Seleccione Edição
Login
Os rostos dos protestos contra o Governo de Iván Duque na Colômbia

Os rostos dos protestos contra o Governo de Iván Duque na Colômbia

10 fotos

Milhares de colombianos saíram às ruas na última semana, em sua maioria de forma pacífica, para expressar sua insatisfação com a situação do país. Estes são alguns dos protagonistas das manifestações

  • “Como professores, somos líderes sociais, e isso dói. Estou preocupada com a educação, que ao longo dos anos sempre esteve em segundo plano. Para erradicar a guerra, precisamos primeiro nos educar. Protesto pela justiça social, pela humanização de todo o povo colombiano. Peço ao governo que faça realmente um pronunciamento concreto e verdadeiro por todas as injustiças, por todos os estudantes que foram violados, são muitos dias de luta e resistência ”, diz Mayerli Arias, 29 anos, professora de uma escola.
    1“Como professores, somos líderes sociais, e isso dói. Estou preocupada com a educação, que ao longo dos anos sempre esteve em segundo plano. Para erradicar a guerra, precisamos primeiro nos educar. Protesto pela justiça social, pela humanização de todo o povo colombiano. Peço ao governo que faça realmente um pronunciamento concreto e verdadeiro por todas as injustiças, por todos os estudantes que foram violados, são muitos dias de luta e resistência ”, diz Mayerli Arias, 29 anos, professora de uma escola.
  • “Saio para protestar porque meu país dói e sinto que as pessoas precisam ser acompanhadas. Por empatia com a dor das pessoas, por inconformidade. E pelo respeito aos acordos de paz, que é minha conexão maior, precisamos que o governo cumpra o acordo. Eu exijo atitude. Apenas ouvindo não se resolvem as coisas, precisamos de ações concretas. E logo. Isso está em sintonia com o sentimento do povo ”, diz o designer editorial e artista visual Juan Felipe Sanmiguel, 40 anos.
    2“Saio para protestar porque meu país dói e sinto que as pessoas precisam ser acompanhadas. Por empatia com a dor das pessoas, por inconformidade. E pelo respeito aos acordos de paz, que é minha conexão maior, precisamos que o governo cumpra o acordo. Eu exijo atitude. Apenas ouvindo não se resolvem as coisas, precisamos de ações concretas. E logo. Isso está em sintonia com o sentimento do povo ”, diz o designer editorial e artista visual Juan Felipe Sanmiguel, 40 anos.
  • Héctor Fabio Yukuna é coordenador de jovens dos povos indígenas da Amazônia colombiana e, portanto, reflete sobre os protestos: “Dia após dia, os líderes indígenas estão acabando, estão nos matando. Protesto pelos direitos dos povos indígenas, pelo mau Governo, desemprego e desigualdade. É por isso que marchamos povos indígenas por direitos iguais. Exijo que o governo respeite os territórios e respeite a vida".
    3Héctor Fabio Yukuna é coordenador de jovens dos povos indígenas da Amazônia colombiana e, portanto, reflete sobre os protestos: “Dia após dia, os líderes indígenas estão acabando, estão nos matando. Protesto pelos direitos dos povos indígenas, pelo mau Governo, desemprego e desigualdade. É por isso que marchamos povos indígenas por direitos iguais. Exijo que o governo respeite os territórios e respeite a vida".
  • “Protesto pelo desmonte do Esquadrão Móvel Antidistúrbios, que seria minha reivindicação central. Também para implementar dos acordos. Todos nascemos em um contexto de violência, queremos paz com justiça social. O plano é marchar quantos dias forem necessários até alcançarmos o que queremos. Eu venho de lenço verde porque defendo que as mulheres tenham a possibilidade de fazer um aborto se não quisermos ter um filho”, diz a advogada Pilar Peralta, 42. Peralta está acompanhada do filho de 19 anos e carrega uma faixa que diz: "Sou mãe e vou às ruas para lutar".
    4“Protesto pelo desmonte do Esquadrão Móvel Antidistúrbios, que seria minha reivindicação central. Também para implementar dos acordos. Todos nascemos em um contexto de violência, queremos paz com justiça social. O plano é marchar quantos dias forem necessários até alcançarmos o que queremos. Eu venho de lenço verde porque defendo que as mulheres tenham a possibilidade de fazer um aborto se não quisermos ter um filho”, diz a advogada Pilar Peralta, 42. Peralta está acompanhada do filho de 19 anos e carrega uma faixa que diz: "Sou mãe e vou às ruas para lutar".
  • “Estamos protestando como um coletivo LGBT porque o governo engavetou o plano de ação de políticas públicas. Eles nomearam cristãos homofóbicos. Para que realmente escutem as pessoas e acabem com a corrupção. Sou aposentado das Forças Armadas, fiquei lá por 27 anos, mas sempre sem me assumir”, diz Rubén Darío Gómez, 48 anos, que trabalha no comércio. Também pertence à Associação de Comerciantes e Empresários LGBTI da Colômbia.
    5“Estamos protestando como um coletivo LGBT porque o governo engavetou o plano de ação de políticas públicas. Eles nomearam cristãos homofóbicos. Para que realmente escutem as pessoas e acabem com a corrupção. Sou aposentado das Forças Armadas, fiquei lá por 27 anos, mas sempre sem me assumir”, diz Rubén Darío Gómez, 48 anos, que trabalha no comércio. Também pertence à Associação de Comerciantes e Empresários LGBTI da Colômbia.
  • Marcela Tobón Yagarí, advogada indígena, diz: “Estou me mobilizando contra o descumprimento dos acordos de paz, pela falta de garantias em sua implementação que levaram ao que está acontecendo na zona rural colombiana. Voltamos novamente aos 'falsos positivos', aos assassinatos seletivos. Nesse Governo, eles mataram 135 líderes, líderes e guardas indígenas. Não temos garantias ou proteção nos territórios. Também me mobilizo contra as injustiças sociais, por um país que deseja acesso à educação, pelos trabalhadores. Estamos cansados. Pensamos que este Governo promoveu graves retrocessos nas políticas sociais, as pessoas estão fazendo um alerta.”
    6Marcela Tobón Yagarí, advogada indígena, diz: “Estou me mobilizando contra o descumprimento dos acordos de paz, pela falta de garantias em sua implementação que levaram ao que está acontecendo na zona rural colombiana. Voltamos novamente aos 'falsos positivos', aos assassinatos seletivos. Nesse Governo, eles mataram 135 líderes, líderes e guardas indígenas. Não temos garantias ou proteção nos territórios. Também me mobilizo contra as injustiças sociais, por um país que deseja acesso à educação, pelos trabalhadores. Estamos cansados. Pensamos que este Governo promoveu graves retrocessos nas políticas sociais, as pessoas estão fazendo um alerta.”
  • “Eu protesto por justiça, para buscar a verdade. Que o governo tenha mais presença nos territórios. O que mais me sensibiliza é o assassinato de líderes sociais e a implementação do acordo de paz. Não há necessidade de demonizar as marchas, o presidente deve se sentar com os líderes dos protestos em todos os setores, mas seriamente ”, diz a advogada Mónica Estupiñán.
    7“Eu protesto por justiça, para buscar a verdade. Que o governo tenha mais presença nos territórios. O que mais me sensibiliza é o assassinato de líderes sociais e a implementação do acordo de paz. Não há necessidade de demonizar as marchas, o presidente deve se sentar com os líderes dos protestos em todos os setores, mas seriamente ”, diz a advogada Mónica Estupiñán.
  • O psicólogo e pesquisador social Carlos Carvajal, 64 anos, afirma: “Acompanho os protestos porque sinto que esse Governo quer atrasar o país em pelo menos meio século, parece ter apenas uma prioridade, que é a defesa do setor privado, das grandes empresários, proprietários de terras, usurpadores de terras. Tem demonstrado muita insensatez, muito orgulho, é um governo reacionário, torpe. Tende a ignorar, a deslegitimar, qualquer expressão de protesto popular. Para mim, é uma prioridade, é urgente, a questão da luta contra a corrupção, e este Governo não cumpriu o que disse da boca para fora".
    8O psicólogo e pesquisador social Carlos Carvajal, 64 anos, afirma: “Acompanho os protestos porque sinto que esse Governo quer atrasar o país em pelo menos meio século, parece ter apenas uma prioridade, que é a defesa do setor privado, das grandes empresários, proprietários de terras, usurpadores de terras. Tem demonstrado muita insensatez, muito orgulho, é um governo reacionário, torpe. Tende a ignorar, a deslegitimar, qualquer expressão de protesto popular. Para mim, é uma prioridade, é urgente, a questão da luta contra a corrupção, e este Governo não cumpriu o que disse da boca para fora".
  • "Nunca me faltou nada, mas acho que é preciso ter empatia e lutar por aqueles que carecem de muitas coisas neste país. Estou emocionada com as causas de líderes sociais, indígenas e mulheres. Peço ao Governo que ouça, que as coisas não estão certas, precisamos ouvir as necessidades das pessoas e deixar de lado o desejo de poder e dinheiro ”, diz Natalia Jiménez, 20 anos, estudante de medicina veterinária.
    9"Nunca me faltou nada, mas acho que é preciso ter empatia e lutar por aqueles que carecem de muitas coisas neste país. Estou emocionada com as causas de líderes sociais, indígenas e mulheres. Peço ao Governo que ouça, que as coisas não estão certas, precisamos ouvir as necessidades das pessoas e deixar de lado o desejo de poder e dinheiro ”, diz Natalia Jiménez, 20 anos, estudante de medicina veterinária.
  • O estudante de Ecologia, Santiago Franco, analisa: “Preocupo-me com o fato de que depois disso tudo continue o mesmo. Protesto pela dignidade do povo, que todos os do Governo sejam demitidos. Não é apenas a educação, é por uma mudança cultural, para que tenhamos uma cultura mais favorável."
    10O estudante de Ecologia, Santiago Franco, analisa: “Preocupo-me com o fato de que depois disso tudo continue o mesmo. Protesto pela dignidade do povo, que todos os do Governo sejam demitidos. Não é apenas a educação, é por uma mudança cultural, para que tenhamos uma cultura mais favorável."