Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Comando Vermelho semeia o caos no Rio em resposta a megaoperação policial

Homens armados incendiaram dez veículos em importantes vias expressas da cidade

Governador pediu reforço de policiais rodoviários e da Força Nacional semana passada

Grupo de pessoas saqueia caminhão no Rio.
Grupo de pessoas saqueia caminhão no Rio. EFE

O Rio de Janeiro viveu nesta terça-feira mais uma inusitada jornada de violência transmitida quase em tempo real. Homens armados incendiaram ao menos oito ônibus e dois caminhões em vias expressas da cidade, moradores saquearam caminhões e grupos de jovens interromperam o trânsito tentando erguer barricadas. Era a resposta da maior facção criminosa do Rio, o Comando Vermelho (CV), a uma mega operação policial que a impediu de invadir uma favela rival. Tudo transmitido ao vivo pelas principais emissoras locais e as redes sociais.

A operação da Polícia Militar começou cedo de manhã após a corporação ser advertida de que criminosos do Comando Vermelho estavam tentando retomar o controle de Cidade Alta, em Cordovil, uma favela do norte da cidade, dominada pelo Terceiro Comando Puro. A ação da polícia, que terminou com a apreensão de 32 fuzis, 45 detidos –praticamente todos do CV– e dois mortos, foi considerada um sucesso pelas autoridades. “Eu não me lembro, em 34 anos de polícia, uma operação pontual com tantas apreensões de armas de fogo desse porte”, disse o secretario de Segurança Pública, Roberto Sá. O secretário afirmou que a PM evitou um “banho de sangue” com a operação.

A resposta do tráfico para desviar a atenção da polícia e tentar facilitar a fuga de traficantes não demorou a chegar e atraiu mais atenção que a própria operação. De um presídio fora do Estado do Rio, a quadrilha mobilizou traficantes que, armados, semearam o terror em vários pontos da cidade. Um motorista de um dos ônibus incendiado contou a O Globo que temeu virar “churrasco” durante o ataque. “Um deles disse: ‘você está demorando muito, já mandei descer. Você quer morrer? Você vai virar microondas aí’. Jogou a gasolina e tive que pular correndo”, contou Jorge Martins Filho, de 61 anos, ao jornal. Segundo a Federação das Empresas de Transporte do Estado do Rio, os 50 ônibus queimados neste ano, com um custo de reposição de 22 milhões de reais, já superam os 43 incendiados em 2016 inteiro.

A Prefeitura chegou a declarar estágio de atenção –o segundo de três níveis de alerta– após serem registrados cerca de 66 quilômetros de congestionamentos. Os holofotes voltados aos incêndios irritaram o secretário que repetiu em coletiva várias vezes que os ataques não poderiam ser considerados mais importantes que a operação policial. As imagens dos ataques, no entanto, não tinham como não impactar, apesar de o carioca ter naturalizado a violência em sua rotina. Uma das transmissões em tempo real da GloboNews registrou um motorista abrindo o vidro de seu veículo e atirando para cima com uma pistola, fazendo correr, assim, uma multidão que saqueava um dos caminhões incendiados.

Após as ações criminosas que se estenderam durante horas, em avenidas cruciais como a Washington Luiz ou a Avenida Brasil, enquanto eram transmitidas na TV, o secretario Sá negou que tenha faltado estratégia para coibir os ataques. “Não podemos diminuir o grau de violência da nossa sociedade e dizer que a polícia tem que evitar isso tudo. Não podemos adivinhar o pensamento do criminoso antes de cometer o crime”, disse.

Sá sim apontou, no entanto, a “escassez de recursos” da polícia do Rio e voltou a cobrar uma mudança na legislação para punir mais severamente o porte de armas de guerra e até o incêndio de ônibus. “A pena para alguém que porta fuzil na cidade é ridícula e irrisória. A pena para incêndio é de três a seis anos, também ridícula. A sociedade com valores e propósitos tem que impor a noção da punição e outros poderes têm que dar instrumentos para a polícia. Já passou da hora de o Brasil rever a legislação criminal, rever presídios e benefícios para quem comete crime tão grave”, disse.

A estratégia do tráfico de queimar ônibus para desviar a atenção da polícia não é nova, mas sim surpreendeu pela dimensão e espetacularidade dos ataques que lembraram às imagens vividas em novembro de 2010, nas vésperas da ocupação policial do complexo de favelas do Alemão. Na época foram orquestradas pelo tráfico várias ações violentas e dezenas de ônibus foram incendiados.

A jornada desta terça-feira é mais um desafio para um Estado com sérias dificuldades financeiras, cuja falência afeta diretamente à segurança pública. Com 4.000 policiais militares formados que não podem ser integrados à corporação por falta de recursos, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) pediu ajuda federal, mais uma vez. Na semana passada, independentemente dos ataques de hoje, Pezão reforço da Polícia Rodoviária Federal e da Força Nacional, confirmou sua assessoria. “Toda ajuda é bem-vinda”, afirmou Sá. “Mas, na minha humilde visão, o buraco é mais embaixo. Precisamos de soluções estruturais e não paliativas”.

MAIS INFORMAÇÕES