Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Desemprego sobe na Argentina a seis meses de eleições cruciais para Macri

Taxa de desemprego ficou em 9,2% no primeiro trimestre de 2017

Desempleo en Argentina
Protesto em Buenos Aires na quarta-feira para exigir trabalho. Reuters

Os dados econômicos da Argentina contradizem o panorama otimista descrito pelo Governo de Mauricio Macri. A menos de cinco meses das eleições legislativas de outubro na Argentina, centrais para o futuro do presidente, a economia joga contra ele. O último dado negativo conhecido foi a taxa de desemprego: no primeiro trimestre de 2017 aumentou para 9,2%, 1,6 ponto percentual superior ao registrado nos últimos três meses de 2016. No Brasil, a taxa de desemprego subiu de 12% para 13,7% no mesmo período. Na periferia de Buenos Aires, a região mais populosa do país, a situação piorou ainda mais – 2,4 pontos percentuais – e o desemprego atingiu 11,8%. O outro lado é Viedma, capital da província de Rio Negro, onde a taxa de desemprego é de 1,1%.

O Indec considerou “significativo” o aumento do número de desempregados no início do ano, embora não possa estabelecer ainda uma comparação anual devido ao apagão estatístico durante os primeiros meses de governo macrista, nos quais o organismo foi reorganizado para voltar a publicar dados confiáveis após oito anos de descrédito internacional. Embora o desemprego tenha a tendência a aumentar ligeiramente nos primeiros meses do ano, o aumento foi maior do que o esperado.

No final de maio, o ministro da Fazenda argentino, Nicolás Dujovne, destacou a recuperação do mercado de trabalho. “Passamos por um 2016 muito difícil, um primeiro semestre em que perdemos quase 100.000 postos de trabalho. Esse processo terminou em julho quando o emprego parou de cair e em agosto começou a se recuperar. É evidente que estamos em uma situação totalmente diferente hoje, já que há uma economia que cria emprego, algo muito diferente de 2016, quando a economia destruía empregos”, disse Dujovne em uma entrevista ao jornal El Tribuno de Salta.

Os dados do desemprego não são a única má notícia para o Governo neste ano eleitoral. A inflação acumulada nos primeiros cinco meses deste ano é de 10,5% e embora tenha desacelerado em maio (1,3% mensal), ninguém na rua acredita que a meta oficial anual, de um máximo de 17%, será cumprida. Os sindicatos estão exigindo aumentos salariais superiores a 25% e os preços dos bens de consumo também aumentam acima das previsões do Governo. Mesmo assim, a inflação está longe dos 40% registrados em 2016, quando a escalada de preços castigou especialmente a população mais vulnerável e aumentou a pobreza, que afeta quase um em cada três argentinos.

Depois de um 2016 com recessão, no qual o PIB argentino caiu 2,3%, organismos internacionais preveem um crescimento econômico entre 2,2% (FMI) e 2,5% (OCDE) para 2017 e um pouco maior para 2018. Mais uma vez o motor econômico é o campo, que prevê este ano outra safra recorde, mas é um setor de baixa ocupação. Ao contrário, a indústria e o comércio, que empregam uma grande quantidade de mão de obra, foram golpeados pela queda constante do consumo interno e dos principais sócios como Brasil e China. O setor com melhores perspectivas de emprego é a construção, beneficiada pelo investimento em obras públicas e os créditos hipotecários. Está se esgotando o tempo que o Governo possui para que a recuperação anunciada há meses se torne realidade.

MAIS INFORMAÇÕES