Seleccione Edição
Login

Dez casos de grande arquitetura no mundo que passam despercebidos

Do metrô de Nápoles, feito por Óscar Tusquets, aos mictórios públicos de Rem Koolhaas, você pode ter topado com estas construções em suas viagens e, inclusive, em cartões postais, mas não sabia que são tesouros arquitetônicos

  • Durante a Guerra do Golfo, em 1991, foi ameaçada de destruição entre os diferentes lados. Esta praça é, além de um grande complexo de trânsito e lazer em Tel Aviv, também um símbolo de ocidentalização, inaugurado em 1975. Um complexo de edifícios e uma praça pública projetada pelo arquiteto Yaacov Rechter que resume o melhor brutalismo da cidade, juntamente com outras obras deste criador, como o Museu Herzliya ou Museu de Arte de Tel Aviv.  Em que prestamos atenção?  No conjunto de edifícios que a rodeiam, perto da praia de Tel Aviv, com diferentes níveis que criam espaços comuns massivamente percorridos pelos cidadãos. A praça tem um estacionamento para um posto de gasolina, restaurantes, um anfiteatro e uma rotunda cobertura de vidro, conhecida como o Coliseu.
    1O traçado brutalista da praça Atarim de Tel Aviv Durante a Guerra do Golfo, em 1991, foi ameaçada de destruição entre os diferentes lados. Esta praça é, além de um grande complexo de trânsito e lazer em Tel Aviv, também um símbolo de ocidentalização, inaugurado em 1975. Um complexo de edifícios e uma praça pública projetada pelo arquiteto Yaacov Rechter que resume o melhor brutalismo da cidade, juntamente com outras obras deste criador, como o Museu Herzliya ou Museu de Arte de Tel Aviv. Em que prestamos atenção? No conjunto de edifícios que a rodeiam, perto da praia de Tel Aviv, com diferentes níveis que criam espaços comuns massivamente percorridos pelos cidadãos. A praça tem um estacionamento para um posto de gasolina, restaurantes, um anfiteatro e uma rotunda cobertura de vidro, conhecida como o Coliseu. Alamy
  • Passageiros que, na cidade de Nápoles (Itália), passarem ao lado da estação de metrô Toledo, se darão conta de que estão atrás das bandagens que emergem da praça que acolhe uma paragem marítima, de onde podem conferir os usuários que descem a escadas rolantes. Esta grande cratera que une exterior e interior, de cerca de 37 metros e 12 andares de altura, é uma das impressões que o arquiteto Óscar Tusquets deixou na cidade italiana entre 2005 e 2012. Este é um projeto artístico, que ele completou com o desenho da área de superfície na Praça Montecalvario.  Em que prestamos atenção?  Nos mosaicos de William Kentridge que o acompanham como uma cratera bem como os jogos de luzes LED que o seguem no mesmo nível que os montes mecânicos.
    2Óscar Tusquets no metrô de Nápoles Passageiros que, na cidade de Nápoles (Itália), passarem ao lado da estação de metrô Toledo, se darão conta de que estão atrás das bandagens que emergem da praça que acolhe uma paragem marítima, de onde podem conferir os usuários que descem a escadas rolantes. Esta grande cratera que une exterior e interior, de cerca de 37 metros e 12 andares de altura, é uma das impressões que o arquiteto Óscar Tusquets deixou na cidade italiana entre 2005 e 2012. Este é um projeto artístico, que ele completou com o desenho da área de superfície na Praça Montecalvario. Em que prestamos atenção? Nos mosaicos de William Kentridge que o acompanham como uma cratera bem como os jogos de luzes LED que o seguem no mesmo nível que os montes mecânicos.
  • Entre 1954 e 1958 foi construído um dos mais belos espaços de arquitetura e design do século XX no mundo: Seagram Building. Na Park Avenue, em Nova York, este trabalho é de Mies van der Rohe com interiores de Philip Johnson. Abriga escritórios e um restaurante, The Grill, ponto de encontro da alta sociedade americana por décadas. Em 2016, eles decidiram atualizá-lo, e muitos dos móveis deste espaço, originais de Eero Saarinen ou Knoll, foram para leilão, entre outros. Neste ano, 2018, foi reaberto e, por sorte da história, está quase intacto.  Em que prestamos atenção?  Nas peças de arte de Rothko, Franz Kline, Joan Miró ou Alexander Calder, entre outros; o bar com sua imponente escultura de bronze no teto de Richard Lippold e seus bancos criados por Van der Rohe e Philip Johnson; bem como as cadeiras da sala de jantar, Brno de Knoll, que Van der Rohe também projetou na época e que agora foram reeditadas.
    3The Grill: esse restaurante de Nova York é um museu Entre 1954 e 1958 foi construído um dos mais belos espaços de arquitetura e design do século XX no mundo: Seagram Building. Na Park Avenue, em Nova York, este trabalho é de Mies van der Rohe com interiores de Philip Johnson. Abriga escritórios e um restaurante, The Grill, ponto de encontro da alta sociedade americana por décadas. Em 2016, eles decidiram atualizá-lo, e muitos dos móveis deste espaço, originais de Eero Saarinen ou Knoll, foram para leilão, entre outros. Neste ano, 2018, foi reaberto e, por sorte da história, está quase intacto. Em que prestamos atenção? Nas peças de arte de Rothko, Franz Kline, Joan Miró ou Alexander Calder, entre outros; o bar com sua imponente escultura de bronze no teto de Richard Lippold e seus bancos criados por Van der Rohe e Philip Johnson; bem como as cadeiras da sala de jantar, Brno de Knoll, que Van der Rohe também projetou na época e que agora foram reeditadas.
  • Quem quer que ouça um concerto, veja uma exposição de arte ou uma peça desse complexo brutalista na cidade de Londres, saiba que também deve ficar animado com o concreto que o cerca. Desde 1982, é um dos maiores centros culturais da Europa (embora o Barbican Estate, que o abriga, tenha sido concluído em 1976). É um trabalho dos arquitetos Chamberlin, Powell e Bon, cujo valor, além disso, está em sua própria abordagem para ocupar um local devastado pela Segunda Guerra Mundial.  No que prestamos atenção?  Em qualquer um dos 13 blocos de edifícios que o compõem, agrupados em torno de um lago artificial. Esses blocos são elevados em vários andares, permitindo que os pedestres circulem em diferentes terraços e passeios elevados. Dois de seus edifícios eram os mais altos de Londres nos anos setenta. Tem uma referência estética do movimento de arte e artesanato, mas foi adicionado nos anos noventa.
    4A coesão urbana do Barbican Centre de Londres Quem quer que ouça um concerto, veja uma exposição de arte ou uma peça desse complexo brutalista na cidade de Londres, saiba que também deve ficar animado com o concreto que o cerca. Desde 1982, é um dos maiores centros culturais da Europa (embora o Barbican Estate, que o abriga, tenha sido concluído em 1976). É um trabalho dos arquitetos Chamberlin, Powell e Bon, cujo valor, além disso, está em sua própria abordagem para ocupar um local devastado pela Segunda Guerra Mundial. No que prestamos atenção? Em qualquer um dos 13 blocos de edifícios que o compõem, agrupados em torno de um lago artificial. Esses blocos são elevados em vários andares, permitindo que os pedestres circulem em diferentes terraços e passeios elevados. Dois de seus edifícios eram os mais altos de Londres nos anos setenta. Tem uma referência estética do movimento de arte e artesanato, mas foi adicionado nos anos noventa. Alamy
  • O distrito de Hansaviertel, no noroeste de Berlim, foi destruído pela Segunda Guerra Mundial completamente. Assim, em 1957, o Senado da cidade quis organizar uma exposição internacional de arquitetura em que fossem apresentadas soluções habitacionais que estabelecessem diferença entre o passado nazista e com o vizinho socialista. Foi assim que esta urbanização foi criada, com construções de Walter Gropius, Luciano Baldessari, Egon Eiermann, Alvar Aalto, Oscar Niemeyer (foto) ou Max Taut. Uma obra-prima que ainda está viva hoje, com gemas arquitetônicas do século XX, desconhecidas de muitos visitantes da cidade. É considerado um monumento histórico.  Em que prestamos atenção?  Começar a rota na Hansaplatz pode ser uma opção para verificar a magnitude arquitetônica dessas construções de moradias sociais. Existem 36 edifícios de arquitetos de 14 países. Aqui está a sede da Academia de Artes, Werner Düttmann, uma maravilha racionalista.
    5The Hansaviertel Interbau, a urbanização de Berlim com obras de Niemeyer ou Aalto O distrito de Hansaviertel, no noroeste de Berlim, foi destruído pela Segunda Guerra Mundial completamente. Assim, em 1957, o Senado da cidade quis organizar uma exposição internacional de arquitetura em que fossem apresentadas soluções habitacionais que estabelecessem diferença entre o passado nazista e com o vizinho socialista. Foi assim que esta urbanização foi criada, com construções de Walter Gropius, Luciano Baldessari, Egon Eiermann, Alvar Aalto, Oscar Niemeyer (foto) ou Max Taut. Uma obra-prima que ainda está viva hoje, com gemas arquitetônicas do século XX, desconhecidas de muitos visitantes da cidade. É considerado um monumento histórico. Em que prestamos atenção? Começar a rota na Hansaplatz pode ser uma opção para verificar a magnitude arquitetônica dessas construções de moradias sociais. Existem 36 edifícios de arquitetos de 14 países. Aqui está a sede da Academia de Artes, Werner Düttmann, uma maravilha racionalista. Alamy
  • Woodrow Wilson era o presidente dos EUA e estava prestes a começar a Primeira Guerra Mundial. Seis anos depois, a Lei Seca mudaria os costumes da cidade de Nova York. Em 1913 todas essas coisas aconteceram e o Oyster Bar da Gran Central Station, projetado alguns anos antes pelo arquiteto valenciano Rafael Guastavino (1842-1908), também foi inaugurado.  Em que prestamos atenção?  Em sua cúpula, inventada pelos espanhóis com um sistema de arcos e abóbadas leves e resistentes que se replicavam em vários edifícios lendários da Big Apple. A galeria sussurrante da estação também tem sua assinatura, assim como na Queensboro Bridge, na Ellis Island Records Room e na Boston Public Library.
    6Oyster Bar da Grand Central Station, a obra de um valenciano em Nova York Woodrow Wilson era o presidente dos EUA e estava prestes a começar a Primeira Guerra Mundial. Seis anos depois, a Lei Seca mudaria os costumes da cidade de Nova York. Em 1913 todas essas coisas aconteceram e o Oyster Bar da Gran Central Station, projetado alguns anos antes pelo arquiteto valenciano Rafael Guastavino (1842-1908), também foi inaugurado. Em que prestamos atenção? Em sua cúpula, inventada pelos espanhóis com um sistema de arcos e abóbadas leves e resistentes que se replicavam em vários edifícios lendários da Big Apple. A galeria sussurrante da estação também tem sua assinatura, assim como na Queensboro Bridge, na Ellis Island Records Room e na Boston Public Library. Alamy
  • Cinco mil pessoas o visitam todos os dias desde 2006, embora talvez não prestem atenção ao seu valor como um exemplo da arquitetura do século XXI. Alberto Kalach é o criador da biblioteca de José Vasconcelos, na Cidade do México, um arquiteto a quem esta grande obra colocou na escala internacional. Um quarto luminoso, de três níveis, com paredes de vidro e um piso térreo que funciona como uma grande avenida que distribui espaços. Cerca de 38.000 metros ocupam todo o local, dos quais 26.000 são ocupados por um gigantesco jardim.  Em que prestamos atenção?  Nos jogos de luzes que são criados com os diferentes terraços de consulta e no trabalho de artistas mexicanos que pontilham o espaço, como 'Mátrix Móvil', de Gabriel Orozco.
    7A biblioteca do século XXI está na Cidade de México Cinco mil pessoas o visitam todos os dias desde 2006, embora talvez não prestem atenção ao seu valor como um exemplo da arquitetura do século XXI. Alberto Kalach é o criador da biblioteca de José Vasconcelos, na Cidade do México, um arquiteto a quem esta grande obra colocou na escala internacional. Um quarto luminoso, de três níveis, com paredes de vidro e um piso térreo que funciona como uma grande avenida que distribui espaços. Cerca de 38.000 metros ocupam todo o local, dos quais 26.000 são ocupados por um gigantesco jardim. Em que prestamos atenção? Nos jogos de luzes que são criados com os diferentes terraços de consulta e no trabalho de artistas mexicanos que pontilham o espaço, como 'Mátrix Móvil', de Gabriel Orozco. Alamy
  • Buenos Aires tem mais ícones, além de Evita ou Jorge Luis Borges. Um deles é Clorindo Testa, o arquiteto responsável pela Biblioteca Nacional da Argentina: "O mais belo e feio edifício da cidade", segundo os próprios moradores em uma pesquisa, Testa deixou sua marca no Centro Cultural Recoleta ou no Antigo Banco de Londres, entre outros prédios da cidade, mas esta massa brutalista é a mais famosa (inaugurada em 1992), através da qual milhares de cidadãos vão diariamente ao bairro da Recoleta, para consultar suas mais de 800.000 obras. São 45.000 metros quadrados, dos quais 4.000 são para salas de leitura.  Em que prestamos atenção?  O edifício emerge da praça como um cogumelo, mas seu real valor arquitetônico está dentro, todo o seu armazenamento é subterrâneo, o que faz com que seu crescimento seja ilimitado.
    8A brutalista Biblioteca Nacional do bairro da Recoleta em Buenos Aires Buenos Aires tem mais ícones, além de Evita ou Jorge Luis Borges. Um deles é Clorindo Testa, o arquiteto responsável pela Biblioteca Nacional da Argentina: "O mais belo e feio edifício da cidade", segundo os próprios moradores em uma pesquisa, Testa deixou sua marca no Centro Cultural Recoleta ou no Antigo Banco de Londres, entre outros prédios da cidade, mas esta massa brutalista é a mais famosa (inaugurada em 1992), através da qual milhares de cidadãos vão diariamente ao bairro da Recoleta, para consultar suas mais de 800.000 obras. São 45.000 metros quadrados, dos quais 4.000 são para salas de leitura. Em que prestamos atenção? O edifício emerge da praça como um cogumelo, mas seu real valor arquitetônico está dentro, todo o seu armazenamento é subterrâneo, o que faz com que seu crescimento seja ilimitado.
  • Estamos acostumados a um Prêmio Pritzker de arquitetura para estádios, museus ou estações de trem, mas não por fazer isso em paradas de ônibus ou mictórios públicos. Na cidade holandesa de Groningen, Rem Koolhaas projetou essas infraestruturas junto com o fotógrafo Erwin Olaf (conhecido por suas fotografias de Lady Di ferida pela estrela da Mercedes-Benz). Nesta cidade, onde mais de 50% dos seus habitantes têm menos de 35 anos, esse tipo de espaço é compreendido, compartilhado, respeitado e usado.  Em que prestamos atenção?  Nas silhuetas das ilustrações das telas, a meio caminho entre a iconografia erótica dos banhos gregos e uma história em quadrinhos.
    9Mictórios públicos de Rem Koolhaas, na Holanda Estamos acostumados a um Prêmio Pritzker de arquitetura para estádios, museus ou estações de trem, mas não por fazer isso em paradas de ônibus ou mictórios públicos. Na cidade holandesa de Groningen, Rem Koolhaas projetou essas infraestruturas junto com o fotógrafo Erwin Olaf (conhecido por suas fotografias de Lady Di ferida pela estrela da Mercedes-Benz). Nesta cidade, onde mais de 50% dos seus habitantes têm menos de 35 anos, esse tipo de espaço é compreendido, compartilhado, respeitado e usado. Em que prestamos atenção? Nas silhuetas das ilustrações das telas, a meio caminho entre a iconografia erótica dos banhos gregos e uma história em quadrinhos. Getty
  • Quando o arquiteto Richard Seifert foi contratado pelo magnata britânico Harry Hyams para construir um edifício no centro de Londres, ele não imaginava que seria por anos odiado pelos seus cidadãos. Inaugurado em 1966, sempre foi um exemplo de especulação imobiliária, de como um capricho de um pode acabar dificultando a vida de tantos. Estava vazia durante uma década -Hyams queria alugá-lo a uma única empresa para ser seu emblema, mas não conseguiu fazê-lo - e o lote que ocupou (101-103, New Oxford Street) impediu a área de crescer de uma forma ordenada, criando uma área abandonada e conflituosa.  Em que prestamos atenção?  Em 1995, o edifício foi catalogado pelo governo britânico e incluído na lista de edifícios protegidos no país. E ser assinado por Richard Seifert (autor da Torre 42 Broad Street, Old ou Gateway House em Manchester, entre outros) é suficiente para estimar que, na época, era o maior arranha-céus em Londres, com 117 metros e 34 andares de altura. Atenção ao seu concreto armado com peças em forma de H que estão formando a fachada. Nos anos 60, foi algo inovador.
    10O edifício mais odiado de Londres: Centre Point Quando o arquiteto Richard Seifert foi contratado pelo magnata britânico Harry Hyams para construir um edifício no centro de Londres, ele não imaginava que seria por anos odiado pelos seus cidadãos. Inaugurado em 1966, sempre foi um exemplo de especulação imobiliária, de como um capricho de um pode acabar dificultando a vida de tantos. Estava vazia durante uma década -Hyams queria alugá-lo a uma única empresa para ser seu emblema, mas não conseguiu fazê-lo - e o lote que ocupou (101-103, New Oxford Street) impediu a área de crescer de uma forma ordenada, criando uma área abandonada e conflituosa. Em que prestamos atenção? Em 1995, o edifício foi catalogado pelo governo britânico e incluído na lista de edifícios protegidos no país. E ser assinado por Richard Seifert (autor da Torre 42 Broad Street, Old ou Gateway House em Manchester, entre outros) é suficiente para estimar que, na época, era o maior arranha-céus em Londres, com 117 metros e 34 andares de altura. Atenção ao seu concreto armado com peças em forma de H que estão formando a fachada. Nos anos 60, foi algo inovador.

MAIS INFORMAÇÕES