Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Morre Adam West, o primeiro Batman da TV

Ator tinha leucemia e faleceu aos 88 anos

Adam West
Adam West, em 1999, junto ao carro original utilizado na série Batman. REUTERS

Sim: Keaton, Kilmer, Clooney, Bala, Affleck... mas para a cultura pop, Batman sempre terá o rosto do terceiro ator que lhe interpretou, Adam West, o primeiro que deu vida ao grande vingador na televisão. West, esse Batman tão querido, morreu na sexta-feira em Los Angeles aos 88 anos por causa de uma leucemia, informou a família. Entre 1966 e 1968, West interpretou o homem-morcego em uma série da TV, personagem que marcou toda a sua carreira.

A família recordou, em nota divulgada após sua morte, que ele sempre se identificou com o personagem: “Queria ter um impacto positivo nas vidas dos fãs. Foi e sempre será nosso herói.”

Nos últimos anos, ele havia trabalhado como ator de dublagem, emprestando sua voz a personagens de desenhos animados como O Galinho Chicken Little e A Família do Futuro.

A sombra de Batman tornou mais difícil para o público reconhecer West por outros papéis, apesar de o ator ter trabalhado em mais de sessenta filmes e oitenta séries de televisão. Estudante de Literatura e Psicologia, DJ de rádio, amante de histórias em quadrinhos, a vida de William West Anderson, seu nome real, deu muitas voltas até encarnar Bruce Wayne e seu alter ego heróico na televisão.

Durante dois anos, enquanto estava alistado no exército, trabalhou em diversas emissoras militares de televisão, e posteriormente, junto a sua primeira esposa (foi casado três vezes, sendo que com a terceira mulher estava casado desde os anos 1970), viajou pela Europa até acabar seu dinheiro.

Com sua segunda esposa, que conheceu fazendo um programa infantil no Havaí, e seus dois filhos, chegou a Hollywood em 1960, para dar início a uma carreira marcada por dezenas de personagens em séries como Geronimo, Perry Mason, Os detetives, Bonanza, A Feiticeira... Todas consideradas clássicos dos anos sessenta, até que ele mesmo se converteu em um clássico em 1966 quando foram lançadas as três temporadas da série Batman. Graças a um anúncio que fez para a marca de chocolate instantâneo Quik, de Nestlé, ele foi notado pelos chefes da rede de televisão ABC. Também encarnou o Batman em um filme em 1966 e na miniserie Legends of superheroes.

O sucesso de seu Batman se deve a forma como seus criadores mostraram a cultura pop, com as famosas onomatopeias quase saltando da tela quando o heroi se envolvia em uma briga, os trajes coloridos, o ambiente kitsch (muito diferente do cenário sombrio que viria a marcar o personagem a partir dos anos oitenta) e também os atores que deram vida a outras personagens, entre eles Burt Ward como Robin, Cessar Alecrim como Coringa, Burgess Meredith como Pingüim e Julie Newmar, que interpretou a Mulher gato. A série foi cancelada depois de 120 episódios por culpa dos altos custos de produção.

O restante da carreira de West nunca mais voltaria ao patamar de sucesso que alcançou neste período. O relançamento de sua carreira chegou com seu papel de prefeito na série Uma Família da Pesada e com a participação na série The Big Bang Theory, em que interpretou a si mesmo em fevereiro de 2016. A série comemorava o episódio número 200 e os 50 anos de Batman. “É muito divertido descobrir que você continua em forma e ver o que há na cabeça das pessoas mais jovens”, disse.

Em 1994, West publicou sua autobiografia, Back to the Batcave, em que falou de sua tristeza por não ter interpretado um dos famosos Batman do cinema. Uma de suas posses mais preciosas era um desenho original de Batman de Bob Kane com a inscrição: "To my buddy, Adam, who breathed life into my pen and ink creation" ("Para meu amigo, Adam, que deu vida a minha criação de caneta e tinta). Apenas uma amostra de carinho e de respeito que West também recebeu nos últimos anos de milhares de fãs agradecidos.

 

 

MAIS INFORMAÇÕES