Seleccione Edição
Login
Login ¿No tienes cuenta? Cadastre-se Assine

O mercado financeiro celebra a onda Marina Silva

A Bolsa de Valores subiu com a pesquisa, e os agentes econômicos já dão como certa a vitória da candidata do PSB

Marina durante ato de campanha em São Paulo. REUTERS

O Brasil dormiu Dilma Rousseff e acordou Marina Silva nos últimos dias com a reviravolta nas pesquisas eleitorais. A pesquisa do instituto Ibope de quarta-feira, que revelou um salto no número de seus potenciais eleitores, virou o humor o país. Marina, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), tem 29% das preferências, a petista Dilma tem 34%, enquanto Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), 19%. Se nas redes sociais se estabeleceram os debates contra e a favor do avanço da ambientalista, na Bolsa de Valores de São Paulo ela já é tida como a próxima titular no Palácio do Planalto. A bolsa fechou nesta quarta-feira em 60.950 pontos, seu melhor resultado desde janeiro de 2013. Os analistas atribuem o desempenho à divulgação da pesquisa eleitoral, que colocou Marina num movimento ascendente, com capacidade de bater Rousseff no segundo turno. “A Marina é o nosso Obama”, diz Tony Volpon, chefe de Pesquisas para Mercados Emergentes da Nomura Securities.

A comparação com o presidente dos Estados Unidos diz respeito à eleição dele em novembro de 2008, quando os Estados Unidos começavam a ver o fim do sonho americano da opulência financeira, e buscavam uma nova referência. “A Marina está com esse impulso de capitalizar o sentimento de mudança no Brasil. Ela está se colocando como uma agente de mudanças segura e confiável”, completa Nomura. Isso porque em suas aparições como candidata oficial, desde a semana passada, ela tem deixado claro que vai respeitar os compromissos assumidos por Eduardo Campos.

E porque as pessoas que colaboram com o seu programa de Governo, como o economista Eduardo Gianetti da Fonseca, têm falado a linguagem das finanças. Nesta segunda-feira, Fonseca concedeu uma entrevista ao jornal Folha de S. Paulo anunciando que a equipe de Marina vai restabelecer o tripé macroeconômico [câmbio flutuante, meta de inflação e disciplina fiscal], estabelecido no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, que perdurou até o primeiro governo Lula e, ainda, que vai reduzir o teto da meta inflacionária.

A Marina é o nosso Obama

Tony Volpon, da Nomura Securities

Dar esse norte para o futuro é saciar a fome de previsibilidade do mercado financeiro. Assim, ao mesmo tempo que Marina capta a insatisfação dos mais desiludidos com a política –jovens e indecisos– a sua candidatura cativa os economistas. O mercado financeiro, entretanto, pode até reagir com oscilações nos índices de bolsa, ou alta do câmbio, como aconteceu durante o primeiro mandato do Governo Lula, quando o dólar, hoje em 2,26 reais, chegou a 4 reais pelo temor de mudanças radicais no cenário. Era o trauma da passagem de Fernando Collor de Mello, que confiscou a poupança em 1990. O PT foi obrigado a escrever uma cartilha de combinados, a Carta ao Povo Brasileiro, anunciando as diretrizes do governo que previa, por exemplo, o respeito às regras já estabelecidas.

Zeina Latif, economista chefe da XP Investimentos, diz que a verdade é que o mercado financeiro não tem ideologia. “Num cenário, em que Dilma ganhe e ela anuncie que fará um governo indicando um determinado ministro, e que faria uma gestão parecida com o do primeiro governo Lula, o mercado ia celebrar”, diz Latif.

Quanto mais clara a sinalização de que haverá ajuste de contas públicas, e as preocupações para o controle de inflação, maior o apoio. Por isso, havia um bom humor com Aécio Neves, esclarece a economista da XP Investimentos. “Ele já tem um time mais definido, já sabe quem será ministro, quem será o nome para a pasta da Fazenda, e assim por diante”, completa Latif.

Curiosamente, uma pesquisa informal, elaborada pelo jornal Valor Econômico, num evento com empresários na noite de segunda-feira, mostrou que se o eleitorado fosse composto somente pelos empresariado, Aécio Neves, candidato do PSDB, venceria de cara no primeiro turno, com quase 70% dos votos, enquanto Rousseff teria 14%, e Marina Silva, 12%. Neste caso, o setor empresarial se mostra mais conservador que o mercado financeiro em apoiar a candidata do PSB porque Silva ainda não detalhou seu programa de Governo e não se sabe exatamente como ela vai operar diante da necessidade, por exemplo, de aumentar investimentos ou de ampliar os acordos internacionais.

Tivemos muitos embates enquanto trabalhamos juntos, mas sempre acabamos em acordos. E ela [Marina] está muito mais aberta hoje do que naquele tempo

Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura

Já o mercado do agronegócio se mostra dividido diante da nova perspectiva eleitoral. Roberto Rodrigues, por exemplo, ex-ministro da Agricultura de Lula, que trabalhou ao lado de Marina, quando ela era titular da pasta de Meio Ambiente, confia que a presidenciável do PSB respeitará os compromissos firmados por Eduardo Campos. “Eu mesmo estive em várias reuniões dele com lideranças rurais e ele foi muito claro e positivo, defendendo a importância do agronegócio. Mas que fosse feito com sustentabilidade”, conta Rodrigues.

O ex-ministro da Agricultura diz que conhece muito bem o estilo de Marina Silva, e embora haja desconfianças sobre a sua postura, ele acredita que a presidenciável se rende fácil ao diálogo e à negociação. “Tivemos muitos embates enquanto trabalhamos juntos, mas sempre acabamos em acordos. E ela está muito mais aberta hoje do que naquele tempo”, elogia.

A senadora Kátia Abreu, do PMDB do Estado de Tocantins, tida como uma forte porta-voz do agronegócio, entretanto, não esconde suas reservas. Em entrevista recente à revista Época, Abreu disse que a candidata socialista faz da questão ambiental “um dogma, uma religião”. E que Silva “se recusa a dialogar e a abrir sua mente para outras situações que a sociedade demanda”.

Ainda é muito cedo para falar em derrota da presidenta Dilma Rousseff. Apesar de todas as questões econômicas, ela consegue dar respostas

Elizabeth Johnson, da Trusted Sources

Mais imediatista, os investidores de curto prazo captam o movimento do presente, seguindo a popularidade crescente de Marina Silva. Já é dado como certa que uma nova pesquisa que será divulgada neste final de semana terá a presidenciável na frente inclusive de Rousseff. Por isso, o mercado já incorpora “É só ela não tropeçar, não fazer besteira que ela ganha”, avalia Volpon, da Nomura Securities, que tem conversado com pessoas do mundo econômico e político nos últimos dias. “Está difícil encontrar alguém que não acredite na vitória da Marina”, completa.

Elizabeth Johnson, diretora de pesquisa para o Brasil da consultoria britânica Trusted Sources, prefere manter a cautela, mesmo com as mudanças no humor do eleitorado. “Ainda é muito cedo para falar em derrota da presidenta Dilma Rousseff. Apesar de todas as questões econômicas, ela consegue dar respostas”, afirmou.

ampliar foto
Dilma Rousseff durante campanha em Brasília. AFP