Paleontologia

Encontrada uma das maiores pegadas de dinossauros do mundo

Pisada com mais de um metro de comprimento estava em “ótimo estado de conservação”

O professor Shinobu Ishigaki posa com o rastro.
O professor Shinobu Ishigaki posa com o rastro.Instituto de Paleontología de Mongolia y Universidad de Okayama

Mais informações

Existem pegadas que deixam marcas profundas. Mas nem todas correspondem a um titanossauro que habitou o planeta durante a época do Cretáceo Tardio, entre 70 e 90 milhões de anos atrás.

Uma das maiores pegadas de dinossauros foi descoberta no deserto do Gobi, uma região entre o norte da China e o sul da Mongólia. Os investigadores que participaram da escavação, entre eles o professor Shinobu Ishigaki, acreditam que se trata de um exemplar de titanossauro, pertencente à família dos saurópodes, uma espécie herbívora e quadrúpede caracterizada por seu pescoço comprido.

Cientistas que participaram da expedição, da Academia de Ciências de Paleontologia da Mongólia e da Universidade de Ciências de Okayama, no Japão, encontraram a pegada da pata traseira esquerda com “marcas de três garras e em ótimo estado de conservação”, segundo Ishigaki. Os trabalhos de escavação começaram em 21 de agosto.

O tamanho do rastro é de 106 por 77 centímetros, por isso se estima o comprimento do animal entre 20 e 35 metros, e seu peso em aproximadamente 40 toneladas.

O curioso dessa descoberta é que não é uma “pegada côncava”, ou seja, não ficou afundada e assim se preservou ao longo do tempo. Em vez disso, diversos sedimentos com areia grossa se depositaram nesse buraco, assumindo a sua forma.

Essa não foi a única descoberta feita nesse sítio arqueológico. Os pesquisadores localizaram outras pisadas do titanossauro, que, por serem consecutivas, permitiriam “calcular a velocidade do movimento” e o peso do animal. Acredita-se que esse espécime caminhava “arrastando suas patas dianteiras”, razão pela qual seus rastros seriam mais difusos e não teriam sido conservados.

Também identificaram, após seis dias dirigindo pelo deserto, um grande número de rastros fósseis de outros animais espalhados pela zona, como os terópodes, uma espécie carnívora e bípede extinta há 66 milhões de anos.

Entretanto, essas não foram as primeiras grandes pegadas de dinossauros a serem encontradas. Em Marrocos e na França também há marcas de tamanho similar ao encontrado no deserto de Gobi.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete