Pornhub: a revolucionária história do site que mudou a forma como vemos sexo

Começou como uma plataforma de vídeos piratas e hoje atrai superestrelas, anuncia marcas de moda italiana e promove campanhas para limpar os oceanos

Graças ao Pornhub, o cinema para adultos deixou de ser um gênero que vivia nas sombras para se tornar um fenômeno que atrai cantores famosos, marcas reconhecidas e causas ecológicas.
Graças ao Pornhub, o cinema para adultos deixou de ser um gênero que vivia nas sombras para se tornar um fenômeno que atrai cantores famosos, marcas reconhecidas e causas ecológicas.

O Pornhub já foi chamado de “os Estudos de Kinsey da nossa geração”. A plataforma contém tantos milhões de vídeos (você precisaria de várias vidas para ver todos), tantas variedades, localizações, piruetas, morfologias, etnias, gêneros, orientações e fetiches que está pronto não apenas para satisfazer as perversões mais estranhas de uma pessoa, mas também para ajudar a descobrir algumas novas. Uma experiência reveladora é buscar informação sobre o Pornhub no Google. Seu posicionamento tem tanta primazia, e sua oferta é tão variada, que os termos em inglês sempre “dançarão” de um modo que esses resultados tragam vídeos pornográficos exatamente sobre o que você está buscando. Por exemplo: se procuramos informação sobre os escritórios ou os funcionários do Pornhub, o Google vai nos sugerir o vídeo “Minha assistente quer um aumento” ou “Secretária libertina seduz o chefe”. E se buscamos “história do Pornhub”, não aparecerá nenhum artigo que nos ajude a conhecer a trajetória da plataforma, e sim vídeos pornô como “As eróticas aventuras de Marco Polo” ou “Boquete no museu criacionista”.

Mais informações

Nesse sentido, poderíamos afirmar que o Pornhub ultrapassou o Google pela direita na busca de conteúdo, embora o Google seja o site mais visitado do mundo e o Pornhub esteja em 38.o lugar: o que quer que você busque, tem sempre alguma coisa no Pornhub que fala sobre isso.

Para conhecer as origens da plataforma de vídeos sexuais mais popular do mundo, porém, é preciso conhecer primeiro da plataforma de vídeos mais popular do mundo. Se o YouTube nasceu em 2005 (e é hoje um fenômeno que mudou para sempre a indústria do entretenimento e o segundo site mais visitado, após o Google) foi para saciar também um instinto selvagem. Um jovem chamado Jawed Karim buscava desesperadamente na Internet o vídeo em que se pode ver parcialmente o seio de Janet Jackson durante o intervalo do Super Bowl de 2004. Não o encontrou em nenhuma parte. E pensou: “Por que não existe nenhum site onde as pessoas possam publicar vídeos e os outros possam vê-los?” O resto é história – e está todinha em nossos celulares.

O dono do Pornhub ficou tão rico que “instalou um aquário dentro de casa, “tão grande que um mergulhador tinha que ir toda semana para limpar o fundo”, como contou uma pessoa que esteve lá

O Pornhub nasceria dois anos depois, fundado pelo desenvolvedor Matt Keezer e como parte de uma empresa maior chamada InterHub. O domínio “Pornhub” custou apenas 2.500 euros (11.250 reais). Sua história mudou com a chegada de Fabian Thylmann (Aachen, Alemanha, 1978) em 2010. Até então, o Pornhub era uma plataforma que oferecia, basicamente, material pirata: os próprios usuários postavam cenas pornográficas que tinham em seus drives, geralmente ilegais porque possuíam copyright. Thylmann deu um foco à operação com a qualidade que você nunca esperaria no pornô: a frieza.

Com mentalidade de empresário, ele comprou o Pornhub e outras plataformas concorrentes (como o YouPorn e o RedTube). Numa indústria em que os chefes sempre haviam sido homens interessados no sexo e que se deixavam levar pelos instintos mais básicos, Thylmann triunfou porque o pornô na verdade lhe interessava muito pouco: ele sabia de números, empréstimos, publicidade e tecnologia. O homem que deu de presente para o mundo a possibilidade de ver qualquer tipo de vídeo erótico, a qualquer hora, em qualquer lugar e em troca de nada não estava pensando em sacanagem, e sim em dinheiro.

Thylmann ficou tão rico que, como contou um conhecido num programa de rádio, “instalou um aquário dentro de casa, tão grande que um mergulhador tinha que ir lá toda semana para limpar o fundo. Você sabe que triunfou na vida quando precisa do seu próprio mergulhador.” Thylmann vendeu a empresa em 2013 por 66 milhões de euros (297 milhões de reais) enquanto era investigado por evasão fiscal. Agora já não faz parte dela. Em 2015, pagou uma multa de 4,5 milhões de euros (20 milhões de reais) para que retirassem as acusações contra ele. Hoje, casado e com dois filhos, ele se apresenta em sua conta do Twitter como “pai e investidor”.

No Natal de 2017, o Pornhub abriu uma ‘pop up store’ (loja temporária) num elegante bairro de Milão onde vendiam-se roupas e brinquedos eróticos.
No Natal de 2017, o Pornhub abriu uma ‘pop up store’ (loja temporária) num elegante bairro de Milão onde vendiam-se roupas e brinquedos eróticos.

Mas como Thylmann ficou rico com um serviço gratuito? A história é paralela à de qualquer conteúdo multimídia na Internet. Numa primeira etapa, ele oferecia um material que nem era seu, mas afirmava que só colocava sua tecnologia à disposição dos usuários e não podia controlar a disponibilidade legal do que era postado. Por outro lado, as produtoras de vídeos de sexo que possuíam os direitos desses vídeos percebiam, derrotadas, como era impossível lutar contra isso: buscar material para apagá-los era uma tarefa titânica. Mesmo quando conseguiam, em poucos dias o vídeo era publicado de novo.

Isso não durou muito: numa segunda etapa, assim como aconteceu antes com a música e o Spotify, e com o cinema e as plataformas de streaming, a indústria pornográfica soube que, se não podia derrotar o inimigo, devia se juntar a ele. Hoje o Pornhub funciona com a colaboração de centenas de produtoras. Elas o alimentam com materiais, dividem a receita de publicidade e redirecionam os usuários aos seus próprios sites. E, claro, numa terceira etapa cumpriu-se outra máxima da Internet: se o que você oferece gratuitamente é bom, o usuário estará disposto a pagar uma mensalidade para ver com mais facilidade e sem anúncios. Por 9,99 euros por mês (preço do Spotify), o conteúdo se multiplica, tem mais qualidade de imagem e até a possibilidade de realidade virtual.

“Todos visitamos o Pornhub”, disse Nicola Formichetti, ex-diretor de criação da Diesel. “Então, antes de começar a se masturbar, talvez você possa dedicar um tempinho para dar uma olhada em nossas calças e sapatos”

Que publicidade é feita no Pornhub? A maior parte é previsível: camisinhas, aumentadores de pênis, comprimidos para ereção, shows de webcam, videogames... ou mais pornô. Mas em janeiro de 2016 o panorama mudou e alguém da Diesel, a empresa italiana cujo diretor de criação na época era Nicola Formichetti, que vende perfumes de enorme sucesso e jeans a partir de 200 euros (900 reais), pensou que havia uma oportunidade numa plataforma que recebia 60 milhões de visitas por mês (hoje são muito mais). Foi a primeira marca mundialmente reconhecida que anunciou no Pornhub. E foi notícia em todo canto.

“Todos visitamos o Pornhub”, disse Formichetti. “Então, antes de começar a se masturbar, talvez você possa dedicar um tempinho para dar uma olhada em nossas calças e sapatos.” Três meses depois, o fundador da marca, Renzo Rosso, contou que tinha havido um aumento de 31%, embora sem especificar se era no tráfego do site da Diesel ou nas vendas. Mesmo que fosse só no tráfego, já é uma cifra espetacular.

Uma experiência parecida aconteceu com a plataforma de entrega de comida Eat24, que brincava em seus anúncios com certas mensagens ousadas. “O pornô não vai mais ser visto sozinho”, diziam. Ou seja: se você saía para buscar comida, teria menos tempo para ver sexo, então era melhor pedir através do serviço. No início deste ano, a marca de produtos de beleza masculina Dollar Shave Club (que pertence à gigante Unilever) também começou a anunciar no Pornhub. Matt Knapp, diretor de criação da marca, explicou a um jornal econômico australiano: “A campanha no Pornhub não foi cara e, surpreendentemente, as impressões e a exposição que conseguimos foram incríveis.”

Kanye West e Kim Kardashian têm, cada um à sua maneira, algo a ver com o mundo pornô: ele atuou nos prêmios Pornhub de 2018 e ela demonstrou que o vazamento de um vídeo sexual privado não tem por que ser o fim de uma carreira no mundo dos negócios; pode inclusive ser o início.
Kanye West e Kim Kardashian têm, cada um à sua maneira, algo a ver com o mundo pornô: ele atuou nos prêmios Pornhub de 2018 e ela demonstrou que o vazamento de um vídeo sexual privado não tem por que ser o fim de uma carreira no mundo dos negócios; pode inclusive ser o início.

O surpreendente é que se surpreendam. E que esse tipo de campanha não seja mais comum. Em 2018, o Pornhub teve em média 92 milhões de visitas diárias. Já não é um meandro obscuro e secreto. É o pornô transformado em algo tão popular e maciço quanto o Twitter (que este ano teve 100 milhões de visitas diárias, ou seja, 8 milhões a mais que o Pornhub). O pornô, além disso, perdeu em grande medida sua sombra de lixo social: há atores pornôs que publicam novelas e dão longas entrevistas (Logan Pierce), e há atrizes pornôs que filmam cinema convencional, publicam ensaios e são reconhecidas ativistas feministas (Sasha Grey). E não nos esqueçamos de que a maior estrela multimídia da atualidade, Kim Kardashian, ficou famosa quando um vídeo pornográfico seu vazou e se tornou o mais visto da história. Poucos anos depois, ela seria eleita pela Time uma das mulheres mais influentes do mundo e sairia em várias capas da Vogue.

Justamente o marido de Kim Kardashian, Kanye West, ajudou em setembro de 2018 a confirmar esse caminho rumo à popularização do Pornhub: ele não somente esteve em sua primeira entrega de prêmios, mas também foi seu diretor criativo. West desenhou os prêmios (vibradores gigantes), estreou um clipe produzido por Spike Jonze e pediu ao artista Richard Kern que criasse o visual dos telões que rodeavam o evento, emitido em streaming através da própria plataforma de vídeo. Enquanto isso, eram entregues os prêmios: melhor boquete, melhor fetichista, melhor ator bem dotado... Este ano o segundo prêmio Pornhub será entregue em 11 de outubro. Até o momento, está confirmada a presença do porto-riquenho Bad Bunny, estrela da música atual e ícone millennial.

Como hoje ser popular passa inevitavelmente por ser comprometido, o Pornhub realizou iniciativas como plantar uma árvore por cada 100 visualizações de vídeos e rodou uma cena chamada “O pornô mais sujo já visto”, que acontece numa praia cheia de resíduos: por cada pessoa que assiste, o site faz uma doação à organização Ocean Polymers. Em menos de um mês, o vídeo já foi visto mais de cinco milhões de vezes.

O Pornhub também fez pelo mundo algo quase mais valioso do que presentear pornô grátis: a cada ano, traça aquele que é provavelmente o perfil psicológico mais íntimo, verídico e fascinante da atualidade. Todo janeiro, o site publica suas estatísticas: que tipo de pornô vemos, quando, como e onde. Livres de convencionalismos sociais, entramos no plano mais atávico e profundo de nós mesmos. Certamente não há nenhum outro relatório anual que diga mais sobre a alma humana. Em 2018, a estrela pornô feminina mais buscada foi Stormy Daniels (que disse ter tido um romance com Donald Trump em 2006), e a masculina foi Jordi El Niño Polla, nascido em Ciudad Real (Espanha) e hoje o homem mais famoso da indústria em todo o mundo.

O Pornhub fez pelo mundo algo quase mais valioso do que presentear pornô grátis: a cada ano, traça aquele que é provavelmente o perfil psicológico mais íntimo, verídico e fascinante da atualidade

Talvez o exemplo mais revelador sobre o uso do Pornhub tenha ocorrido em janeiro de 2018, quando o serviço de emergências do Havaí enviou por erro um alerta de míssil à população. Em meio ao pânico, que durou uma hora e meia, o tráfego do Pornhub caiu bruscamente no arquipélago. Logo que o problema foi resolvido e as autoridades anunciaram que a vida seguia tranquila, o site viveu um dos picos de acesso mais espetaculares da sua história. Todo mundo decidiu que era preciso comemorar que estava vivo. Ejaculando, aparentemente. Se você pensar do ponto de vista biológico, tem muito sentido. E do ponto de vista intelectual, tem muita poesia.