Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Grupos paramilitares chavistas semeiam o terror na Venezuela

Chamadas de Coletivos, as gangues armadas pró-Maduro se transformaram em forças ativas contra a oposição

Paramilitares apontam armas para os manifestantes. Ver galeria de fotos
Paramilitares apontam armas para os manifestantes.

Muitos dos crimes que aconteceram nos protestos da oposição venezuelana são atribuídos aos Coletivos, grupos paramilitares do chavismo. De acordo com dados da Promotoria do país, 26 pessoas morreram até terça-feira nessa onda de protestos, que começou há um mês.

Paola Ramírez presenciou uma selvagem intervenção de motociclistas contra manifestantes em um bairro de San Cristóbal, a capital do estado andino de Táchira, minutos antes de ser morta a tiros. “Ela me falou: ‘Mãe, os Coletivos estão atirando!’. Disse por telefone, assustada”, conta sua mãe, Darcy Gómez.

Ramírez morreu na quarta-feira, dia em que as marchas de rua contra o Governo de Nicolás Maduro aumentaram, e sua agonia ficou gravada em vários vídeos. Antes dispararam na cabeça de Carlos Moreno Barón, 17 anos, em Caracas. Testemunhas reconheceram gangues chavistas como autores.

Há poucos militantes dos coletivos presos. “Quatro mortes ocorridas nos protestos do mês de abril são atribuídas a esses grupos, mas até agora não foram realizadas detenções”, disse Lexys Rendón, diretora da ONG Laboratório de Paz. Pela morte de Ramírez foi preso Iván Pernía, um homem de 31 anos, a quem o governo inicialmente vinculou ao partido político de María Corina Machado, Venha Venezuela. “Quero que a justiça seja feita, mas a verdadeira justiça! Não acho que seja ele (o homem preso pelo crime), porque ela me disse: ‘Mãe, os coletivos estão atirando!’”, insistiu Gómez no funeral de sua filha.

Faz três anos que esses bandos saíram de suas trincheiras, no bairro 23 de Enero de Caracas, para colonizar outros territórios. Suas intervenções armadas nos protestos da oposição coincidiram com o declínio da popularidade de Maduro.

Em 2014, o vice-almirante Pedro Manuel Pérez, então comandante da Infantaria Naval, havia advertido em vários comunicados à ministra da Defesa, Carmen Meléndez, e ao resto do alto comando militar sobre a suposta coordenação de um coletivo de Caracas com a polícia venezuelana para reprimir manifestações contra o Governo de Nicolás Maduro. Sua denúncia tinha se baseado no testemunho de um tenente e nas investigações próprias dentro das Forças Armadas Bolivarianas (FANB) da Venezuela. “Os Coletivos mantêm não só um controle absoluto do território de seu setor, mas também possuem o monopólio dos recursos que o Estado entrega às comunidades, o que lhes dá um poder de influência que permite o domínio sobre todos os membros da comunidade”, afirma no expediente.

Mas as acusações foram rechaçadas. Em 5 de maio de 2014, a ministra de Defesa ordenou a retirada do vice-almirante Pérez da FANB e três anos mais tarde, na semana passada, ele foi preso em sua casa em Caracas por agentes da Direção de Inteligência Militar (DIM) por uma suposta tentativa de derrubar Maduro.

Os Coletivos se autoproclamam organizações pacíficas e defensoras da revolução. Mas esta casta chavista sofreu uma mutação de agitadores em autênticos grupos paramilitares.

Esses civis armados agem agora em conjunto com a polícia na repressão das manifestações opositoras. Rocío San Miguel, advogada da ONG Control Ciudadano, condena que o Governo patrocine essas operações. “Permitir, proteger, ajudar as atividades de coletivos armados é crime, e isso está acontecendo de maneira contínua, sob o olhar complacente de órgãos do Estado que têm o dever legal de agir”, diz.

Palavras de ordem

A ferocidade dessas organizações é extrema. San Miguel identificou os padrões de conduta dos grupos paramilitares, que, além disso, revelam a “permissividade” do Estado venezuelano. Desses grupos destaca sua capacidade de impor o terror nas comunidades. Os homens dos coletivos exibem seu arsenal, circulam em motocicletas e às vezes cobrem o rosto para não serem identificados; sempre gritam palavras de ordem a favor do chavismo. “Agem coordenadamente sob comandos hierárquicos que fornecem e recebem instruções. Usam métodos e meios violentos para atacar e dispersar manifestações da oposição, vigiar comunidades, extorquir pequenos comerciantes, agredir jornalistas e líderes da oposição. Mobilizam-se à vontade com a segurança de que não serão capturados e processados legalmente por seus crimes”.

MAIS INFORMAÇÕES