Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Ninguém compete com Messi

Barça retira função de dirigente que disse que “Leo não seria tão bom sem Neymar, Iniesta e Piqué”

Leo Messi treina na última sexta. Ampliar foto
Leo Messi treina na última sexta. EFE

Lionel Messi se sente tão à vontade no Barça que nunca quis sair. Ele chegou ao time aos 13 anos, ainda um garotinho transbordando talento que fazia maravilhas que os outros nem sonhavam. Com o passar do tempo, se tornou o melhor jogador da história e continua no Barçacom o 10 nas costas e a bola nos pés, já com 29 anos. O que não impede que tenha tido enrascadas e conflitos com a entidade. Como agora. Mas desde sexta-feira ficou claro que com Messi ninguém compete. Depois de uma declaração incômoda sobre o craque, Pere Gratacós foi demitido do comando das relações institucionais do clube com a federação espanhola, a mando de Albert Soler, diretor dos esportes profissionais, que havia informado sua decisão ao presidente Josep María Bartomeu.

Depois do sorteio das quartas de final da Copa do Rei, no qual o Barça ficou emparelhado com o Real, Gratacós soltou: "Sem Iniesta, Neymar e Piqué, Messi não seria tão bom. Mas é o melhor, claro." Palavras que queriam dizer que seu rendimento é superior se está com esses jogadores ao redor, e não acompanhado de outros, algo óbvio quando se olha para seleção argentina.

As palavras tiraram valor do camisa dez e o clube o demitiu "por ter expressado publicamente uma opinião pessoal que não coincide com a da entidade". No Barça acrescentam: "Não tem que falar do que não lhe cabe".

Renovação

A declaração é especialmente delicada porque se enquadra no processo de renovação do jogador e se soma à frase do diretor-executivo Óscar Grau, que nesta semana afirmou: "Com a renovação de Messi, cabeça fria e senso comum". No clube não caiu bem a fala "porque não era o momento", mas afirmam: "Suas palavras são idênticas à versão do clube". O axioma, em qualquer caso, caiu mal para o próprio jogador, e também para uma equipe que não quer perder a esquerda que guia seu futebol. "É preciso renovar com Messi, não é questão de senso comum", replicou Luis Suárez. O treinador Luiz Enrique acrescentou: "O que é preciso ter é tranquilidade". Embora na cidade esportiva também digam: "Renovará com certeza". Algo taxativo para uma direção que tem sido diligente com as renovações de seu entorno (Neymar e Suárez), mas que ainda tem de fechar a de Messi e a de Iniesta.

Entendem os mais próximos do camisa dez que o Barça não protege sua estrela com a palavra, por mais que isso seja feito nos papéis, porque sempre lhe paga mais do que a qualquer outro e atende suas vontades. Em 2008, por exemplo, o clube não atendeu a seu desejo de participar dos Jogos Olímpicos –o queriam na prévia da Champions. "Não levam em conta a vontade de meu filho", expressou, na época, Jorge Messi. Mas Guardiola, ciente de que é preciso ter o bom contente, retirou o veto para que voltasse com um sorriso e a medalha de ouro.

Várias enrascadas

Com a chegada de Sandro Rosell à presidência do Barça a corda voltou a ficar tensa porque seu plano passava por dar a Neymar o protagonismo de Messi. Mas a situação foi redefinida com a contratação do técnico Martino, que deslumbrou o pai de Messi nos seus tempos de juventude e que parecia disposto a falar o idioma de Leo e, por extensão, do Barça. Não foi assim, apesar de que com Bartomeu também tenha havido um episódio crítico na renovação anterior, quando o vice-presidente econômico, Javier Faus, afirmou: "Não vejo motivo para melhorar um contrato que já foi melhorado há seis meses". O dez respondeu: "Faus não sabe nada de futebol". O que levou o vice-presidente a não tocar mais no assunto, e Leo ganhou seu contrato.

Pelo caminho houve derrotas porque Messi quis trazer Agüero para a equipe principal e seu primo (Emanuel Bianchucci, que joga no clube Ceará) para o Barça B, mas a direção esportiva se negou e depois dispensou seu grande amigo Pinto como suplente no gol. Agora se repetem enrascadas. "Esperamos que estas palavras não nos deem problemas", dizem no Barça, que esclarece que ninguém compete com Messi.

MAIS INFORMAÇÕES