Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Morre Shimon Peres, o último dos fundadores do Estado de Israel

Ex-presidente percorreu durante 70 anos toda a escala do poder e era o rosto amável de Israel

Shimon Peres durante uma entrevista em Madri, em 1988.

Ninguém é profeta na sua terra, e muito menos numa terra de profetas. Internamente, Shimon Peres foi líder moderado de centro-esquerda que perdia eleições para representantes da direita nacionalista mais dura, como Menachem Begin (em 1977) e Benjamin Netanyahu (em 1996). No resto do mundo, foi o negociador de lábia floreada, que convenceu Charles de Gaulle a vender a Israel o seu primeiro reator nuclear (em 1959); o refinado diplomata que contribuiu para forjar os Acordos de Oslo com os palestinos e que compartilhou o Nobel da Paz com Yitzhak Rabin e Yasser Arafat (em 1994). Durante quase sete décadas, percorrendo toda a escala do poder no Estado judeu, Shimon Peres (nascido Perski, em 1923, em território polonês hoje pertencente a Belarus) teve tempo de sobra para constatar que sempre é possível aprender com os erros. Foi o rosto amável de Israel.

Na madrugada desta quarta-feira deixou de pulsar o coração do último fundador de Israel, membro da elite juvenil que o patriarca David Ben Gurion, primeiro chefe de Governo após a independência, em 1948, escolheu para dar forma à nova nação, depois que a ONU aprovou a partilha da Palestina sob administração britânica. Naquela época Peres já comprava as armas para o Haganah, o embrião das chamadas Forças de Defesa de Israel.

Em janeiro deste ano, foi hospitalizado por causa de um ataque cardíaco. Há uma semana, um violento derrame cerebral o deixou às portas do coma, levando à sua morte nesta madrugada.

É difícil não encontrar seu rastro em praticamente todos os capítulos da história contemporânea israelense, que protagonizou desde o nascimento desta nação. O atual chefe de Governo, Netanyahu, e o ex-primeiro-ministro Ehud Barak se viram na obrigação de lhe abrir espaço no palco de um cinema de Jerusalém depois da estreia do filme Sabena, que descreve a operação executada no aeroporto de Tel Aviv em 1972 para pôr fim ao sequestro de um avião dessa companhia aérea belga. Netanyahu e Barak eram jovens oficiais dos comandos que participaram da invasão, sob as ordens do mítico ministro da Defesa Moshe Dayan. E Peres? Ele era o habilidoso ministro dos Transportes que negociava nos bastidores para que os militares pudessem agir à vontade. O veterano político não se levantou da poltrona e cedeu o palco à seguinte geração de líderes israelenses.

O então chanceler Shimon Peres (esq.) cumprimenta o presidente da Organização para a Libertação da Palestina, Yasser Arafat (dir.), durante a assinatura do acordo de paz do Oriente Médio de Washington, em 1993. ver fotogalería
O então chanceler Shimon Peres (esq.) cumprimenta o presidente da Organização para a Libertação da Palestina, Yasser Arafat (dir.), durante a assinatura do acordo de paz do Oriente Médio de Washington, em 1993. Reuters

FOTOGALERIA| A vida de Shimon Peres, em imagens

Apesar dos reveses da política fratricida do Estado judeu, Peres manteve sua cadeira parlamentar por mais de 48 anos quase ininterruptos. Foi primeiro-ministro em duas ocasiões (1984-86 e 1995-96). Titular recorrente da chancelaria, ocupou também vários outros ministérios, entre dezenas de cargos graduados, incluindo as pastas de Defesa e Finanças. Encerrou sua carreira como chefe de Estado, entre 2007 e 2014, mas mesmo depois disso manteve uma atividade pública à frente do Centro pela Paz que leva seu nome, com o objetivo de estreitar os laços entre israelenses e palestinos.

Desembarcou com a família na Terra Santa no começo da década de 1930, fugindo da ameaça do nazismo que já se abatia sobre o Leste Europeu. Os parentes que permaneceram na Polônia natal foram todos exterminados no Holocausto. Àquela altura ele já havia ingressado num kibutz (fazenda coletiva) e, depois de combater na Guerra de Independência (1948-49), foi enviado aos Estados Unidos para concluir sua formação. Voltou a Israel em 1952, como subdiretor geral do Ministério de Defesa. Responsável pela compra dos caças Mirage para a aviação de combate, contribuiu para incrementar a superioridade aérea do seu país na Guerra dos Seis Dias (1967). Graças às suas boas relações com a França, conseguiu dar início a um programa nuclear que fez de Israel a única potência atômica – nunca oficialmente declarada – do Oriente Médio.

Discípulo direto de Ben Gurion, Peres girou quase sempre em torno da órbita do trabalhismo, chegando a disputar, com pouco sucesso, a liderança partidária contra ex-chefes do Estado-Maior, como Dayan. Parecia pisar em terreno mais firme quando se envolvia em negociações secretas nas capitais ocidentais ou árabes do que ao participar dos cruentos conflitos pelo poder interno. Depois do assassinato de Yitzhak Rabin, em 1995, e da decomposição da esquerda israelense, procurou espaço no centro político, sob os auspícios de outro ex-general linha-dura, Ariel Sharon.

Como nono presidente de Israel, afastou-se dos papéis meramente cerimoniais e tentou, a partir de 2009, agir como contrapeso ao viés autoritário do conservador Netanyahu. “Se deixarmos de ser democráticos, deixaremos de ser judeus”, declarou ele numa entrevista ao EL PAÍS em 2010.

Três anos depois, em plena campanha para as eleições legislativas, Peres recebeu uma delegação de jornalistas espanhóis, entre os quais se encontrava este correspondente. Durante uma hora, falou com franqueza e passou uma descompostura no Governo de Netanyahu. Mas sua assessoria de imprensa proibiu que suas palavras fossem publicadas, “para não interferir no processo político em curso”.

O nonagenário presidente já havia entrado para a história, embora continuasse tentando em vão manter um discurso ativo na política do dia a dia. Seu desaparecimento põe fim à geração de líderes que há 68 anos colocaram de pé o novo Estado de Israel, autor de enormes feitos, protagonista de tantos conflitos.

MAIS INFORMAÇÕES