Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Inflação na Argentina não para e o preço do pão sobe 83% em um ano

Item representa quase três pontos da cesta básica e duplica a inflação oficial

Ampliar foto
Padeiros argentinos com as mãos na massa. Télam

A escalada de preços na Argentina não para e a alta da inflação no país já alcança os produtos mais essenciais da cesta básica. Neste caso, o pão, um alimento fundamental na dieta argentina e que paga um IVA reduzido, de 10,5%, a metade dos 21% impostos aos demais produtos. O aumento do valor tem origem na alta do preço da farinha e do gás, embora o preço internacional do trigo tenha ficado estável. Analistas da oposição dizem que a retirada dos impostos sobre as exportações agrícolas, no final de 2015, fez o preço do grão disparar no mercado interno, mas os moinhos alertam que “o custo da farinha era um terço do custo do pão e hoje não chega a representar 18%”. O setor dá emprego a 110.000 trabalhadores diretos e indiretos e abastece cerca de 36.000 padarias.

Levar o pão à mesa é a meta de todo trabalhador argentino. No entanto, parece ter se tornado uma empreitada muito difícil de assumir. Sobretudo se se leva em conta que em novembro de 2015 o valor do alimento oscilava em 25 pesos (4,9 reais) e agora, depois do acertado pelos empresários da panificação, alcança 45 pesos (8,86 reais). Boa parte da gênese do incremento tem a ver com a retirada dos impostos sobre as exportações de trigo, decidida pelo então recém-empossado presidente da Argentina, Mauricio Macri, O empate com o preço internacional nesse momento fez disparar o custo da matéria-prima no mercado interno em quase 40% – no acumulado em janeiro de 2017 é de 103,6%. Assim, o preço que os consumidores pagam teria registrado um aumento acumulado de 83%, muito acima da inflação de 40% estimada para 2016.

Hernán Letcher, diretor do Centro de Economia Política Argentina (CEPA), argumenta que “o preço internacional do trigo se manteve estável nos últimos anos, mas as medidas tomadas pelo governo afetaram o preço do trigo no mercado interno. De fato, a remoção do imposto sobre as exportações, adesvalorização do peso em dezembro de 2015 e a eliminação das permissões de exportação fizeram o valor disparar. É possível, em virtude da eliminação dos estoques acumulados e da má qualidade das últimas colheitas, que os moinhos e distribuidores estejam se antecipando a futuros aumentos no preço do trigo”.

Na Federação Argentina da Indústria de Moagem (FAIM) concordam em parte com esse diagnóstico: “O fato de remover os impostos fez com que o trigo valesse o mesmo que em nível mundial, mas isso foi há um ano. Além disso, para as padarias a farinha deixou de ser uma matéria-prima para passar a ser um insumo”, afirmou Diego Cifarelli, presidente da FAIM. “O custo da farinha era um terço do custo do pão, mas hoje não chega a 18% e não vale nada em comparação com os outros custos que realmente aumentaram, como as tarifas, as paritárias [comissões de trabalhadores e patrões para acordos trabalhistas], o custo dos aluguéis e a pressão tributária”, disse.

O outro fator é o aumento do preço do gás, que alcançou 500% em média em 2016. E já foi anunciado um novo reajuste para abril deste ano, estimado em 54%. “Uma padaria que pagava 1000 pesos (197 reais) mensais de gás em janeiro de 2016 passará a pagar 9.240 pesos (1.820 reais) depois do novo tarifaço”, dizem na CEPA. A previsão é que a soma de aumentos tenha um forte impacto sobre a inflação de fevereiro, já que o pão representa 2,87% do gasto médio das residências, segundo o IPC calculado pelo Indec. A medição traz alguma preocupação em um contexto de confusão oficial depois do 1,3% medido em janeiro.

Consultado sobre o futuro da atividade, Cifarelli argumentou que “houve um sacrifício enorme por parte da massa assalariada em maximizar os rendimentos e isso se reflete no momento do consumo para escolher quais são as melhores opções. Temos um consumidor que já não é refém de seus gostos e preferências históricas, mas sim, sobretudo, de sua renda e de como a maximiza, embora eu considere que o consumo já chegou a seu ponto mais baixo nos últimos meses e agora vai iniciar uma lenta recuperação”. “É preciso trabalhar o preço na direção dos custos, e não o contrário. Essa é a habilidade que o empresário terá que ter. O mais importante será a capacidade de criar novos postos de trabalho e, para isso, é preciso sair da espiral da pressão tributária e da redução do gasto fiscal, que é enorme”, conclui.

MAIS INFORMAÇÕES