Seleccione Edição
Login

Millôr Fernandes e o enorme passado que o Brasil tem pela frente

Mostra em São Paulo reúne desenhos do artista brasileiro, que ressaltam sua genialidade, o humor ácido e as duras críticas à situação política, social e econômica do Brasil. 'Millôr: Obra Gráfica' homenageia os 70 anos da carreira do artista e estará exposta no IMS, em São Paulo, até o dia 27 de janeiro

  •  A exposição do IMS, que esteve em cartaz no Rio em 2016, é a primeira retrospectiva dedicada exclusivamente ao trabalho plástico de Millôr, que, também escritor e tradutor, se definia a si mesmo como jornalista. Grande parte da sua obra plástica se desenvolveu para veículos de imprensa impressos, da revista 'Cruzeiro' ao histórico 'Pif-Paf', que teve poucos números durante a ditadura, à revista 'Veja'. Um dos motivos explorados foram os militares e sua vaidade, na série em que aparecem ao lado de pavão.   Desenho, s.d. Nanquim, ecoline e grafite sobre papel, 26,3 x 22,2 cm.
    1

    A exposição do IMS, que esteve em cartaz no Rio em 2016, é a primeira retrospectiva dedicada exclusivamente ao trabalho plástico de Millôr, que, também escritor e tradutor, se definia a si mesmo como jornalista. Grande parte da sua obra plástica se desenvolveu para veículos de imprensa impressos, da revista 'Cruzeiro' ao histórico 'Pif-Paf', que teve poucos números durante a ditadura, à revista 'Veja'. Um dos motivos explorados foram os militares e sua vaidade, na série em que aparecem ao lado de pavão.

    Desenho, s.d. Nanquim, ecoline e grafite sobre papel, 26,3 x 22,2 cm.
  •  O autorretrato e as inúmeras formas de escrever o próprio nome foram um das marcas do artista, morto em 2012.  Desenho com autorretrato, 2001. Nanquim, lápis de cor aquarelável, crayon e colagem sobre papel, 21 x 29,6 cm.
    2

    O autorretrato e as inúmeras formas de escrever o próprio nome foram um das marcas do artista, morto em 2012.

    Desenho com autorretrato, 2001. Nanquim, lápis de cor aquarelável, crayon e colagem sobre papel, 21 x 29,6 cm.
  •  A sátira ácida e a convicção de que não existe humor a favor do poder foram marcantes na carreira.  Desenho, 1992. Colagem, hidrocor e corretor sobre papel, 32,9 x 21,6 cm.
    3

    A sátira ácida e a convicção de que não existe humor a favor do poder foram marcantes na carreira.

    Desenho, 1992. Colagem, hidrocor e corretor sobre papel, 32,9 x 21,6 cm.
  •  Durante toda a profílica obra, Millôr exibiu domínio de técnicas variadas e das cores.  Desenho,1974. Nanquim, crayon, aquarela e ecoline sobre cartão, 26,5 x 39 cm.
    4

    Durante toda a profílica obra, Millôr exibiu domínio de técnicas variadas e das cores.

    Desenho,1974. Nanquim, crayon, aquarela e ecoline sobre cartão, 26,5 x 39 cm.
  •  Desenho, s.d. Nanquim, aguada de nanquim, ecoline e grafite sobre cartão, 22,8 x 28,1 cm.
    5

    Desenho, s.d. Nanquim, aguada de nanquim, ecoline e grafite sobre cartão, 22,8 x 28,1 cm.

  • Desenho, 1971. Nanquim, guache e lápis de cor sobre papel, 21,5 x 32,9 cm.
    6Desenho, 1971. Nanquim, guache e lápis de cor sobre papel, 21,5 x 32,9 cm.
  • Desenho, 1967. Nanquim, ecoline e grafite sobre cartão, 22,4 x 24,3 cm.
    7Desenho, 1967. Nanquim, ecoline e grafite sobre cartão, 22,4 x 24,3 cm.
  • A obra faz jus a um dos famosos aforismos de Millôr: "o Brasil tem um passado enorme pela frente", com temas que vão e vem na esfera pública, como corrupção e desespero na vida nacional.  Desenho, 2005. Nanquim, hidrocor, crayon, colagem e grafite sobre papel, 21 x 29,6 cm.
    8A obra faz jus a um dos famosos aforismos de Millôr: "o Brasil tem um passado enorme pela frente", com temas que vão e vem na esfera pública, como corrupção e desespero na vida nacional.

    Desenho, 2005. Nanquim, hidrocor, crayon, colagem e grafite sobre papel, 21 x 29,6 cm.

  •  Desenho, 1984. Nanquim, guache e aquarela sobre papel, 19,5 x 24,1 cm.
    9

    Desenho, 1984. Nanquim, guache e aquarela sobre papel, 19,5 x 24,1 cm.

  • Desenho, 1968. Nanquim e guache sobre cartão, 31,7 x 25 cm.
    10Desenho, 1968. Nanquim e guache sobre cartão, 31,7 x 25 cm.
  • Desenho, 25.02.2003. Guache, hidrocor e crayon sobre papel, 21 x 29,2 cm.
    11Desenho, 25.02.2003. Guache, hidrocor e crayon sobre papel, 21 x 29,2 cm.
  • Desenho, 1973. Nanquim, hidrocor e ecoline sobre cartão, 8,9 x 22,1 cm.
    12Desenho, 1973. Nanquim, hidrocor e ecoline sobre cartão, 8,9 x 22,1 cm.
  • Desenho, 1986. Nanquim e lápis de cor sobre papel, 22,1 x 33,1 cm.
    13Desenho, 1986. Nanquim e lápis de cor sobre papel, 22,1 x 33,1 cm.
  • Deformação profissional, 1957. Nanquim sobre papel, 36,4 x 51,1 cm.
    14Deformação profissional, 1957. Nanquim sobre papel, 36,4 x 51,1 cm.
  • Desenho, 1956. Nanquim, ecoline e grafite sobre papel, 36,4 x 28,7 cm.
    15Desenho, 1956. Nanquim, ecoline e grafite sobre papel, 36,4 x 28,7 cm.
  • Parada, 1962. Nanquim, guache, aquarela e grafite sobre papel, 48,6 x 66,4 cm.
    16Parada, 1962. Nanquim, guache, aquarela e grafite sobre papel, 48,6 x 66,4 cm.
  • Desenho de assinatura, 2005. Nanquim, guache, aquarela e grafite sobre papel, 48,6 x 66,4 cm.
    17Desenho de assinatura, 2005. Nanquim, guache, aquarela e grafite sobre papel, 48,6 x 66,4 cm.
  • Papagráfio, 1957. Nanquim e corretor sobre papel, 102 x 75,5 cm.
    18Papagráfio, 1957. Nanquim e corretor sobre papel, 102 x 75,5 cm.
  • Exposição, 1961. Nanquim, guache e grafite sobre papel, 37,7 x 55,8 cm.
    19Exposição, 1961. Nanquim, guache e grafite sobre papel, 37,7 x 55,8 cm.
  • Corrosão, 1975. Nanquim, aquarela, hidrocor e grafite sobre papel, 34,4 x 50,9 cm.
    20Corrosão, 1975. Nanquim, aquarela, hidrocor e grafite sobre papel, 34,4 x 50,9 cm.
  • Layout para Esta é, realmente, a verdadeira história do paraíso, 1963. Nanquim, guache e grafite sobre papel, 51 x 72,9 cm.
    21Layout para Esta é, realmente, a verdadeira história do paraíso, 1963. Nanquim, guache e grafite sobre papel, 51 x 72,9 cm.
  • 22