Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

As mulheres estudam mais e continuam ganhando menos no Brasil

A vida das mulheres no Brasil continua complicada quando o assunto é vida profissional

As mulheres estudam mais e continuam ganhando menos no Brasil
Agência Senado

As mulheres brasileiras estão estudando mais que os homens. Mesmo assim, seguem ganhando menos que eles. É o que mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2014, realizada pelo IBGE, divulgada nesta sexta-feira. Segundo os dados, coletados no país todo ao longo do ano passado ouvindo 363.000 pessoas, de maneira geral, o número médio de anos de estudos no Brasil subiu de 6,5 em 2004 para 7,7 no ano passado. Esse crescimento se dá principalmente pelas mulheres, que estudam em média oito anos, frente aos 7,5 anos dos homens.

Apesar de dedicar mais tempo de vida aos estudos, as mulheres continuam ganhando menos que os homens. A pesquisa aponta que elas são a maioria entre os que ganham entre um e dois salários mínimos (entre 788 e 1.576 reais). Na categoria até um salário, elas representam 30,6% da população. Os homens, por sua vez, são 21,5%. Elas também mantêm a dianteira nos trabalhos remunerados com até dois salários (33,5% contra 32,9% no caso masculino) e vão perdendo espaço à medida que o rendimento aumenta. Na faixa de 3 a 5 salários, por exemplo, as mulheres são 6,9% da população, enquanto o universo masculino é de 10,5% (o total no Brasil para essa faixa de renda é de 8,9%).

No topo da pirâmide, ou seja, 0,7% da população brasileira que ganha acima de 20 salários mínimos, as mulheres são 0,4% e os homens são 0,9%.

No cômputo geral do nível de ocupação apurado pela PNAD por gênero, 73,7% da população masculina está trabalhando. Esse porcentual cai para 51,2% quando se trata da população feminina. A maternidade, o acesso a empregos mais precários e informais são parte da explicação para essa diferença.

A PNAD trouxe ainda os dados sobre desigualdade no Brasil. No ano passado a diferença de ganhos entre o topo e a base da pirâmide continuou em queda. A tendência se manteve principalmente pelo aumento da renda da população mais pobre e a diminuição do rendimento dos mais ricos. Na contramão, a região Sudeste, a mais rica do país, mostrou uma alta no nível de desigualdade em 2014.

O resultado nacional se refletiu no índice de Gini, que mede a distribuição da renda de todos os trabalhadores, permaneceu numa trajetória decrescente, porque os 20% que ganham menos tiveram aumento no rendimento, enquanto os 10% que ganham mais aumentaram os ganhos em velocidade menor, segundo o IBGE. O indicador passou de 0,495 para 0,490 em 2014. Na escala do índice, quanto mais longe de 1 melhor é a distribuição da renda, o zero seria a perfeita igualdade.

A renda familiar da população brasileira com menor renda per capita tiveram aumento real de 6,2% (146 reais para 155). Já os domicílios pertencentes aos 10% mais ricos tiveram aumento menor, de 2,1% (de 5.076 reais para 5.183 reais).

Enquanto a média do país viu a distância entre ricos e pobres diminuir, o Sudeste viu a desigualdade aumentar. Ela passou de 0,475 em 2013 para 0,478. A região foi a única que apresentou alta do índice. Segundo o IBGE, isso ocorreu porque não houve ganho na parcela dos 10% mais pobres da população no Sudeste, o que já pode sinalizar os primeiros efeitos da recessão da economia brasileira. A parcela mais pobre da população brasileira teve uma renda média de trabalho de 430 reais no Brasil em 2014, 0,7% menor que 2013.

O Nordeste continua sendo a região brasileira mais desigual do país –seu índice de Gini foi de 0,501, acima da média nacional (0,490). A região, no entanto, foi a que mais reduziu a desigualdade no período.

MAIS INFORMAÇÕES