Pandemia de coronavírus

O que idosos, pais, mães e gestantes devem saber sobre o coronavírus

O que dizem os especialistas sobre o comportamento do novo coronavírus na população mais velha, em grávidas e crianças e por que ele ataca os pulmões

Crianças usam máscaras de proteção no aeroporto de Barcelona.
Crianças usam máscaras de proteção no aeroporto de Barcelona.NACHO DOCE / REUTERS

A pandemia do coronavírus atingiu nesta sexta-feira mais de 125.000 casos registrados em todo o mundo. No Brasil, 121 casos da doença foram confirmados pelo Ministério da Saúde no sábado. Rio de Janeiro e São Paulo já apresentam caso de transmissão comunitária, ou seja, quando não é possível mais saber a origem da infecção. Por se tratar de um vírus novo (o Sars-Cov-2), muitas perguntas ainda estão sem resposta, assim como a criação de uma vacina e remédios específicos para o tratamento da doença. As estatísticas, porém, já mostram que essa é uma enfermidade com maior letalidade em idosos. E que, diferentemente de outras doenças, aparentemente as crianças não fazem parte do grupo de risco.

“O que sabemos é que a população de risco, que são mais debilitadas, são as que estão entre as idades extremas, ou seja, crianças e idosos”, afirmou o infectologista Jorge Luis dos Santos Valiatti, que preside o Comitê de Insuficiência Respiratória e Ventilação Mecânica da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMBI). “Mas, neste caso, parece que as crianças estão sendo mais poupadas”. O Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos informa que, com base nas evidências, as crianças não aparentam correr mais risco que os adultos. “Enquanto algumas crianças e bebês têm contraído Covid-19, os adultos compõem a maioria dos casos conhecidos até o momento”. Além disso, as crianças com a doença têm outra vantagem, de acordo com o informe: geralmente apresentam sintomas leves. Ainda não há, porém, evidências científicas que mostrem por qual razão isso acontece. “Ainda há muito a ser aprendido sobre como essa doença afeta as crianças”, ressalta o texto.

Com base nos casos registrados por todo o mundo, o Brasil, cuja primeira notificação ocorreu em 25 de fevereiro, tem voltado suas recomendações de maior cuidado para proteger a faixa da população a partir de 50 anos. “Não temos, neste momento, morbidade e letalidade na população jovem, especialmente abaixo dos 50 anos”, afirmou o médico David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus do Estado de São Paulo, na quinta-feira. "Então estamos muito focados nas populações mais vulneráveis, que são idosos”. Números globais mostram que a mortalidade em decorrência do coronavírus é de 15% a 18% nos idosos.

No Brasil, o perfil de pessoas com a doença tem média de idade de 41 anos, mas 49% dos casos confirmados até esta sexta-feira, 13 de março, estão abaixo dos 40 anos. O Ministério da Saúde recomendou que idosos e doentes crônicos comecem a restringir o contato social, principalmente em cidades que já têm transmissão local da doença. Ou seja, com infectados que não têm histórico de viagem ao exterior, mas que tiveram contato com infectados vindos de outros países (atualmente, São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro se enquadram nessas características). Os idosos, recomenda o Governo, devem a partir de agora evitar viagens, cinema shoppings, shows e outros locais de aglomeração.

Guilherme Henn, professor de Medicina da Universidade Federal do Ceará, explica que idosos têm maiores chances de complicações graves em qualquer doença, infecciosa ou não, por duas razões principais. “O primeiro grande motivo é porque o sistema imunológico desse público é mais debilitado. Precisamos de um sistema ativo para combater doenças virais”, diz. “O segundo ponto é que muitos idosos já não têm a saúde dos órgãos tão boa, há mais comorbidades [doenças cardiovasculares, diabetes ou doenças respiratórias crônicas, por exemplo] que trazem complicações clínicas. Todos esses fatores complicam uma doença com potencial de gravidade”.

A recomendação, portanto, é que especialmente pessoas acima de 50 anos evitem se expor. “Se a epidemia vier incisiva, eles devem evitar lugares públicos, grandes aglomerações, porque formam o grupo que pode ter maiores complicações com a doença", diz Juvêncio Furtado, chefe do departamento de infectologia do Hospital de Heliópolis, em São Paulo. "Não quer dizer trancá-los em casa. Mas devem evitar se expor nos próximos dois a três meses porque são mais sensíveis”. A infectologista Rosana Maria Paiva dos Anjos, especialista em saúde pública e professora da PUC São Paulo completa: “É importante, inclusive, evitar visitas a abrigos e asilos. É preciso protegê-los”.

Gestantes

A relação do coronavírus no organismo das mulheres grávidas, que naturalmente apresentam alterações na imunidade durante a gestação, também ainda está cercada de dúvidas. Na última segunda-feira, o Royal College of Obstetricians and Gynaecologists, do Reino Unido, publicou orientações para gestantes, mas também reforçou que, por se tratar de um vírus novo, as informações podem ser revistas a partir do surgimento de novas evidências. De maneira geral, “mulheres grávidas não aparentam ser mais suscetíveis às consequências do coronavírus que o resto da população”.

Além disso, diz o informe que ainda não há evidências de que a doença possa aumentar as chances de aborto ou de partos prematuros. Assim como não há evidências ainda de que o coronavírus possa ser transmitido da mãe para o bebê. “Embora os dados estejam atualmente limitados, é tranquilizador que não há evidências de que o vírus possa passar para o bebê durante a gravidez”, escreve Edward Morris, presidente da associação. O mesmo ocorre para a amamentação: não há evidências de que o vírus possa ser transportado pelo leite materno.

O coronavírus é uma doença que ataca principalmente as vias respiratórias, como explica o médico Jorge Luis dos Santos Valiatti. “A doença provoca diretamente uma alteração na membrana que está entre o alvéolo e o capilar pulmonar, essa membrana é agredida pelo vírus e provoca uma reação inflamatória, levando a uma inflamação dos pulmões”, diz. “A isso chamamos de dano alveolar difuso, e não há tratamento específico por enquanto. O que se utiliza são protocolos clínicos associados a drogas antivirais”.

O médico explica ainda que todo paciente com alguma síndrome respiratória grave deve ser entubado, ou seja, colocado para respirar com aparelhos mecânicos. “Isso já acontece, então não há nenhuma novidade com relação ao coronavírus”, diz. “Temos visto que qualquer tentativa de uma intervenção conservadora [como usar somente máscaras para respirar] não tem se mostrado favorável nesses casos”. A preocupação, no entanto, ocorre justamente no momento de entubar o paciente, já que nessas horas pode ocorrer o contágio para o profissional de saúde, e, se certos critérios não forem obedecidos, o paciente pode inclusive piorar. “Existe um protocolo para não aumentar a lesão provocada pelo ventilador mecânico”, diz. “Se ele for mal ajustado, podemos ainda aumentar a lesão nos pulmões”.

De qualquer forma, os infectologistas lembram que o mais importante agora é tentar controlar a propagação do vírus. “Por fim, cada um deve fazer a sua parte: lavar mais as mãos, espirrar dentro da própria blusa, usar álcool gel, mas com moderação, porque senão você pode acabar ferindo as mãos e abrir o corpo para mais agentes", diz Rosana Paiva. “E lembrar que ainda não é o momento de pânico. Ele pode chegar, mas ainda não estamos lá”.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações