Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os nus que preocupam em Machu Picchu

Doze pessoas foram presas no período de um ano dentro do complexo arqueológico por tirarem fotos sem roupa

Imagem retirada da conta do Facebook chamada 'Naked in Monuments'.
Imagem retirada da conta do Facebook chamada 'Naked in Monuments'.

As autoridades culturais e turísticas peruanas contemplam com indignação o que parece ser o nascimento de uma nova moda: posar nu em Machu Picchu, a joia mais preciosa do patrimônio nacional. Na sexta-feira, quatro norte-americanos foram presos dentro do complexo arqueológico por tomar fotos sem roupa. Suas câmeras foram confiscadas, as memórias foram apagadas e eles foram colocados à disposição de um tribunal de paz, segundo informou a agência de notícias Andina. Com eles, já são 12 os detidos pelo mesmo motivo no período de um ano, uma cifra sem precedentes, de acordo com a polícia de turismo de Cusco.

O escândalo, no entanto, vem de antes e estourou com a difusão pela Internet de um vídeo que mostra dois sujeitos correndo sem roupa pelas amplas esplanadas da cidadela inca. “Turistas nus em Machu Picchu” - que pode ser encontrado em várias versões no YouTube- foi visto dezenas de milhares de vezes nas últimas semanas e foi muito comentado em redes sociais e meios de comunicação. Os autores da filmagem, que também eram turistas, riem no vídeo. “Ótimo!”, comenta uma mulher. Mas às autoridades não acharam graça e já anunciaram medidas para impedir que outros tentem a duvidosa façanha que já tem antecedentes, fáceis de encontrar no site.

O israelense Amichay Rab é um dos turistas que tirou fotos totalmente nu e com a cidadela de fundo. Depois publicou uma em seu blog. "Fiz quando não tinha ninguém e com a clareza que é um local sagrado para os peruanos, antes de mais nada, com muito respeito", contou à BBC Mundo.

Embora não se considere um delito, o Ministério da Cultura condenou a prática através de uma nota, na qual ressalta que quem faz este tipo de atitude “só quer aparecer, subvertendo os bons costumes, o respeito e a dignidade”. Também assegura que nos últimos meses se tem redobrado a vigilância em Machu Picchu para controlar os nudistas. “A oportuna intervenção do pessoal da segurança do Santuário impediu que turistas cometessem este tipo de conduta”, esclarece.

Juvenal Cereceda, chefe da Polícia de Turismo de Cusco, admite que nos últimos meses aumentaram as tentativas nudistas em Machu Picchu. “Nós as consideramos uma falta de respeito a uma maravilha do mundo”, diz. Apesar de não ser considerado um delito (os presos são retirados do parque e libertados logo depois), o oficial sugere que se estabeleçam multas para castigar os nudistas.

“Aumentou, possivelmente pelo auge de Internet”, ressalta o oficial, que também precisa que muitas vezes os nudistas invadem zonas restritas dentro de Machu Picchu -como o relógio solar ou a ‘Casa do guardião’- para tirar suas fotos.

Liuba Kogan, socióloga e pesquisadora da Universidade do Pacífico, considera que falar de uma moda nudista é um exagero, quando se leva em conta que mais de um milhão de turistas visitaram Machu Picchu em 2013. Também afirma que as reações indignadas das autoridades são exageradas.

“Eu acho que a ideia destes turistas é entrar em contato com um mundo místico, sobrenatural. De modo geral vêm de países onde a nudez não é má vista. Não têm intenção de ofender, essa é uma interpretação de gente conservadora. O que acontece é que Cusco é bastante conservador. Há que se ver para quem as autoridades falam com seus comunicados”, opina a pesquisadora.