Seleccione Edição
Login
Quando a homofobia pesa ainda mais do que a guerra

Quando a homofobia pesa ainda mais do que a guerra

12 fotos

Mulheres transexuais refugiadas lutam para conquistar uma nova vida na Grécia

  • Tatiana (nome fictício), uma mulher transexual de Bagdá (Iraque), de 42 anos, pega seus pertences pessoais e se prepara para mudar-se para um novo apartamento em Atenas, fornecido por uma ONG grega. Ele tem uma cicatriz no braço esquerdo. Há alguns anos, estranhos que descobriram que ela era homossexual atacaram-na com uma faca em sua cidade natal. Mais de um milhão de pessoas de países do Oriente Médio e do Norte da África, entre os quais membros da comunidade LGBTI que foram perseguidos por sua família e pela sociedade local, entraram na Europa pela Grécia nos últimos quatro anos.
    1Tatiana (nome fictício), uma mulher transexual de Bagdá (Iraque), de 42 anos, pega seus pertences pessoais e se prepara para mudar-se para um novo apartamento em Atenas, fornecido por uma ONG grega. Ele tem uma cicatriz no braço esquerdo. Há alguns anos, estranhos que descobriram que ela era homossexual atacaram-na com uma faca em sua cidade natal. Mais de um milhão de pessoas de países do Oriente Médio e do Norte da África, entre os quais membros da comunidade LGBTI que foram perseguidos por sua família e pela sociedade local, entraram na Europa pela Grécia nos últimos quatro anos.
  • No sofá há uma peruca. Embora as meninas transexuais tenham deixado crescer o cabelo ao longo dos anos, algumas preferem usar perucas para parecer mais femininas, porque, por algum motivo, tiveram de mantê-lo curto. O número exato de refugiados LGBTI que entraram na Grécia é difícil de definir, pois muitos deles ainda têm medo de sair do armário e revelar sua verdadeira natureza. O que eles mais temem é a sua própria comunidade de refugiados, já que a homossexualidade é considerada uma coisa ruim nos países de onde vem a maioria.
    2No sofá há uma peruca. Embora as meninas transexuais tenham deixado crescer o cabelo ao longo dos anos, algumas preferem usar perucas para parecer mais femininas, porque, por algum motivo, tiveram de mantê-lo curto. O número exato de refugiados LGBTI que entraram na Grécia é difícil de definir, pois muitos deles ainda têm medo de sair do armário e revelar sua verdadeira natureza. O que eles mais temem é a sua própria comunidade de refugiados, já que a homossexualidade é considerada uma coisa ruim nos países de onde vem a maioria.
  • Anna, uma mulher de 24 anos do Oriente Médio, pediu para não revelar seu nome real ou nacionalidade por razões de segurança, diz um gato, que é seu novo colega de apartamento no centro de Atenas. Embora a maioria das mulheres transexuais refugiadas tenha sofrido com a guerra em seus países de origem e tenha perdido membros da família e amigos por causa disso, o que as levou a deixar a terra de seus pais foi sua identidade sexual. Para a maioria deles, a guerra foi apenas uma das razões, não a causa.
    3Anna, uma mulher de 24 anos do Oriente Médio, pediu para não revelar seu nome real ou nacionalidade por razões de segurança, diz um gato, que é seu novo colega de apartamento no centro de Atenas. Embora a maioria das mulheres transexuais refugiadas tenha sofrido com a guerra em seus países de origem e tenha perdido membros da família e amigos por causa disso, o que as levou a deixar a terra de seus pais foi sua identidade sexual. Para a maioria deles, a guerra foi apenas uma das razões, não a causa.
  • Tatiana e Anna moram no mesmo apartamento em Atenas, em um bairro conhecido pela presença significativa de imigrantes. Muitas das meninas tinham que usar roupas masculinas quando andavam pelas ruas de seus países por medo de serem atacadas ou mesmo mortas. Só quando voltavam para casa elas podiam se vestir como mulheres. Mesmo agora na Grécia, algumas das meninas ainda não se sentem confortáveis o suficiente para usar roupas femininas fora da privacidade de seus apartamentos.
    4Tatiana e Anna moram no mesmo apartamento em Atenas, em um bairro conhecido pela presença significativa de imigrantes. Muitas das meninas tinham que usar roupas masculinas quando andavam pelas ruas de seus países por medo de serem atacadas ou mesmo mortas. Só quando voltavam para casa elas podiam se vestir como mulheres. Mesmo agora na Grécia, algumas das meninas ainda não se sentem confortáveis o suficiente para usar roupas femininas fora da privacidade de seus apartamentos.
  • Tatiana usa um colar com a palavra "amor" escrita. Antes de fugir do Iraque, ela escondeu sua identidade transexual vestindo roupas masculinas e trabalhando como garçonete em um popular café em Bagdá. Também teve um relacionamento sério com um homem que ainda está no Iraque e com quem ela fala frequentemente por telefone. Eles sonham em se mudar para a Alemanha ou para qualquer outro país no norte da Europa e se casar.
    5Tatiana usa um colar com a palavra "amor" escrita. Antes de fugir do Iraque, ela escondeu sua identidade transexual vestindo roupas masculinas e trabalhando como garçonete em um popular café em Bagdá. Também teve um relacionamento sério com um homem que ainda está no Iraque e com quem ela fala frequentemente por telefone. Eles sonham em se mudar para a Alemanha ou para qualquer outro país no norte da Europa e se casar.
  • Yoanna (nome fictício por questões de segurança) é uma transexual de 28 anos nascida no Marrocos. Pose para uma foto no apartamento de uma amiga no centro de Atenas. Fugiu de Marrakesh, sua cidade natal, para Istambul (Turquia) e depois para a Grécia em um barco inflável de borracha. A grande maioria das refugiadas transexuais que viviam em Istambul, mesmo por um curto período de tempo, tinha de trabalhar como prostitutas para sobreviver e ganhar algum dinheiro para deixar o país.
    6Yoanna (nome fictício por questões de segurança) é uma transexual de 28 anos nascida no Marrocos. Pose para uma foto no apartamento de uma amiga no centro de Atenas. Fugiu de Marrakesh, sua cidade natal, para Istambul (Turquia) e depois para a Grécia em um barco inflável de borracha. A grande maioria das refugiadas transexuais que viviam em Istambul, mesmo por um curto período de tempo, tinha de trabalhar como prostitutas para sobreviver e ganhar algum dinheiro para deixar o país.
  • Anna caminha por uma rua escura no centro de Atenas para ver suas amigas. Algumas das meninas continuam a trabalhar como prostitutas enquanto moram na Grécia, especialmente passando pelos parques da cidade, onde os refugiados e imigrantes regularmente oferecem seus serviços sexuais, ou usam aplicativos populares de relacionamento para celular, como o Tinder ou o Grindr.
    7Anna caminha por uma rua escura no centro de Atenas para ver suas amigas. Algumas das meninas continuam a trabalhar como prostitutas enquanto moram na Grécia, especialmente passando pelos parques da cidade, onde os refugiados e imigrantes regularmente oferecem seus serviços sexuais, ou usam aplicativos populares de relacionamento para celular, como o Tinder ou o Grindr.
  • Anna recebe aulas de inglês organizadas por uma ONG grega para refugiados LGBTI. Ela teve que deixar a escola em uma idade muito precoce, quando começou um relacionamento homossexual com seu professor, que era muito mais velho. O casal fugiu do país, mas apenas dois anos depois ela ficou sozinha porque seu namorado a deixou para se casar com uma mulher.
    8Anna recebe aulas de inglês organizadas por uma ONG grega para refugiados LGBTI. Ela teve que deixar a escola em uma idade muito precoce, quando começou um relacionamento homossexual com seu professor, que era muito mais velho. O casal fugiu do país, mas apenas dois anos depois ela ficou sozinha porque seu namorado a deixou para se casar com uma mulher.
  • Yoanna e Anna estão na casa de um amigo assistindo a videoclipes na televisão. Pouco depois de chegar a Atenas, Yoanna começou a namorar um garoto grego que conheceu na rede social Tinder. O casal ficou abertamente por alguns meses até se separarem depois de uma grande briga. O que todas essas garotas esperam quando vão para a Europa é ter um namorado formal e viver uma vida normal. É o seu sonho.
    9Yoanna e Anna estão na casa de um amigo assistindo a videoclipes na televisão. Pouco depois de chegar a Atenas, Yoanna começou a namorar um garoto grego que conheceu na rede social Tinder. O casal ficou abertamente por alguns meses até se separarem depois de uma grande briga. O que todas essas garotas esperam quando vão para a Europa é ter um namorado formal e viver uma vida normal. É o seu sonho.
  • Anna caminha pela rua até a estação de metrô perto de seu apartamento. Ela foi atacada verbalmente muitas vezes enquanto caminhava pelas ruas de Atenas, e agora às vezes tem medo de andar sozinha. A maioria dos refugiados LGBTI que vivem na Grécia admite que o país é muito mais conservador do que eles pensavam. No passado, houve relatos de ataques contra mulheres refugiadas transexuais nas ilhas gregas.
    10Anna caminha pela rua até a estação de metrô perto de seu apartamento. Ela foi atacada verbalmente muitas vezes enquanto caminhava pelas ruas de Atenas, e agora às vezes tem medo de andar sozinha. A maioria dos refugiados LGBTI que vivem na Grécia admite que o país é muito mais conservador do que eles pensavam. No passado, houve relatos de ataques contra mulheres refugiadas transexuais nas ilhas gregas.
  • Tatiana tem duas caixas de hormônios médicos na mesa de cabeceira. Quando atravessou o Mar Egeu da Turquia para a ilha grega de Chios, foi vestida como um homem. "Quando eu estava no barco a caminho de Chios estava chovendo e tive que tirar o chapéu que cobria meu cabelo. Um homem sírio com três filhos viu meu cabelo comprido e perguntou se era homem ou mulher. Eu não disse nada, mas ele entendeu. Ele ameaçou me afogar na água", lembra.
    11Tatiana tem duas caixas de hormônios médicos na mesa de cabeceira. Quando atravessou o Mar Egeu da Turquia para a ilha grega de Chios, foi vestida como um homem. "Quando eu estava no barco a caminho de Chios estava chovendo e tive que tirar o chapéu que cobria meu cabelo. Um homem sírio com três filhos viu meu cabelo comprido e perguntou se era homem ou mulher. Eu não disse nada, mas ele entendeu. Ele ameaçou me afogar na água", lembra.
  • Tatiana economiza 20 euros por semana para ir a uma clínica de beleza que está longe de casa e fazer uma terapia a laser para remover os pelos faciais. Por essa razão, não precisa raspar a barba, que tenta esconder com maquiagem entre uma sessão e outra.
    12Tatiana economiza 20 euros por semana para ir a uma clínica de beleza que está longe de casa e fazer uma terapia a laser para remover os pelos faciais. Por essa razão, não precisa raspar a barba, que tenta esconder com maquiagem entre uma sessão e outra.