente os números, passando na última reunião nesta quarta-feira, de 9,5% para o patamar de 10% ao ano.

Segundo o anúncio emitido pelo Banco Central, o reajuste faz parte de um processo: “Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 10% ao ano, sem viés”.

A decisão foi tomada por unanimidade por todo o conselho e não foi uma surpresa para o mercado financeiro, que já esperava uma alta no último encontro do ano.