Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
GPS

Navegadores desativam o GPS do cérebro

Estudo mostra menor ativação do cérebro quando se guia por um navegador

Ampliar foto
Mapa do centro de Londres. Em vermelho, as ruas com mais conexões, em azul, as mais isoladas.

Os navegadores estão debilitando a capacidade do cérebro de orientar-se. Da mesma maneira que as calculadoras e a agenda do telefone interferiram nas habilidades matemáticas ou na capacidade de recordar um número, um estudo mostra agora que o navegador do carro ou do celular faz com que as áreas cerebrais dedicadas à orientação espacial e à navegação reduzam sua atividade.

No começo do século um estudo já clássico demonstrou que o cérebro dos taxistas de Londres era maior que o de outras pessoas. Mas uma região cerebral especificamente, o hipocampo posterior, apresentava uma maior densidade de matéria cinzenta. Os resultados foram confirmados uma década depois com uma amostra de taxistas antes e depois de terem de aprender o guia da cidade, com as mais de 25.000 ruas londrinas, para obter a licença. Os que a conseguiram tinham o hipocampo mais desenvolvido.

Buscando identificar como o hipocampo se arranja para navegar um espaço, um grupo de pesquisadores escaneou o cérebro de 24 voluntários enquanto se movimentavam por um mapa virtual do Soho londrino. Também queriam investigar como outras áreas cerebrais intervêm, em particular o córtex pré-frontal, crucial na hora de planejar novas rotas e resolver problemas –como o que fazer se tomamos o caminho errado e é preciso buscar uma nova rota. Das 10 rotas que tiveram de seguir, em cinco obtiveram a ajuda de um navegador, enquanto nas demais eles mesmos tinham de decidir onde virar à esquerda, à direita ou seguir em frente.

O estudo, publicado na Nature Communications, mostra que, quando os voluntários navegavam em modo manual, tanto seu hipocampo, localizado na parte mais interna e inferior do cérebro, como o córtex pré-frontal mostravam maior atividade quando chegavam a uma nova rua. Na realidade, o registro do scanner era maior quanto maiores fossem as opções que tivessem diante de si. No entanto, essa atividade extra não ocorria quando se deixavam guiar pelo navegador.

Os participantes do estudo tiveram que navegar pelas ruas do Soho, no centro de Londres

"Chegar a um cruzamento como o de Seven Dials, em Londres, onde se juntam sete ruas, pode aumentar a atividade do hipocampo, enquanto que uma ruela sem saída a reduz”, diz em uma nota o responsável pelo laboratório de cognição espacial do University College de Londres e coautor do estudo, Hugo Spiers. “Se você tem que enfrentar a complexidade das ruas de uma cidade, provavelmente terá de exigir mais do seu hipocampo e seu córtex pré-frontal”, acrescenta.

Os resultados desta pesquisa confirmam o papel-chave do hipocampo na orientação espacial e no planejamento de rotas. Mostra especificamente como ajuda em novas situações: ao chegar a uma nova rua a caminho de um objetivo, uma parte do hipocampo indexa as conexões existentes enquanto a outra identifica as características da rua. Com os dois elementos, o cérebro pode simular as diferentes rotas enquanto o córtex pré-frontal ajuda a decidir qual escolher para chegar ao destino. “Mas, se temos tecnologia que nos diz que caminho escolher, essas zonas do cérebro não reagem à rede de ruas. Nesse sentido, nosso cérebro se desconecta das ruas que nos rodeiam”, comenta Spiers.

MAIS INFORMAÇÕES