Seleccione Edição
Login
Login ¿No tienes cuenta? Cadastre-se Assine

Baixa recorde nos preços do petróleo afunda as contas das gigantes da indústria

As maiores empresas do planeta diminuem seus ganhos por causa da queda nos preços

A indústria petroleira enfrenta uma nova realidade na qual cada dólar, cada libra esterlina e cada euro conta. Já vai longe a bonança de 18 meses atrás, quando o barril de petróleo era negociado a mais de 100 dólares em ambos os lados do Atlântico – um preço que agora parece impossível a médio prazo – e quando era rara a semana em que não se anunciava uma operação corporativa ou uma nova prospecção milionária. Hoje, é preciso apertar os cintos: se a reta final de 2015 foi complexa, os executivos da indústria dão como certo o fato de que este ano também não haverá margem. E isso os obriga a aprender a viver abaixo dos 50 dólares.

A queda do petróleo e do gás natural desferiu um duro golpe em todas as grandes empresas do setor petroleiro, sem exceções. “O excesso de petróleo faz os preços caírem e nossos resultados financeiros sofrerem”, afirmou recentemente John Watson, diretor-executivo da Chevron. Para a companhia, a segunda energética dos Estados Unidos em termos de vendas (122,6 bilhões de dólares), a crise tomou forma com as primeiras perdas trimestrais desde 2002. Naquele ano, o petróleo era comercializado a apenas 25 dólares o barril.

No Brasil, a Petrobras sofre as consequências dessa nova realidade, que vem se somar ao processo de investigação sobre corrupção que a petroleira encara desde 2014. O plano de expansão até 2019 foi revisto e a empresa deve cortar em quase 25% os investimentos – de 130,3 bilhões de dólares (529 bilhões de reais) a 98,4 bilhões (400 bilhões de reais – até lá. O presidente da Petrobras, Aldemir Bendiner, admite que a empresa ficará menor diante de tantos desafios, mas confia na recuperação dos preços da comodity no longo prazo.

No final de 2015, a Chevron viu como 4 bilhões de dólares se evaporaram de seus cofres em apenas um ano: de faturar quase 3,5 bilhões de dólares, passou a perder 590 milhões de dólares. O golpe puxou para baixo os lucros anuais, que ficaram em 4,59 bilhões de dólares. O que a salvou foram as atividades de refino, assim como ocorreu com a ExxonMobil – sua maior rival e primeira petroleira do mundo em capitalização em Bolsa. Diante da queda do preço do petróleo, a demanda por combustível cresceu e compensou parcialmente as fortes perdas sofridas pelas unidades de extração, apesar do aumento da eficiência (as milhas percorridas pelos motoristas norte-americanos subiram 4% no último ano).

No último ano, a gigante ExxonMobil caiu 15% na Bolsa e reduziu seus ganhos pela metade. O golpe, novamente, foi especialmente considerável no quarto trimestre, quando o barril passou da barreira psicológica dos 40 dólares e provocou perdas de 1,1 bilhão de dólares em seu negócio de produção nos Estados Unidos. O impacto foi ainda maior para a ConocoPhillips, a terceira petroleira em desacordo no mercado norte-americano, que perdeu 4,43 bilhões de dólares no último ano frente aos ganhos de 6,87 bilhões de dólares em 2014.

As declarações de rendimentos das petroleiras também perderam brilho do outro lado do Pacífico, onde a PetroChina – a terceira maior do mundo em vendas – acaba de anunciou um corte entre 60% e 70% em seus ganhos por uma única razão: a queda dos preços do petróleo e do gás. Na Europa, apesar de os motivos dos declínios serem mais variados, os golpes no faturamento também tem sido consideráveis e generalizados: a britânica BP obteve, em 2015, seu pior resultado em duas décadas, presa também pelas despesas relacionadas com o desastre ocorrido no Golfo do México em 2010; a anglo-holandesa Shell viu seu faturamento despencar quase 90%; e a espanhola Repsol perdeu 1,2 bilhão de dólares por causa das previsões derivadas do drástico barateamento do barril. A gigante francesa Total apresentará suas contas na próxima quinta-feira e poucos esperam boas notícias.

O plano de expansão da Petrobras até 2019 foi revisto e a empresa deve cortar em quase 25% os investimentos

Diante de um cenário cada vez mais obscuro, a receita da indústria petroleira tem sido meter a tesoura nos gastos de capital, colocar em quarentena o dividendo e tentar melhorar a eficiência na exploração e na produção. “Vai levar tempo até o mercado se estabilizar; deve haver um reequilíbrio de gastos operativos nas petroleiras”, aponta Dan Yergin, da consultoria especializada IHS.

Ceticismo

Mas nem assim as energéticas conseguiram escapar do radar das agências de classificação, cada vez mais “hostis”, nas palavras de Paul Cheng, analista do Barclays. A Standard & Poor’s qualificou como “insuficientes” essas medidas e rebaixou a nota de crédito de uma dezena de empresas norte-americanas, entre elas a Chevron. A ExxonMobil evitou o corte, mas recebeu um alerta severo ao ser colocada sob vigilância com “consequências negativas”. Na prática, isso significa que a companhia corre o risco de perder a nota AAA.

Já a Moody’s colocou sob revisão o equivalente a 540 bilhões em dívidas de petroleiras globais, após reduzir para 33 dólares o preço médio do barril em 2016. “A pressão está sendo enorme até mesmo em um cenário de recuperação modesta de preços”, adverte a agência. As grandes empresas europeias, inclusive a Repsol, tampouco escapam do crivo. E isso, segundo todos os analistas, é apenas o começo.

A nota da Petrobras foi rebaixada três vezes pela Moody’s ao longo de 2015 e pode ser rebaixada novamente. A piora das condições da indústria do petróleo, o alto endividamento e a preocupação com as investigações em curso relacionadas à Operação Lava Lato pesaram na decisão da agência.

Colaborou Carla Jimenez, de São Paulo

MAIS INFORMAÇÕES