Seleccione Edição
Login
A cidade combinada

A cidade combinada

8 fotos

Sua casa foi em Nova York. Mas quando surgiu a oportunidade de se mudar para Londres por uma temporada, a fotógrafa não hesitou. Memórias de sua vida anterior começaram a se sobrepor às visões do que se tornara seu novo lar. Duas metrópoles como opostas, que encontram seu ponto de vista convergente no olhar da autora

  • Duas imagens sobrepostas: uma, às portas do Yankee Stadium, em Nova York, e a outra, na Sloane Square, em Londres.
    1Duas imagens sobrepostas: uma, às portas do Yankee Stadium, em Nova York, e a outra, na Sloane Square, em Londres.
  • Pimlico, bairro de Londres, e uma vista da ponte de Queensboro, em Nova York, ao pôr do sol.
    2Pimlico, bairro de Londres, e uma vista da ponte de Queensboro, em Nova York, ao pôr do sol.
  • Um ônibus na Trafalgar Square, em Londres, e o bairro de Williamsburg, em Nova York, visto do metrô.
    3Um ônibus na Trafalgar Square, em Londres, e o bairro de Williamsburg, em Nova York, visto do metrô.
  • Lower Manhattan em novembro de 2012, quando os moradores sofreram as consequências do furacão Sandy, e uma praça tranquila em South Kensington, em Londres.
    4Lower Manhattan em novembro de 2012, quando os moradores sofreram as consequências do furacão Sandy, e uma praça tranquila em South Kensington, em Londres.
  • Catedral de Westminster em Victoria (Londres) e uma vista aérea do bairro do Queens (Nova York).
    5Catedral de Westminster em Victoria (Londres) e uma vista aérea do bairro do Queens (Nova York).
  • Os arranha-céus do centro de Manhattan estão misturados com duas estruturas icônicas de Londres: o Big Ben e as Casas do Parlamento.
    6Os arranha-céus do centro de Manhattan estão misturados com duas estruturas icônicas de Londres: o Big Ben e as Casas do Parlamento.
  • A 'skyline' de Manhattan vista do East River e um pub em Marylebone (Londres).
    7A 'skyline' de Manhattan vista do East River e um pub em Marylebone (Londres).
  • Vista aérea do relógio do Grand Central Terminal em Nova York e do bairro londrino de Pimlico.   A cidade combinada  Em 2012 mudei de Nova York para Londres. Havia pouco tempo que eu havia me formado e, naquele momento, senti que minha cidade representava meu verdadeiro lar. É onde eu cresci, onde me apaixonei pela fotografia, onde recebi minhas primeiras encomendas e onde entendi quem eu queria ser. Foi o lugar onde alcancei a maturidade pessoal e artística. Só então tive a oportunidade de me mudar para Londres por vários anos. E aproveitei isso, mas não sem uma certa mistura de nostalgia e inquietação por deixar a cidade que tanto amava. Esse projeto, 'Nova York + Londres', é a expressão da tentativa de mesclar minhas descobertas em um novo ambiente com as memórias do anterior. Combinando as duas cidades, eu poderia deliciar-me em descobrir o que as une e o que as torna diferentes. Cada fotografia captura uma composição que se sobrepõe a uma imagem de cada metrópole, o que me permite criar minha própria paisagem urbana e minha própria visão do que a casa representa. No fundo, trata-se de explorar a noção de espaço físico, memórias e identidade através da arquitetura e do desejo. Minha aspiração é que, entre a agitação, todos possam encontrar algo que os façam se sentir em casa.
    8Vista aérea do relógio do Grand Central Terminal em Nova York e do bairro londrino de Pimlico.
    A cidade combinada
    Em 2012 mudei de Nova York para Londres. Havia pouco tempo que eu havia me formado e, naquele momento, senti que minha cidade representava meu verdadeiro lar. É onde eu cresci, onde me apaixonei pela fotografia, onde recebi minhas primeiras encomendas e onde entendi quem eu queria ser. Foi o lugar onde alcancei a maturidade pessoal e artística. Só então tive a oportunidade de me mudar para Londres por vários anos. E aproveitei isso, mas não sem uma certa mistura de nostalgia e inquietação por deixar a cidade que tanto amava. Esse projeto, 'Nova York + Londres', é a expressão da tentativa de mesclar minhas descobertas em um novo ambiente com as memórias do anterior. Combinando as duas cidades, eu poderia deliciar-me em descobrir o que as une e o que as torna diferentes. Cada fotografia captura uma composição que se sobrepõe a uma imagem de cada metrópole, o que me permite criar minha própria paisagem urbana e minha própria visão do que a casa representa. No fundo, trata-se de explorar a noção de espaço físico, memórias e identidade através da arquitetura e do desejo. Minha aspiração é que, entre a agitação, todos possam encontrar algo que os façam se sentir em casa.