Seleccione Edição
Login
Duas em três crianças da República Centro-Africana precisam de ajuda humanitária

Duas em três crianças da República Centro-Africana precisam de ajuda humanitária

16 fotos

Um em cada quatro é deslocado ou refugiado. E o pior ainda está por vir, alerta o Unicef

República Centroafricana
  • A República Centro-Africana é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo. O recrudescimento da violência que assola o país há cinco anos condena as crianças a uma situação desesperadora: duas em cada três crianças precisam de ajuda humanitária, relata o Unicef no relatório "Crise na República Centro-Africana: em uma emergência esquecida, as crianças precisam de ajuda" proteção e oportunidades para o futuro", publicado nesta sexta-feira.
    1A República Centro-Africana é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo. O recrudescimento da violência que assola o país há cinco anos condena as crianças a uma situação desesperadora: duas em cada três crianças precisam de ajuda humanitária, relata o Unicef no relatório "Crise na República Centro-Africana: em uma emergência esquecida, as crianças precisam de ajuda" proteção e oportunidades para o futuro", publicado nesta sexta-feira.
  • Hajara, 28 anos, e seu filho Hassan, 3, em frente ao alojamento no campo de deslocados internos de Elevage, em Bambari, onde vivem há três anos com cerca de 20.000 pessoas, a maioria muçulmana do grupo étnico Fulani. Quase 40.000 pessoas deslocadas internamente juntaram-se aos 54.000 habitantes de Bambari, a segunda maior cidade da República Centro-Africana.
    2Hajara, 28 anos, e seu filho Hassan, 3, em frente ao alojamento no campo de deslocados internos de Elevage, em Bambari, onde vivem há três anos com cerca de 20.000 pessoas, a maioria muçulmana do grupo étnico Fulani. Quase 40.000 pessoas deslocadas internamente juntaram-se aos 54.000 habitantes de Bambari, a segunda maior cidade da República Centro-Africana.
  • As crianças que precisam urgentemente de ajuda humanitária são um milhão e meio, 300.000 a mais do que em 2016. Apesar desse aumento, o financiamento e a atenção internacional não cresceram em paralelo. No final de outubro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância só havia conseguido cobrir 44% dos 49,7 milhões de euros de seu apelo para o financiamento de 2018. Na foto, crianças internamente deslocadas no campo de Sangaris em Bambari. Esse campo foi criado em torno do de um antigo posto militar francês em resposta à crise iniciada em dezembro de 2013.
    3As crianças que precisam urgentemente de ajuda humanitária são um milhão e meio, 300.000 a mais do que em 2016. Apesar desse aumento, o financiamento e a atenção internacional não cresceram em paralelo. No final de outubro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância só havia conseguido cobrir 44% dos 49,7 milhões de euros de seu apelo para o financiamento de 2018. Na foto, crianças internamente deslocadas no campo de Sangaris em Bambari. Esse campo foi criado em torno do de um antigo posto militar francês em resposta à crise iniciada em dezembro de 2013.
  • Pessoas deslocadas internamente carregam grama para construir abrigos no campo de Sangaris em Bambari, onde vivem cerca de 12.000 cristãos. Muitas famílias tiveram que fugir devido à violência desencadeada pela luta entre uma dezena de grupos armados por rotas pecuárias e terras ricas em diamantes, ouro e urânio. No final de setembro, quase 643.000 pessoas foram forçadas a se movimentar pelo país. Pelo menos metade eram crianças.
    4Pessoas deslocadas internamente carregam grama para construir abrigos no campo de Sangaris em Bambari, onde vivem cerca de 12.000 cristãos. Muitas famílias tiveram que fugir devido à violência desencadeada pela luta entre uma dezena de grupos armados por rotas pecuárias e terras ricas em diamantes, ouro e urânio. No final de setembro, quase 643.000 pessoas foram forçadas a se movimentar pelo país. Pelo menos metade eram crianças.
  • Cerca de 573.000 pessoas buscaram refúgio nos países vizinhos. Estima-se que uma em cada quatro crianças seja deslocada ou refugiada, como as que aparecem nesta foto, no campo de Sangaris em Bambari.
    5Cerca de 573.000 pessoas buscaram refúgio nos países vizinhos. Estima-se que uma em cada quatro crianças seja deslocada ou refugiada, como as que aparecem nesta foto, no campo de Sangaris em Bambari.
  • Deslocamentos e falta de acesso a assistência médica, água potável e saneamento estão desembocando em uma crise de desnutrição infantil, de acordo com o relatório. Os deslocados internos coletam água de um manancial a um quilômetro do campo Elevage, em Bambari.
    6Deslocamentos e falta de acesso a assistência médica, água potável e saneamento estão desembocando em uma crise de desnutrição infantil, de acordo com o relatório. Os deslocados internos coletam água de um manancial a um quilômetro do campo Elevage, em Bambari.
  • Os grupos armados controlam atualmente quatro quintos do país. Algumas crianças se juntaram a eles depois que seus pais foram mortos ou empurrados pela extrema pobreza. Na imagem, duas crianças tomam banho no rio Ubangi, em Bangui, e brincam na canoa do pai. Do outro lado do rio, está a República Democrática do Congo.
    7Os grupos armados controlam atualmente quatro quintos do país. Algumas crianças se juntaram a eles depois que seus pais foram mortos ou empurrados pela extrema pobreza. Na imagem, duas crianças tomam banho no rio Ubangi, em Bangui, e brincam na canoa do pai. Do outro lado do rio, está a República Democrática do Congo.
  • Uma mãe chora enquanto a filha se estabiliza na sala de emergência da Clínica Pediátrica de Bangui. Este centro trata crianças que sofrem de todos os tipos de doenças, incluindo os casos mais graves de desnutrição. "A situação é deplorável e está piorando", diz a doutora Jacqueline Tchebemou. "Mais crianças vêm todos os dias." Mais de 43.000 crianças com menos de cinco anos terão um alto risco de morte por desnutrição aguda grave até 2019, segundo as previsões da Unicef. "As taxas graves de desnutrição aguda excederam o limite do que é considerado uma emergência em 16 dos 18 assentamentos informais monitorados nos últimos dois anos. Para as crianças que foram forçadas a entrar na floresta, as condições são ainda mais extremas ", diz o relatório.
    8Uma mãe chora enquanto a filha se estabiliza na sala de emergência da Clínica Pediátrica de Bangui. Este centro trata crianças que sofrem de todos os tipos de doenças, incluindo os casos mais graves de desnutrição. "A situação é deplorável e está piorando", diz a doutora Jacqueline Tchebemou. "Mais crianças vêm todos os dias." Mais de 43.000 crianças com menos de cinco anos terão um alto risco de morte por desnutrição aguda grave até 2019, segundo as previsões da Unicef. "As taxas graves de desnutrição aguda excederam o limite do que é considerado uma emergência em 16 dos 18 assentamentos informais monitorados nos últimos dois anos. Para as crianças que foram forçadas a entrar na floresta, as condições são ainda mais extremas ", diz o relatório.
  • Esther Wandana tem nove meses de idade e sofre de desnutrição aguda severa, malária e HIV. Ela passou a maior parte de sua curta vida no Hospital Pediátrico do Unicef ​​em Bangui. Seu pai era um usuário de drogas. A mãe, Coue Natasha, 28, diz que quando engravidou de Esther, o marido foi embora e nunca mais voltou. Durante um teste de gravidez, ela descobriu que era HIV positiva.
    9Esther Wandana tem nove meses de idade e sofre de desnutrição aguda severa, malária e HIV. Ela passou a maior parte de sua curta vida no Hospital Pediátrico do Unicef ​​em Bangui. Seu pai era um usuário de drogas. A mãe, Coue Natasha, 28, diz que quando engravidou de Esther, o marido foi embora e nunca mais voltou. Durante um teste de gravidez, ela descobriu que era HIV positiva.
  • Esta é a nova filha de Yvette Kozenga, 25 anos, nascida em Bambari. O Hospital Universitário da cidade é o único da região e a instalação recebe eletricidade apenas esporadicamente. Kozenga e sua família foram deslocados duas vezes. Antes de chegar a Bambara, ela morava com o marido e dois filhos em Bria, mas o campo em que residiam foi atacado e incendiado. A República Centro-Africana tem a segunda taxa mais alta de mortalidade neonatal e, assim como a segunda maior taxa de mortalidade materna no mundo. A matrona Celestine Yaya ajudou milhares de mães como Kozenga nos últimos 30 anos. No momento, diz, ela cuida de até 10 entregas por semana em sua casa de adobe, sem remédios ou máquinas. As mães que vêm a ela muitas vezes não têm outra escolha: o hospital mais próximo fica a cerca de três quilômetros de distância, em uma estrada de terra, e eles não podem pagar o custo de um táxi.
    10Esta é a nova filha de Yvette Kozenga, 25 anos, nascida em Bambari. O Hospital Universitário da cidade é o único da região e a instalação recebe eletricidade apenas esporadicamente. Kozenga e sua família foram deslocados duas vezes. Antes de chegar a Bambara, ela morava com o marido e dois filhos em Bria, mas o campo em que residiam foi atacado e incendiado. A República Centro-Africana tem a segunda taxa mais alta de mortalidade neonatal e, assim como a segunda maior taxa de mortalidade materna no mundo. A matrona Celestine Yaya ajudou milhares de mães como Kozenga nos últimos 30 anos. No momento, diz, ela cuida de até 10 entregas por semana em sua casa de adobe, sem remédios ou máquinas. As mães que vêm a ela muitas vezes não têm outra escolha: o hospital mais próximo fica a cerca de três quilômetros de distância, em uma estrada de terra, e eles não podem pagar o custo de um táxi.
  • A maternidade do Hospital Universitário de Bambari. O centro tem dois médicos, uma parteira e três enfermeiras.
    11A maternidade do Hospital Universitário de Bambari. O centro tem dois médicos, uma parteira e três enfermeiras.
  • Um bebê recém-nascido, enquanto a enfermeira corta o cordão umbilical no Hospital Universitário de Bambari.
    12Um bebê recém-nascido, enquanto a enfermeira corta o cordão umbilical no Hospital Universitário de Bambari.
  • Madenga Fanny, 28 anos, trabalha como professora em uma escola de verão em Bambari. Na República Centro-Africana, menos de três entre cinco crianças têm acesso ao ensino primário. Nas áreas mais afetadas pela luta, as escolas são destruídas ou fechadas. No distrito de Ouaka, por exemplo, onde Madenga trabalha, pelo menos um quarto dos centros colocou o ferrolho no chão. "Meu trabalho é difícil e não é muito recompensador: muitas pessoas zombam dos professores, dizem que não ganham dinheiro e são apenas pobres, mas eu gosto", explica.
    13Madenga Fanny, 28 anos, trabalha como professora em uma escola de verão em Bambari. Na República Centro-Africana, menos de três entre cinco crianças têm acesso ao ensino primário. Nas áreas mais afetadas pela luta, as escolas são destruídas ou fechadas. No distrito de Ouaka, por exemplo, onde Madenga trabalha, pelo menos um quarto dos centros colocou o ferrolho no chão. "Meu trabalho é difícil e não é muito recompensador: muitas pessoas zombam dos professores, dizem que não ganham dinheiro e são apenas pobres, mas eu gosto", explica.
  • Jovens e crianças, vestidos com roupas contemporâneas misturadas com trajes tradicionais e pintados com pó de mandioca seca, participam de uma cerimônia de educação do governo em Bambari.
    14Jovens e crianças, vestidos com roupas contemporâneas misturadas com trajes tradicionais e pintados com pó de mandioca seca, participam de uma cerimônia de educação do governo em Bambari.
  • Lugares frequentados por menores, como escolas, hospitais ou edifícios religiosos, também são alvos de ataques por grupos armados. Nos últimos anos, os ataques contra trabalhadores humanitários quadruplicaram, passando de 67 em 2017 para 294 em 2018.
    15Lugares frequentados por menores, como escolas, hospitais ou edifícios religiosos, também são alvos de ataques por grupos armados. Nos últimos anos, os ataques contra trabalhadores humanitários quadruplicaram, passando de 67 em 2017 para 294 em 2018.
  • "Essa crise é muito esquecida, tanto em termos de atenção quanto de financiamento. E o pior ainda está por vir", explica Marixie Mercado, principal autora do relatório, em uma conversa telefônica. "As condições são desesperadas e não há sinal de melhora. Algumas pessoas foram deslocadas várias vezes. Há quem opte por retornar aos campos que foram alvo de ataques, mesmo sem garantias de segurança, para obter ajuda." Em 2017, a República Centro-Africana ocupou a quarta posição na classificação dos destinos mais perigosos para os trabalhadores humanitários preparados pelo Unicef. Só neste ano, seis pessoas perderam a vida perto da fronteira com o Chade. Entre eles, um trabalhador do Fundo das Nações Unidas para as Crianças.
    16"Essa crise é muito esquecida, tanto em termos de atenção quanto de financiamento. E o pior ainda está por vir", explica Marixie Mercado, principal autora do relatório, em uma conversa telefônica. "As condições são desesperadas e não há sinal de melhora. Algumas pessoas foram deslocadas várias vezes. Há quem opte por retornar aos campos que foram alvo de ataques, mesmo sem garantias de segurança, para obter ajuda." Em 2017, a República Centro-Africana ocupou a quarta posição na classificação dos destinos mais perigosos para os trabalhadores humanitários preparados pelo Unicef. Só neste ano, seis pessoas perderam a vida perto da fronteira com o Chade. Entre eles, um trabalhador do Fundo das Nações Unidas para as Crianças.