_
_
_
_
Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Rebelião no Podemos

A luta pelo poder entre Iglesias e Errejón reabre a crise na coligação

A deputada Tania Sánchez (2ª à direita), junto com a porta-voz na Prefeitura de Madri, Rita Maestre (2ª à esquerda), durante a apresentação da plataforma “Adiante Podemos”.
A deputada Tania Sánchez (2ª à direita), junto com a porta-voz na Prefeitura de Madri, Rita Maestre (2ª à esquerda), durante a apresentação da plataforma “Adiante Podemos”.EFE

A cúpula do Podemos não consegue mais esconder a crise interna provocada pela luta pelo poder entre Pablo Iglesias e Íñigo Errejón. Embora oficialmente neguem “guerras ou desafios”, o secretário-geral da coalizão atacou na quinta-feira a iniciativa apresentada no dia anterior por vários membros do setor errejonista (Processo Adiante, liderada pela porta-voz da Prefeitura, Rita Maestre) para liderar o partido na Comunidade de Madri e anunciou que haveria um candidato oficialista (provavelmente Ramón Espinar) para enfrentar a nova rebelião na organização.

Mais informações
A Espanha decide não arriscar (e não resolver)
Direita espanhola sai reforçada das eleições e a esquerda retrocede

Faz apenas seis meses que o secretário político do Podemos, Íñigo Errejón, decidiu dar um passo para trás, depois que Iglesias destituiu como secretário de Organização um dos homens de confiança dele, Sergio Pascual. O número dois se antecipou ao líder do partido e moveu suas fichas para as eleições primárias que serão realizadas em Madri, em novembro; sua federação mais importante, da qual Errejón poderia levantar a batalha no congresso que será realizado no final do ano ou no início de 2017.

A liderança de Iglesias ficou evidente após os resultados das últimas eleições gerais, nas quais o acordo com a Esquerda Unida não só não conseguiu superar o PSOE, mas fez com que perdesse um milhão de votos. Este jornal já havia antecipado em junho que a hiper-liderança do secretário-geral de Podemos era sustentada pela sua imagem de invencibilidade e que esse primeiro tropeço eleitoral poderia aumentar exigências de uma mudança profunda que abrisse o partido para o debate interno e representasse melhor a pluralidade de seus eleitores e simpatizantes.

Desde então, a situação de Iglesias piorou, já que a coalizão de grupos que forma Podemos no Parlamento ficou como uma força residual sem capacidade de condicionar a agenda política. O debate entre as posições políticas e estratégicas dos números um e dois do partido, unido às crises abertas na formação com seus aliados na Galícia, País Basco, Catalunha e Madri, enfraqueceram o poder de Pablo Iglesias e levaram Íñigo Errejón a dar um passo adiante e se apresentar.

Se Podemos quiser se consolidar como uma força política que ocupa um espaço na esquerda espanhola, deveria aproveitar o tempo que resta até seu próximo congresso para discutir em profundidade sua ideologia e seus programas, afastando-se das lideranças populistas. Não vale mais a pena as propostas pega-tudo que vão da socialdemocracia ao comunismo radical ou da visão nacional às propostas independentistas.

Podemos nasceu e cresceu graças a um bom diagnóstico da situação de crise que atravessava a Espanha e sua capacidade de dar esperança a centenas de milhares de indignados. No entanto, em menos de dois anos caiu em muitos dos vícios da velha política que tanto criticava e estabeleceu uma estrutura interna vertical e autoritária, contrária ao espírito participativo da sua fundação. O debate interno é sempre bom para os partidos na democracia.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_