Supremo Tribunal Federal

Decisão do STF sobre repasse de dados deixa brecha que pode beneficiar Flávio Bolsonaro

O uso de um email como canal de troca de informações no caso do senador poderá ser contestado pela defesa

O senador Flávio Bolsonaro durante sessão no Congresso em maio.
O senador Flávio Bolsonaro durante sessão no Congresso em maio.Fabio Rodrigues Pozzebom

O compartilhamento de relatórios de inteligência financeira pela Unidade de Inteligência Financeira (UIF), antigo Coaf, e da íntegra de procedimentos fiscalizatórios da Receita Federal com órgãos de investigação não precisa de prévia autorização judicial, mas as informações só podem ser encaminhadas sob sigilo e por meio de comunicações formais, definiu o Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira.

O entendimento fixado pelo STF, contudo, pode abrir margem para que a defesa do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, tente anular a investigação contra o parlamentar por suspeita de apropriação de salários de servidores do gabinete quando ele era deputado estadual no Rio.

A investigação do Ministério Público fluminense, que tinha sido paralisada desde julho e foi liberada na semana passada após decisão do STF, teve como base um relatório do antigo Coaf. Entretanto, segundo a defesa, o próprio MP reconheceu que chegou a formalizar pedidos de acesso a dados ao Coaf por email.

Ou seja, em tese, o uso de um email como canal de troca de informações — como no caso Flávio Bolsonaro — poderá ser contestado pela defesa.

Nesta quarta, a partir de uma proposta feita pelo ministro Alexandre de Moraes, o Supremo definiu que a troca desses dados entre os órgãos de controle de investigação precisam resguardar “o sigilo das informações em procedimentos formalmente instaurados e sujeitos a posterior controle jurisdicional”.

“O compartilhamento pela UIF e pela Receita Federal do Brasil deve ser feito unicamente por meio de comunicações formais, com garantia de sigilo, certificação do destinatário e estabelecimento de instrumentos efetivos de apuração e correção de eventuais desvios”, fixaram os ministros do Supremo, com base na proposta feita por Moraes.

Exceto Marco Aurélio Mello, todos os demais ministros da corte concordaram com a tese proposta por Moraes. Foi dele o voto vencedor no julgamento do caso do compartilhamento de informações. “O que ela (UIF) não pode fazer é, a partir desse relatório (de inteligência financeira), quebrar sigilos bancário e fiscal. [O órgão] é um banco de dados pré-existentes”, afirmou.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete