Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Antes morta do que ser uma ‘mãe helicóptero’

‘Supermães’, ‘mães tigre’, ‘mães tóxicas’. Por que somos rotuladas sem parar? Mesmo sendo imperfeitas, algo estamos fazendo direito, não?

Uma mãe leva a seus filhos ao colégio.
Uma mãe leva a seus filhos ao colégio. efe

Qualquer um que tenha se interessado por educação e psicologia infantil terá ouvido falar que rotular as crianças não é uma boa ideia. Quando alguém é rotulado, não pode deixar de ser o que foi dito que é: você é tonta, você é um burro, é uma princesa, é um campeão. É a graça do verbo ser, não é o mesmo ser feio que estar feio. Se você é feio, não tem solução.

O que me perturba muito é que quando quero ser uma boa mãe, quando acho que não devo rotular meus filhos, sou tomada pela dúvida se não serei uma dessas mães helicóptero. Talvez deveria dizer claramente a eles que são idiotas quando não sabem fazer a lição de casa. Se ficam frustrados, porque não acontece nada, que aprendam a administrar sua frustração. Porque não quero ser de nenhuma maneira uma “daquelas” mães.

Não vou carregar a mochila do menor de 7 anos, com seus cinco livros e cinco cadernos, mais o estojo, embora seja mais pesado do que ele, ou vai ser uma criança fraquinha e quando crescer, um adulto irresponsável. Então vai ser um adolescente com problemas nas costas, mas que se vire e comece a trabalhar aos 16 anos para pagar a fisioterapia e a reabilitação, certo? Oh, vamos ver se vou exagerar e me transformar em uma mãe tigre, aqueles que levam seus filhos ao violino e ao piano, castigam se tiram uma nota menor do que excelente e não deixa que fiquem na casa de amigos, nem deixam ir a festas de aniversário.

E se um dia o maior chegar da escola dizendo que foi assediado? Que apanhe, essas coisas passaram a vida toda, deve aprender a se defender. São coisas de criança. Como é possível ser tão tonto? Se isso só acontece com crianças bolha, filhos de supermães. E se é ele que faz bullying? Bem, então, nesse caso, merece uma lição exemplar, para saber o que se sente, vou fazer com ele a mesma coisa que fez com sua vítima. Melhor ser uma mãe troll que uma mãe helicóptero, como aquele pai, Martin Burr (@therealburrmartin), um autêntico troll que imita as selfies de sua filha no Instagram. Vou encontrar todas as fotografias mais ridículas que tenha dele e compartilhar com o resto do mundo.

Eu só sabia que queria ser uma boa mãe, tinham dito que era fácil, que devia seguir meus instintos

No grupo de WhatsApp da classe do menor, algumas mães claramente superprotetoras não param de falar mal de um garoto que bate e insulta as meninas. Dizem que a criança faz o que quer e não respeita as meninas. Eu já sabia que a mãe dele era muito permissiva, dava para ver que isso ia acontecer desde os tempos da creche: não estabelecia limites. Não quero ser como ela, acho que é uma mãe helicóptero-permissiva, assim nunca vamos acabar com a violência de gênero.

E depois há um outro grupinho que fala o dia inteiro como o açúcar é ruim, a liga antiaçúcar, como chamamos, e dizem que se convidarmos os filhos delas para um aniversário, eles não vão, nem precisa convidar, porque as nossas festas de aniversário são verdadeiras orgias de açúcar, estamos drogando as crianças. É claro que são mães tóxicas: não amam seus filhos, estão amargando a infância deles. Será que a minha irmã é uma mãe tóxica? Ultimamente ela passa o dia todo olhando se o que compra tem óleo de palma. Não compra mais cremes de cacau, bombons, biscoitos e bolos industriais. Meus filhos não querem ir na casa dela brincar com os primos, dizem que não gostam dos lanches, nunca tem Nutella ou bolachas de dinossauros.

Como é complicado tudo isso. Eu só sabia que queria ser uma boa mãe, me falaram que era fácil, que devia seguir meus instintos. Mas me instinto diz, por exemplo, que se meu filho ao sair de casa de manhã com a mochila cheia de cadernos, livros, estojo e agenda, além de levar a flauta e a roupa do judô, esquece o lanche, como boa mãe, eu deveria levar para ele na escola. Lembro que minha mãe às vezes levava o lanche na hora do recreio e me passava pela grade, bom, pelo portão, pois dito assim parece que o colégio é uma prisão. Claro, como era lindo que minha mãe passasse para me ver no recreio e me levasse um sanduíche feito na hora. Eu adorava.

Com tanto rótulo, parece que não existem mães normais neste país

Mas não vou fazer isso, porque puseram um cartaz em algum colégio proibindo os pais de levarem aos seus filhos o que estes esquecerem em casa, e não quero passar vergonha. Ou pior, que digam que sou uma mãe helicóptero.

Agora mesmo não sei mais que tipo de mãe eu sou. Se não sou uma mãe helicóptero, eu sou uma supermãe, mãe permissiva, mãe troll, mãe tigre, mãe corvo ou mãe tóxica? Mas não tinham dito que os rótulos são ruins? Não podemos rotular as crianças, mas podemos rotular as mães?

Acho que estou começando a ser uma mãe arrependida. Mas não de ter filhos, não me arrependo disso. Apenas me arrependo de permitir que todos esses rótulos me afetem, que diminuam minha confiança e meus instintos. No final a culpa de termos ido mal no teste PISA, de termos as maiores taxas de abandono escolar da Europa, de termos uma taxa absurda de desemprego juvenil e de jovens que nem estudam nem trabalham, é somente das mães. Mas de qual delas? Das helicóptero ou das tigre?

Já sei que sou uma mãe imperfeita, mas por favor, vamos deixar isso assim, não coloquemos mais rótulos negativos. Algo as mães fazem bem, afirmo. Ou todos os jovens espanhóis talentosos que criam startups não têm mãe? E também têm mãe as crianças e adolescentes honestos, generosos, que estudam, se esforçam, procuram um emprego, e são honrados. É que com tanto rótulo negativo, parece que não existem mais mães normais neste país. Apesar de sermos imperfeitas, somos sobretudo MÃES.

MAIS INFORMAÇÕES