TÊNIS | ABERTO DA AUSTRÁLIA

Serena Williams supera a irmã Venus na final do Aberto da Austrália e conquista seu 23º Grand Slam

Com um duplo 6-4, a norte-americana ergue seu sétimo troféu em Melbourne e recupera a liderança do ranking

Venus e Serena posam com seus respectivos troféus em Melbourne.
Venus e Serena posam com seus respectivos troféus em Melbourne.PAUL CROCK (AFP)

Enganou-se quem imaginava que Serena Williams poderia cair na tentação da compaixão, que talvez tivesse uma maior consideração por sua irmã mais velha, Venus, com uma louvável trajetória que aos 36 anos a levou novamente à final do Aberto da Austrália. A norte-americana é uma mulher de bom coração, mas também uma competidora impiedosa. Entrou na quadra central de Melbourne com um número em mente, o 23, os títulos em torneios do Grand Slam que ela soma após a vitória deste sábado (duplo 6-4, em 1h21min). É a tenista mais vitoriosa desde o início da era dos torneios abertos, em 1969, deixando para trás a alemã Steffi Graf (22 títulos). Serena tem agora apenas um título a menos que a australiana Margaret Court (que fez parte da sua carreira na época do tênis amador), o que representa mais um estímulo para a sua trajetória.

Aos 35 anos e 125 dias, a norte-americana ganha seu sétimo troféu em Melbourne e se torna também a tenista mais veterana a vencer um Grand Slam, e a mais velha ao assumir a liderança do ranking – com o resultado deste sábado, chega a 7.780 pontos e supera a alemã Angelique Kerber, vencedora do Aberto da Austrália em 2016, que tem 7.115 pontos e teve um reinado de quatro meses, até ser derrubada nas oitavas de final desta edição por Coco Vandeweghe.

MAIS INFORMAÇÕES

Enquanto isso, Serena continuou fazendo história. Agora que todo mundo volta os olhos para a final entre Rafael Nadal e Roger Federer, talvez seria o caso de se perguntar se Williams não é o melhor tenista de todos os tempos, independentemente de gêneros e épocas. Ninguém conseguiu resultados como os seus nem teve uma regularidade tão impressionante. Basta dizer que ganhou nada mais e nada menos que nove Grand Slams depois dos 30 anos. Quem o define à perfeição é Xavi Budó, o preparador da espanhola Carla Suárez: “Ela significa viver por e para um esporte. Conviver com a pressão de ser a melhor e ter uma fome eterna de vitória”.

E, para provar isso, a frase que soltou quando já tinha o novo troféu nos seus braços: “23, 24, 25… Nunca é suficiente. Eu me senti como se realmente tivesse melhorado meu jogo neste ano”. Talvez seja cedo para averiguar, mas o fato é que, em Melbourne, Serena não fez uma mínima concessão. Não cedeu um só set em sete jogos, e em nenhum momento deixou a sensação de que poderia cair na final perante Venus, por maior que fosse o componente emocional que envolvia a partida. Uma circunstância que de forma alguma era nova para elas, mais que acostumadas a se enfrentarem – o primeiro confronto direto numa final de Grand Slam foi na Austrália em 2003, há 14 anos, e o último havia sido em 2009 em Wimbledon.

O 23, um número com muita mística

Serena exibe seu troféu ante os fotógrafos, neste sábado em Melbourne.
Serena exibe seu troféu ante os fotógrafos, neste sábado em Melbourne.Michael Dodge (Getty)

Foi um sábado sem sobressaltos para Serena, ganhadora de 81 jogos dos 91 que disputou em Melbourne e de 316 em Grand Slams. Números e mais números quando se escreve sobre ela, a campeã que cresceu em um subúrbio californiano e se tornou uma das grandes esportistas em atividade no planeta. Números e as declarações de praxe. “Quando você ganha eu também ganho”, disse-lhe Venus, dona de 10 torneios majors, só dois a menos que Novak Djokovic; “Quando eu queria chegar ao topo você já estava lá. Estou enormemente orgulhosa de você. Você é o meu mundo”. Ao que a caçula respondeu: “Não poderia ter ganhado estes 23 troféus sem ela. É minha inspiração e a única razão pela qual estou aqui agora”.

Aos seus 35 anos, Serena se tornou a atleta mais vitoriosa da era do tênis profissional, à frente da alemã Steffi Graf (22 títulos)

Assim terminou a emotiva noite de sábado em Melbourne, com os 23 títulos de Serena. Um número com muita mística. O 23, afinal de contas, era o número da camisa do mágico do jogador de basquete Michael Jordan; 23 foi o dia em que nasceu Pelé, um dos grandes jogadores de futebol de todos os tempos; e 23 foram os socos que o pugilista Muhammad Ali esquivou, em 10 segundos, durante a histórica sequência que protagonizou em abril de 1977, em Miami, diante do jovem Michael Dockes, de 19 aninhos, 16 a menos que ele. Agora, Serena honra o número áureo. Já tem 23 troféus do Grand Slam, distribuídos da seguinte maneira: sete em Melbourne, outros sete em Wimbledon, seis em Nova York e três em Roland Garros.

Federer e Nadal, claro que sim. E Serena Jameka Williams Price também.

Arquivado Em: