Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Emmy consagra ‘Game of Thrones’ como a série da década

Drama fantástico se torna a série mais premiada da história

O elenco de ‘Game of Thrones’.

Há uma razão pela qual, no primeiro minuto da cerimônia do Emmy, Jimmy Kimmel disse sobre o palco: “Se no seu programa não tem dragão nem uma [caminhonete] Bronco branca, pode ir para casa já”. Nas outras categorias foi mais disputado, mas Game of Thrones e The People vs. O.J. Simpson são os dois fenômenos do ano, e assim reconheceu a Academia de Televisão. A 68º edição do prêmio Emmy, entregue neste domingo em Los Angeles, teve caras novas entre os ganhadores, algo difícil na televisão, ao mesmo tempo em que confirmou o reinado do drama fantástico da HBO.

Poucos se atreveriam a contestar agora que Game of Thrones seja a série da década. É a atração que ampliou o domínio da HBO nos grandes dramas televisivos, que vem desde o século passado, com The Sopranos. Ela está por mérito próprio nessa vitrine que a família de mafiosos divide com The Wire,Breaking Bad e Mad Men. Os 38 Emmys acumulados em seis temporadas fazem dela a série mais premiada da história, superando Frasier. Seu virtuosismo técnico lhe rendeu 106 indicações até agora. Só duas vezes, no ano passado e neste, ganhou o prêmio de melhor série dramática, o grande reconhecimento dado ao produto como um todo. O recorde na categoria maior do Emmy, com quatro prêmios, continua sendo dividido entre Hill Street Blues, L.A. Law, The West Wing e Mad Men.

Esta edição do Emmy se permitiu mostrar caras novas ao público. Dois atores indicados pela primeira vez levaram as categorias principais em drama. Rami Malik, por Mr. Robot, e Tatiana Maslany, por Orphan Black, deixaram plantados em seus assentos os Underwood de House of Cards, Cookie de Empire, o casal de The Americans e a agente Carrie Mathison de Homeland.

Nas categorias de comédia, Netflix e Amazon, agora transformados em gigantes do setor audiovisual, deixaram rapidamente seu rastro na cerimônia, com dois prêmios de peso. Jill Solloway ganhou o troféu de direção por Transparent, história autobiográfica de um pai de família que se revela como transexual depois dos 60 anos. Jeffrey Tambor obteve seu segundo prêmio consecutivo pelo papel de Maura Pfefferman em Transparent. Aziz Anzari e Alan Yang levaram o prêmio de melhor roteiro em comédia por Master of None, a comédia romântica urbana deste ano. Nenhuma delas pôde com Veep, que é mais uma vez a comédia do ano. A HBO ficou com os dois maiores prêmios da noite, em drama e comédia.

Julia Louis-Dreyfus, com o prêmio por 'Veep'.
Julia Louis-Dreyfus, com o prêmio por 'Veep'. EFE

Menção à parte merece Julia Louis-Dreyfus, com seu quinto Emmy consecutivo pelo papel de Selina Meyer em Veep. Louis-Dreyfus conseguiu neste domingo o status de lenda com essa estatueta. Empata com Candice Bergen (Murphy Brown) em número de Emmys por um mesmo papel. Ganhou oito em 22 indicações.

The People Vs. O.J. Simpson: American Crime Story, que na Espanha será oferecido pela Netflix no começo de 2017, é um dos fenômenos televisivos do ano nos Estados Unidos, especialmente em Los Angeles. A estupenda dramatização em 10 capítulos do julgamento de O.J. Simpson, ex-jogador de futebol americano acusado de matar a ex-mulher, teve um grande impacto numa cidade onde todos os envolvidos na história são famosos e onde todo mundo se recorda exatamente o que estava fazendo quando as câmeras de televisão mostraram ao vivo a caminhonete Bronco de Simpson sendo perseguida numa rodovia. Sarah Paulson foi à cerimônia na companhia da promotora Marcia Clark, a quem interpreta. As 22 indicações, apenas uma a menos que Game of Thrones, dão uma ideia do êxito desta produção do canal pago FX.

Paulson levou o Emmy por sua interpretação da promotora Clark. Courtney B. Vance, o de melhor ator em minissérie por interpretar o principal advogado de Simpson. Sterling K. Brown ganhou pelo papel de promotor adjunto. Também tinham sido indicados Cuba Gooding Jr, pelo papel de Simspon, e David Schwimmer e John Travolta como advogados. Não havia competição. The People vs OJ Simpson acabou ganhando o prêmio de melhor minissérie do ano, um gênero ao qual só faltou o prêmio de direção.

John Travolta e Sterling K. Brown com dois dos prêmios de ‘The People vs. O.J. Simpson’.
John Travolta e Sterling K. Brown com dois dos prêmios de ‘The People vs. O.J. Simpson’. AFP

O britânico John Oliver ganhou, com seu telejornal irreverente, o prêmio de melhor programa de variedades frente aos clássicos late night shows de Kimmel, James Corden e Jimmy Fallon. The Voice é, uma vez mais, o melhor concurso da televisão (quem recebeu o prêmio foi o produtor de The Apprentice). Key and Peele tirou de Saturday Night Live o prêmio de melhor programa de esquetes.

Em meio a uma campanha eleitoral que pode ser considerada a mais televisiva da história dos Estados Unidos, a política teve seu lugar na cerimônia. Durante o vídeo inicial, Jimmy Kimmel tenta pegar carona na caravana presidencial da presidenta Selina Meyer, de Veep. Quando lhe dizem que pode ir no assento dianteiro da limusine, descobre que o motorista é Jeb Bush. O de verdade, com boina de chofer. “Você é um dos indicados, não é? Como é isso?”, diz Bush a Kimmel. Bush, o homem que todo o establishment dava como indicação certa dos republicanos para a presidência, foi arrasado pela candidatura de Donald Trump. “Se fizer uma campanha positiva, no final os eleitores tomarão a decisão correta”, diz Bush no vídeo. A seguir acrescenta: “É uma brincadeira”.

O magnata imobiliário transformado em líder da direita teve seu lugar no monólogo de Kimmel, que apontou na plateia o produtor Mark Burnett, de The Apprentice, o reality show que tornou Trump famoso nos Estados Unidos. Kimmel responsabilizou-o diretamente por Trump estar na corrida presidencial. “Se Trump ganhar e construir aquele muro, Burnett será o primeiro que atiraremos para o outro lado”. Ainda haveria mais referências a Trump, e a atriz Kate McKinnon, ao receber seu prêmio, agradeceu a Hillary Clinton, que imita no Saturday Night Live e que foi seu grande sucesso desta temporada.

No ano passado, Andy Samberg fez uma divertida apresentação em que precisava passar meses isolada num esconderijo para poder ver todos os programas indicados. O público já percebeu que a televisão é infinita, que não se pode ver tudo e que os programas de sucesso devem sua popularidade a algum motivo e são esses os que vale a pena assistir. Além disso, podem ver esses programas quando e onde quiserem. Não existe mais o conceito de perder algo na televisão. Nesse cenário, prêmios de televisão como o Emmy ou o Globo de Ouro se tornaram alavancas promocionais, ganhando uma importância que antes não tinham.

Os prêmios de televisão têm um problema em sua maior virtude. Os bons programas duram anos e vão acumulando públicos fiéis que gostam de vê-los premiados a cada ano. Ao mesmo tempo, ao contrário dos prêmios de cinema ou de música, os de televisão transmitem uma sensação de repetição. Julia Louis-Dreyfuss melhor atriz? Já li isso antes. Sim, precisamente cinco vezes. Premiar as novas ideias em televisão e ao mesmo tempo reconhecer os grandes programas que cativam a audiência durante anos é o grande desafio dessas cerimônias. O Emmy será criticado de qualquer forma: premiando ou não os de sempre. Neste domingo, mais uma vez se demonstrou que, em televisão, premiar o melhor e surpreender é quase impossível. Quase.

MAIS INFORMAÇÕES