Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A dama da decepção: uma Nobel da Paz criticada por seus pares

Aung San Suu Kyi, símbolo da luta democrática em Mianmar, alvo de críticas por não defender minoria

Aung San Suu Kyi
Aung San Suu Kyi, símbolo da luta democrática em Myanmar

Augn San Suu Kyi, símbolo da defesa da democracia na Ásia, levou quase três décadas para chegar ao poder em Miammar (antiga Birmânia). Mas bastaram poucos meses para que a atual ministra de Relações Exteriores do país, considerada a líder de fato do primeiro Governo birmanês saído das urnas e constituído em março, tivesse de enfrentar os dissabores da realpolitik.

A carismática dama, como é conhecida popularmente, é alvo de críticas, tanto em casa como no estrangeiro, pela lentidão nas mudanças para avançar rumo a uma democracia real e pela forma como vem administrando os conflitos étnicos. A reprovação mais visível chegou na semana passada, quando um grupo de 23 ativistas, entre os quais meia dúzia de prêmios Nobel da Paz, honraria que a própria Suu Kyi recebeu em 1991, assinaram uma carta na qual recriminavam a inação do Governo birmanês diante da "limpeza étnica e os crimes contra a humanidade" sofridos pela minoria muçulmana rohingya, massacrada pelo Exército, sem que se permita a entrega de ajuda humanitária a eles.

A dirigente política sugeriu há alguns meses que se deixe de utilizar o termo rohingya ou bengali nas referências a este grupo para, segundo ela, "facilitar uma solução pacífica e sensível aos problemas do país". No entanto, para muitos este gesto mostra que Suu Kyi cerrou fileiras com a linha dura do nacionalismo budista, que considera que os rohingya, apesar de viverem há gerações em Mianmar, devem continuar sendo tratados como imigrantes ilegais vindos de Bangladesh e não podem fazer parte das 135 etnias reconhecidas neste país de maioria budista. A atual ministra não se pronunciou em maio de 2015 quando centenas deles se afogaram no mar, abandonados pelas máfias que prometiam levá-los à Malásia para escaparem da perseguição.

O silêncio é especialmente flagrante por se tratar de uma ativista venerada mundialmente, durante anos, por sua firme resistência à Junta Militar que governava o país desde 1962. No final dos anos oitenta, Suu Kyi (Yangun, 1945) deixou o conforto de Oxford, onde vivia com seu marido, o professor britânico Michael Aris, e os dois filhos para se unir ao protesto que exigia o fim da ditadura militar. Seu envolvimento na luta começou de modo acidental porque seu objetivo ao voltar era cuidar de sua mãe doente. Filha única do herói da independência birmanesa Aung San, ela se uniu às manifestações e se tornou rapidamente um símbolo da resistência e luta pelos direitos humanos inspiradas nos movimentos pacíficos como o de Mahatma Gandhi. As mobilizações foram reprimidas violentamente pelos soldados. Suu Kyi pagou seu desafio com 15 anos de prisão domiciliar (em vários períodos, até 2010), isolada do mundo exterior, com exceção de um pequeno rádio e algumas visitas autorizadas. Durante esses anos sua história ultrapassou fronteiras e se popularizou a ponto de Bono, o vocalista do U2, escrever uma canção sobre ela (Walk on).

Anos de pressão levaram a Junta a convocar eleições em 1990. O partido da dama (a Liga Nacional da Democracia, fundado por ela em 1988) ganhou por ampla maioria quando ela se encontrava sob prisão domiciliar. Mas os militares não aceitaram os resultados e se mantiveram no poder. Em novembro de 2105 foram novamente realizadas eleições livres que deram a vitória à legenda política de Suu Kyi.

A Junta aceitou dessa vez os resultados, mas com limitações. Em uma artimanha para mantê-la afastada do poder, os militares incluíram uma cláusula na Constituição que estipula que o chefe de Estado não pode ter nenhum familiar estrangeiro, o que deixa Suu Kyi fora da presidência. Além disso, continuam mantendo o controle dos ministérios do Interior e Defesa, e o domínio sobre as fronteiras. Não obstante, e embora seja só ministra de Relações Exteriores, ela é considerada a verdadeira dirigente do país. O presidente, Htin Kyaw, e ela são muito próximos. A formação do novo Governo, o primeiro democrático, em 30 de março, foi vista como um exemplo extraordinário de transição pacífica para a democracia.

As expectativas colocadas em Suu Kyi eram tão elevadas quanto difíceis de satisfazer. Ninguém duvidava que teria de fazer malabarismos para combinar idealismo e pragmatismo em um país que conta com uma boa lista de problemas. A gestão da economia se deparou com algumas críticas. Alguns analistas consideram que Suu Kyi não está pondo em andamento as reformas necessárias com o empenho suficiente, enquanto outros destacam que um país cuja infraestrutura econômica e de transporte data da época colonial requer mudanças planejadas com calma, e não apressadas. Apesar da lenta arrancada das tarefas do Governo, o Banco Mundial prevê que houve um crescimento de 7% entre 2015 e 2016, um dos mais robustos de toda a Ásia. O prognóstico para o exercício seguinte é de aceleração de 7,8%.

As dúvidas sobre a gestão da dama quase não abalaram sua popularidade em Mianmar, onde é amplamente admirada e seguida. Mas sua imagem no exterior está sendo prejudicada pelos abusos cometidos pelo Exército contra os rohingya (a maioria da população apoia o Governo nesta questão). A ofensiva do Exército é a mais sangrenta desde 2012, quando a violência obrigou milhares de pessoas a viverem em acampamentos de deslocados de suas casas.

O Governo de Suu Kyi nega as acusações das ONGs que denunciam a cruel ofensiva do Exército e qualifica algumas delas como "fabricações". Ao mesmo tempo, proibiu a entrada na região de jornalistas independentes e observadores dos direitos humanos. O brilho da dama se apagou aos olhos da comunidade internacional. Foi "uma decepção", ressaltam na carta endossada pelos prêmios Nobel, entre os quais o arcebispo sul-africano Desmond Tutu e a ativista paquistanesa Malala Yousafzai.

MAIS INFORMAÇÕES