Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Natal: cinco conselhos para não terminar no vermelho

Comece preparando um orçamento e planejando os gastos que terá de fazer

Dicas para o Natal

O Natal é uma das épocas do ano, juntamente com as férias de verão e os feriados prolongados, nas quais os gastos aumentam. A compra de presentes, o lazer, as viagens e a alimentação são os itens que consomem a maior parte do orçamento. O pagamento extra que muitos trabalhadores recebem ajuda a cobrir essas despesas que a maioria já leva em conta. Aproveitar estas festas sem despesas desmedidas é fundamental para que o novo ano não comece com a economia doméstica prejudicada.

1- Planeje (o lazer também)

O planejamento é uma medida básica em qualquer método para controlar gastos ou economizar. E é tão simples como fazer uma lista com os gastos previstos para as próximas semanas. Quantos presentes você vai dar? Receberá convidados em casa? Vai jantar fora com a família? Terá de viajar para visitar parentes ou amigos? Planejar as festas em termos econômicos nos dará um total estimado de gastos. A partir daí, veremos se podemos arcar com tudo que estamos prevendo ou se teremos de cortar algo da lista. Se for este o caso, ter uma lista com cada um dos gastos tornará mais fácil fazer uma reestruturação.

2 - Não se deixe levar pelas ofertas

O Natal é uma época histórica de lançamento de campanhas publicitárias. As compras aumentam e as marcas querem aproveitar o calendário para aumentar suas vendas. É fácil deixar-se levar pelo clima natalino e comprar mais que o necessário. Além disso, nos últimos tempos temos visto como se desvirtuam as ofertas de janeiro adiantando descontos e promoções para atrair clientes que se preparam para as festas.

As ofertas e descontos também podem jogar a favor do consumidor. O importante é não se deixar levar pelos preços especiais. Aproveitar os descontos temporários ou as ofertas de meia-estação de muitas lojas, além de evitar compras de última hora, ajudará você a economizar.

3 - Os melhores presentes nem sempre são os mais caros

O estudo de tendências de consumo natalino de 2017 da consultoria Deloitte mostra que o presente mais desejado é o dinheiro, seguido de viagens, no caso dos homens, ou de roupa e calçados, no caso das mulheres. Generalizar na hora de dar um presente o torna mais impessoal, e se você escolhe um presente como o dinheiro, a despersonalização é ainda maior. Às vezes, pensar mais detalhadamente e inovar nas opções pode ser o caminho para atingir dois objetivos. Por um lado, conseguir presentes exclusivos e personalizados. Por outro, controlar as despesas. Oferecer uma tarde em um lugar especial ou realizar uma tarefa que a pessoa presenteada odeia fazer podem ser alguns exemplos.

4 - Use a imaginação

O Natal é uma época em que podemos nos deixar levar pela ostentação e pela tradição. O esforço de decorar tudo ajuda a criar um ambiente familiar e íntimo que não tem por que nos custar dinheiro. Os enfeites natalinos podem ser feitos em casa, podemos encontrar tutoriais fáceis de pôr em prática com elementos que já temos e, além disso, se houver crianças em casa, aproveitamos para compartilhar um momento divertido. Os menus também podem ser ajustados para adaptá-los ao orçamento. Podemos congelar com antecedência algum produto que sabemos que ficará mais caro nesta época, ou trocar ingredientes.

5 - Cuidado com o uso do cartão (principalmente se for de crédito)

Os pagamentos com cartão têm de ser controlados para saber o estado das finanças pessoais. Os aplicativos dos bancos que permitem controlar o saldo em tempo real facilitam essa tarefa. O objetivo é evitar que não tenhamos a sensação de gasto ao pagar com cartão, por não usarmos dinheiro vivo.

Além disso, se você for comprar algo parcelado no cartão de crédito, deve fazer as contas antes e ter certeza de que poderá arcar com essas parcelas. Também é preciso ter consciência dos juros que serão pagos, para saber se compensa.

MAIS INFORMAÇÕES