Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Como crianças de uma pré-escola reagiram a ‘Mulher Maravilha’

“Quando for maior quero falar centenas de idiomas, como a Mulher Maravilha”

Mulher Maravilha se tornou o primeiro filme dirigido por uma mulher a bater recordes de bilheteria em sua primeira semana de estreia nos Estados Unidos, no início de junho. É também um filme de super-herói com excelentes críticas – algo raro no gênero. Também se confirmou como ícone do feminismo dentro da cultura pop, o que nem sempre acontece com os quadrinhos em que se inspira. Sua diretora, Patty Jenkins, compartilhou em seu perfil do Twitter uma mensagem que mostra o efeito que o filme teve no público. A carta de uma pessoa que trabalha em uma pré-escola narra como o filme mudou algo na vida de seus alunos em apenas uma semana.

“Minha produtora me passou este texto. É absolutamente incrível!!! Faz com que cada dia difícil valha a pena. Obrigada a quem escreveu!!!”, diz a cineasta em um tuíte que foi compartilhado 41.000 de vezes e teve mais de 94.000 “likes” em menos de 24 horas. A protagonista do filme fala sobre o empoderamento e a independência feminina.

“Minha produtora me passou este texto. É absolutamente incrível!!! Faz com que cada dia difícil valha a pena. Obrigada a quem escreveu!!!”

Eis a carta recebida pela diretora: Trabalho em um jardim da infância e esta é uma coleção de coisas fofas relacionadas à Mulher Maravilha que aconteceram uma semana depois da estreia do filme:

- Na segunda-feira, um menino que estava obcecado pelo Homem de Ferro me contou que tinha pedido aos pais um tênis novo da Mulher Maravilha.

- Uma menina disse: 'Quando for maior, quero falar centenas de idiomas, como Diana [nome real da Mulher Maravilha]'.

- Uma menina obrigou seus pais a mudar o tema da festa de A Bela e a Fera apenas três dias antes porque precisava que a festa fosse da Mulher Maravilha.

- Sete meninas brincando durante o recreio da terça-feira disseram que já que todas elas queriam ser Mulher Maravilha então tinham concordado em ser amazonas e lutar juntas contra o mal em vez de brigar entre si.

- Depois veio uma menina que não respondia se não fosse chamada de Mulher Maravilha.

- Outra menina perguntou seriamente ao professor (ou professora) se podia trocar o uniforme pela armadura da Mulher Maravilha porque queria 'estar preparada caso tivesse de salvar o mundo'. O professor (ou professora) riu e concordou. No dia seguinte a menina veio fantasiada e nenhuma criança se abalou.

- Estão preparando um espetáculo de fim de curso e nos perguntaram se podiam ir vestidos de super-herói, quando na realidade vão cantar uma música sobre coelhinhos.

- Houve um menino que se irritou e jogou um carrinho de plástico em um colega e então uma menina gritou: 'Igual ao filme'.

- Um menino jogou no chão o papel de uma bala e uma menina de cinco anos lhe disse: 'Não faça sujeira, idiota. Por isso não há homens em Temiscira [lugar da origem do personagem, onde há só mulheres]'.

- Na quarta-feira, uma menina veio com uma lista impressa com todas as super-heroínas e seus poderes para evitar conflitos na hora de escolher seus personagens no recreio.

- Conversei com uma menina que não tinha visto o filme. No dia seguinte veio muito séria e me disse: 'Você tinha razão, Mulher Maravilha é muito melhor que Frozen'.

Considere isso uma forma agradável de lembrar que, se este filme mudou completamente o modo como estas meninas e meninos pensam sobre si mesmos e sobre o mundo em apenas uma semana, imagine o que acontecerá com a próxima geração se lhes dermos mais filmes como Mulher Maravilha."

Com mais de 720 milhões de reais arrecadados em todo o mundo em seus primeiros três dias de projeção, Mulher Maravilha se tornou um dos primeiros grandes sucessos da temporada de verão. Com uma estratégia impecável de marketing nos Estados Unidos, que incluiu ingressos grátis dedicados exclusivamente ao público feminino, a Warner conseguiu inverter a tendência do mercado. Pela primeira vez, a maioria dos espectadores que foram à estreia de um filme de ação e de super-heróis eram mulheres (52%, versus 48%), segundo o site especializado em bilheteria Box Office Mojo.

Patty Jenkins dirigiu Charlize Theron em Monster, o filme que lhe deu um Oscar, e se encarregou de vários episódios da série de televisão The Killing. Em Mulher Maravilha, conta as origens da heroína, uma guerreira chamada Diana e criada em uma ilha paradisíaca habitada apenas por mulheres. A ela chega por acidente um piloto norte-americano, combatente da Primeira Guerra Mundial, que a faz descobrir uma realidade paralela dominada por homens.

Graças a essa estreia, a diretora é a mulher do momento na indústria de Hollywood e seu trabalho despertou também o interesse da mídia em geral. “Uma obra-prima do feminismo subversivo”, define Zoe Williams, redatora do The Guardian.

Como crianças de uma pré-escola reagiram a ‘Mulher Maravilha’

Imagem de Mulher Maravilha/ Cordon Press

Meredith Woerner explica no Los Angeles Times por que se emocionou a ponto de chorar com as cenas de luta mostradas no filme. Conta que, depois que inúmeros heróis masculinos brigaram no cinema para defender o bem, gostou de finalmente ver uma mulher tomar o controle do campo de batalha e a câmera para abrir o espectro de um gênero cinematográfico monótono.

MAIS INFORMAÇÕES