Rio 2016

Temer reduz seu discurso na abertura da Olimpíada a 10 segundos e é vaiado

Estratégia de redução de danos do presidente interino não o livrou do constrangimento no Rio

O presidente interino, Michel Temer, declara abertos os Jogos do Rio de Janeiro.
O presidente interino, Michel Temer, declara abertos os Jogos do Rio de Janeiro. AP

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro foram oficialmente abertos por uma cerimônia de quatro horas e um discurso de menos de dez segundos. Michel Temer, presidente interino do Brasil, cumpriu com sua obrigação e anunciou o início da Olimpíada, mas mas o fez com uma única frase: "Depois desta maravilhosa festa, declaro inaugurados os Jogos Olímpicos de Rio, que se celebram na trigésimo primeira olimpíada da era moderna"- cujo final mal se escutou por causa das vaias. O conservador Temer ostenta a presidência enquanto se decide o futuro político da presidenta eleita, Dilma Rousseff, afastada do poder por um processo de impeachment que ainda terá seu capítulo final neste mês. Enquanto isso, ele e seu Governo arrastam uma aprovação de 14%.

As poucas palavras do presidente interino puseram fim a semanas de grande especulação no Brasil sobre como e quando Temer enfrentaria uma arena como o Maracanã. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a organização planejava subir o volume da música ou lançar mão de algum efeito sonoro para abafar o som das vaias. À tarde,  o Rio de Janeiro já havia registrado protestos contra o Governo. Chegada a noite, as redes sociais debatiam se Temer se atreveria a falar. Que ele passasse a cerimônia não na primeira fila, mas num assento algo apartado e por trás do presidente do COI, Thomas Bach, dificilmente ao alcance das câmeras, não ajudou a acalmar os rumores. Também não  ajudou que ele resolvesse pular uma parte do roteiro previsto no guia da cerimônia distribuído aos jornalistas para aparecer só ao final de tudo.

A festa não teria como ser cômoda para Temer. Dilma Rousseff declinou o convite - e se manifestou amargamente no Twitter nesta sexta. O mentor dela, o também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também não foi, assim como outros ex-mandatários. Temer estrelou uma das cerimônias com menos chefes de Estado da história recente: só 45 presidentes ou chefes de Estado dos aíses participantes dos Jogos foram (menos da metade de Londres 2012). Também não foram vários mandatários sul-americanos, aliados históricos do Partido dos Trabalhadores de Dilma Rousseff, por medo a legitimar com sua presença o Governo interino. Se a estratégia de redução de danos diminuiu a duração da vaia, o ecos da rejeição se fizeram sentir em outros campos. Nos bastidores, uma das estrelas da festa, Caetano Veloso, se fez ver nas redes sociais com um cartaz "Fora, Temer".